BEN REILLY – O ARANHA ESCARLATE #18 - OZYMANDIAS_REALISTA...

Breaking

Ano IV! Quadrinhos, cinema, opinião, downloads, xadrez e mais 200 coisas.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

BEN REILLY – O ARANHA ESCARLATE #18



Créditos da edição #18:

Escritor: Peter David
Desenhista e arte-finalista: 
André Lima Araújo
Colorista: Rachelle Rosenberg
Capa: Khary Randolph & 
Emilio Lopez
Tradução e diagramação:  Ozymandias_Realista
Revisão: Donnie
Finalização: Raito
Equipes: Ozymandias_Realista, Spider Team e Só Quadrinhos!!!



“Bem, o pai dela é o Mystério, então sim. Isso dá grandes chances dela ser uma supervilã”

De volta a trama principal (e com suposta ameaça de cancelamento na edição #25 Marvel fdp), David agora mostra a que veio Misty, a filha do infame Mystério. O enredo sofreu um “freio” se comparado a ação que tinha nas oito primeiras edições. Em algum ponto, entre várias subtramas, Peter David se empolgou com o gancho do misticismo advindo de “Danação” (ou terá sido ordem editorial?), deixando Ben em uma aventura com ares de “Indiana Jones”.

O conto em si, é rápido e exageradamente simples. O mérito fica na forma como o escritor “costura” as vidas individuais do próprio Bem, Kaine, Sombra, Cassandra Mercury, Mystério, e sua filha, a grande nem tanto, vai adversária do arco a concluir no próximo número. Um comentário “por fora”, mas que devo acrescentar, é da participação de Mistério na primeira edição do recente EHA #1 de Spencer, não jogando pela janela, seja por desconhecer, ou ignorar, as nuances atuais que o vilão estava tendo.

Os desenhos do português André Lima possuem ótima dinamicidade, entretanto preguiça em planos abertos, compreensível em alguns quadros por seu presumível prazo mensal. Além do seu diferencial de deixar as marcação dos quadros nas páginas a lápis, contrariando as expectativas, confere um aspecto mais artesão. Se tratando de cenários fechados, o artista acrescenta pequenos detalhes que quebram a esterilidade do ambiente e os tornam mais reais. Seja um vaso no primeiro plano, ou a velocidade com que os ângulos se alteram, numa interessante brincadeira com as perspectivas. Seu aspecto risível fica em relação as teias, mais parecendo cimento.

Nota: 6.3

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog