terça-feira, 25 de outubro de 2016

MAKING OF? -- PARTE 02 DE 02...



Para os que não acompanharam a Parte 01, clique AQUI.
Leia ATÉ ONDE AGUENTAR, e dessa vez não estou sendo exagerado.

Como começar a contar – ou mesmo continuar – essa história? Ela não fará diferença a ninguém que vai ler, ou mesmo quase ninguém a lerá. Embora que depois de 2 anos escrevendo aqui, começo a ver, que o mais importante é escrever. Se não fosse aqui, seria em algum caderno sem capa, cheio de mofo, rabiscos e garranchos, enterrado em algum lugar que eu não lembraria. Eu dedico tudo isso, ao senhor, Ítalo Azul. Talvez em uma realidade alternativa, tenhamos sido melhores amigos e construído mais do que esse blog aqui. Porque nessa realidade, não somos inimigos, embora, por mais discordantes que sejamos, a ponto do diálogo ser quase inviável, eu respeito a sua inteligência ao nível de não sentir rancor seu. Quem sabe, em algum metrô ai perdido, em sua identidade secreta, esteja lendo tudo isso agora. Quem sabe...

2014 – “O BLOG TÁ FEITO, AGORA SÓ LHE RESTA COMEÇAR A POSTAR”

 
Foi essa a exata frase que eu escutei. Na época, demorei duas semanas até conseguir fazer meu primeiro texto. Como escrever? Prolixo? Objetivo? Simplista? Algo que eu iria escrever seria lido? Eu havia lido tanto quanto meu parceiro pra poder escrever na mesma qualidade? Provavelmente não, mas eu tentaria. Lancei meu primeiro texto logo sobre Piada Mortal. Houveram outros textos que eu tinha colocado antes, mas o primeiro que eu considero mesmo, havia sido esse. E Ítalo continuava a recrutar outras pessoas, e me pediu que fizesse o mesmo.
Tentei, mas é mais era mais difícil que hoje. A página ainda tava em estado bruto, haviam cerca de 10 views por dia no máximo. Fizemos uma página no Facebook – ainda usava nesse tempo – e a gente divulgava por lá. A página chegou a 100 e poucas “curtidas”, mas algo ainda não estava me agradando.
Sempre detestei qualquer estagnação, e tomei como missão fazer “o blog andar”. No meu ver, não adiantava apenas a gente ir escrevendo todos os dias e quase ninguém ver. No meu impulso de trabalhar o marketing, comecei a editar a página quase que diariamente. Sempre tentava outras fontes, mudava cores, imagens principais e por ai vai. O mais atento que venha aqui nesses 2 anos deve ter notado isso. Em ordem, esse foi alguns dos visuais que essa página já teve:
















E daí os números foram crescendo, e crescendo, em um ritmo bem mais crescente, o que era 10 views diários foi para 100, e logo em dois meses, já tinha conseguido passar dos 6.000. Mas tinha a sensação de estar fazendo boa parte das coisas sozinho. Nesse tempo, só existia um e-mail com a mesma senha pra os dois acessarem tudo. O e-mail e senha tinham sido criados até por ele...
Daí eu mandava as mensagens, contando na maior empolgação dezenas de ideias, e me vinha muitas vezes respostas vagas, dias e dias depois. Acabei acostumando, e levando a coisa. Alguns caras amigos dele postaram algumas coisas, mas nunca mais voltaram...
  

OS DOWNLOADS




Por que colocar coisas para baixar? Bem, pra facilitar tudo. Comecei a ver o seguinte, de nada adianta eu apenas falar sobre um material se eu não tiver ele para download aqui. Da mesma forma, não adiantava só colocar o material, sem falar nada sobre, sempre achei vago. Portanto, essa me pareceu a montagem mais correta, além é claro de estar passando adiante tudo aquilo que a comunidade dos scans brasileira me passou e passa por anos. Diferente de um certo Tio Ult--, eu só reuparia as coisas, mas manteria os créditos de quem fez a coisa acontecer. E claro, isso tornou tudo melhor. Mas quis logo ir pras cabeças... Por isso...


O ACTIONS E COMICS!



Por que não? Acompanhava lá desde 2008. Foi lá que baixei meus primeiros scans e comecei minha coleção virtual. O site tinha virado mais um site de notícias, os scans tinham saído de lá, mas apesar de todas as polêmicas e confusões que o site tinha se envolvido, era lá que eu devia escrever sobre quadrinhos. Naquele momento, parecia a rocha mais alta pra ecoar a voz. Tantos anos acompanhando um site, me parecia impossível me deixarem entrar. Fui falar com o Alexandre Kurt via Facebook. Com a intenção de no máximo enviar alguns textos em formato do Word, para ele avaliar se algo tava digno do site. E pela minha total surpresa, o cara na maior tranqüilidade, apenas me disse: “Me dê seu e-mail que eu lhe boto como colaborador.” Dei o e-mail, mas pensei que fosse só pegadinha, ou aquelas coisas que alguém te diz só pra que você pare de perturbar e deixe ela em paz. Semanas depois, eu tinha acesso a “todo aquele poder”. Foi uma grande diferença, colocar o mesmo material lá, e esse realmente ser lido e comentado por mais de 50 pessoas em um dia. Nesse tempo, havia post que eu colocava lá, que em alguns dias, conseguia mais visualização que todo o meu blog até aquele momento.
Alguns desses posts foram “Greats Hits” lá:




"É Realmente Surpreendente que o Homem Mais Poderoso do Mundo Seja Uma Figura Controversa"?: http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2015/04/trailer-de-super-homem-vs-batman.html

Até meses depois chegar nesse que me fez ser expulso em avisos: http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2015/05/10-maximas-bem-atuais-dos-leitores-de.html

Se fosse hoje, eu tiraria de letra, mas naquele tempo, me saturei. Ainda não estava pronto para ser jogado contra o muro daquela forma. E ainda sem entender ao certo. Meses depois, que dando umas manobras no Disqus, conseguir ver o que aconteceu. Uma “mina” chegou com um comentário no post como “Acesso esse site a muito tempo, mas o site tá caindo a qualidade com gente como o Ozymandias. Entra aqui só para esculachar com qualquer coisa da Marvel, chegando a detonar o Vingadores 2 e escrever páginas elogiando um trailer de BvS. Ai agora acha pouco e vem ofender os leitores com ar superior”. Muitos chegaram para defender, porém a maioria deu voz, e criou-se o motim. Logo o post foi apagado, e eu expulso. Mas minha compreensão foi além daquilo, tempos depois. Mas é só uma visão minha. Pode até ser exagero da minha parte, mas por uns meses no site eu fui a voz dos que lêem calados. Confuso? Explico: Desde 2012, com o lançamento de “Os Vingadores”, criou-se uma máxima de que esse era o modelo de que as coisas deviam ser feitas, enquanto o da DC “tentava ser adulto e sério, mas era inferior com o roteiro cheio de furos” e por ai vai. Isso se refletiu e muito com a recepção que o “público” teve com “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge” (mesmo que esse tenha sido lançado antes) e ficou mais exposto quando Homem de Ferro 3, apesar de criticado, ainda foi posto acima de “O Homem de Aço”, que ocupou a posição de bode expiatório dos blockbusters em 2013. Alguns não devem se lembrar, mas “BvS” era tido como uma piada, ou mesmo uma lenda. Sua existência era duvidada por todos, dizendo que a DC já tava perdida. Até mesmo a escolha do elenco de BvS era tida como um absurdo. Até eu nesse tempo, me revoltei com a escolha de Afleck para o papel, preferindo mil vezes o Josh Brolin. 
Mas a coisa não parava por ai. Tinha-se criado isso: Se você iria assistir os filmes da Marvel, e se divertia, você era inteligente, descolado e socialmente agradável. Se você gosta-se dos filmes da DC, era um pseudo-intelectual, chato e antipático. Para cada notícia que saia da Marvel, sempre aparecia nos comentários algo como “Enquanto isso na sala da Justiça...”, ou “A Marvel vai lançar Vingadores 3 e não lançam BvS”. Preciso lhe contar, que após 3 anos quase que no escuro, o mundo parou quando lançaram esse teaser?

Foi revigorante para muita gente. Para os que aguentavam calado. E ofensivo para os que achavam a Marvel imbatível. E claro, preciso mencionar o poder que teve esse teaser a ponto de ofuscar Vingadores 2 em seu pleno lançamento? Pois é. Não a toa, o público, exigiu mais, e não se conformou com mais do mesmo com outro vilão. Estava ai armada a treta, que vivemos até hoje. E se refletiu na “crítica” sobre Batman VS Superman. Tá vendo que nada vem por acaso?

2015 – MAS ONDE ESTAVA O MEU SÓCIO?! 

Após quase quatro meses sem um único texto ou comentário dele, fiquei preocupado. O que tinha acontecido com o cara? Ele não retornava minhas mensagens. Nesse tempo meu Facebook já tava desativado. Aliás, desde do “evento” “21 que Parece 40”. Mas eu reativei e tentei contatá-lo por quase uma semana. Nada de respostas. “Será que ele ta pensando em desistir? Preciso motivá-lo, o cara escreve muito bem.” Mais silêncio. Comecei a pensar que ele pudesse estar chateado com alguma coisa, mas com o que? Após eu ter bancado o otário por algumas semanas, um amigo dele, que me tinha adicionado, me passou a situação. Ele estava decepcionado comigo, porque eu “havia transformado tudo em algo que ele não concordava”. Minha dúvida aumentava. “Como assim? Eu peguei isso do zero e trabalho todos os dias nele até dar certo. O que estou fazendo de errado?”, foi quando, relutante, o rapaz copiou e colou o que ele havia dito sobre mim. Foi uma facada, mas salvei tudo, e mantive todo esse tempo, e bem, agora copio abaixo:

Ah, veja, o outro moleque, idealizador e co-criador do blog, não gosta nem um pouco dos filmes da Marvel Studios e tem muitas críticas aos quadrinhos atuais da Marvel também inclusive, até aí tudo bem, cada um com o seu gosto, cada um com a sua opinião. Mas ele está cada vez mais querendo direcionar o blog como uma arma para criticar o Marvel Studios, chegou inclusive a deixar uma crítica no site da Marvel 616 como sendo o ponto de vista oficial do nosso blog, não apenas dele como indivíduo. No meu caso o Homem de Ferro 3 foi o único filme onde eu acho que eles falharam, todos os demais eu amei, é mais que isso, pra nós aqui, eu os meus amigos, nosso grupo, é um ritual, nós lemos todas as notícias, acompanhamos tudo com interesse, nos preparamos, programamos a ida ao cinema, tem o lanche depois, fazemos esse "dia da Marvel" duas ou três vezes por ano (ano passado melhor, foram 4 filmes!!!) é algo muito importante para nós. Quando eu tinha dez anos de idade e alguém me via segurando um gibi com o Tocha-Humana ou o Capitão América era o mico dos micos, queria dizer que você era o maior zé mané do mundo inteiro, agora tudo mudou, esses personagens ficaram mega conhecidos e todo mundo os ama, as pessoas que só conhecem os filmes vêm até mim fazendo perguntas sobre Thanos e as gemas ou o que acontece com o Soldado Invernal depois daquele filme ou quem é o pai de Peter Quill, ou quem é essa raça misteriosa da qual Skye e Rania fazem parte. É um status totalmente novo. Um momento social totalmente nerdgástico. Mas não é só isso. Não só estou gostando do trabalho feito pelo Marvel Studios, eu me sinto literalmente o maior beneficiado pelo trabalho deles e não é só não querer fazer de um instrumento contra eles, estar de qualquer maneira ligado a um veículo que crítica um trabalho que só me beneficia me deixa desconfortável, mais do que isso, me sinto mordendo a mão que me alimenta, apunhalando pelas costas alguém que sempre me estendeu a mão, me faz sentir o maior escroto do universo. Dos quadrinhos da Marvel ele também não gosta, e sabe, eu por anos li os quadrinhos da DC Comics com afinco, fervor e entusiasmo, e nos últimos anos eles começaram a seguir uma direção que vai contra tudo o que eu tenho vontade de ler, mas sabe, eu não gasto meu tempo e minha vida odiando, xingando histericamente ou espumando de raiva, não gosto então ignoro, não leio, quem está curtindo leia e seja feliz, da minha parte tenho bem pouco tempo livre para desperdiçá-lo com coisas das quais não gosto, de um modo geral sou da opinião de que cada um de nós tem que achar na vida aquilo que te faz bem, focar sua atenção no que não te traz felicidade é desperdício de tempo e desperdício de vida. Quando falamos sobre fazer esse negócio eu disse para ele que não sabia como seria, mas que tinha uma ideia clara de como não queria que fosse: na internet frequentemente espaços de discussão nerd são um amontoado de gente que xinga e reclama de tudo e passa a nítida impressão de que simplesmente precisa transar mais para parar de se importar tanto que naquela capa o cabelo da Mulher-Maravilha saiu assim ao invés de assado. Que se fosse para o blog ser um poço de críticas, xingamentos, ódio e energia negativa, eu não perderia meu tempo tomando parte. Que seria um espaço onde tentaríamos respeitar todo mundo e cada um focaria e falaria das coisas das quais gosta. Era isso que estava no contrato que eu assinei. Não estou dizendo que desisti nem que estou fora, amanhã de manhã posso acordar com a ideia na cabeça de escrever trinta coisas diferentes naquele blog. Mas atualmente, dentro do referido contexto, minha motivação atingiu o ponto de congelamento.


Após anos, aqui vai meu direito de resposta:


É difícil “responder” isso. Oh, realmente. Por onde começar? O que fazer? Ofender tudo? Melhor não, suponho que um elegante destrinche do que ele disse confrontado com quem eu sou ou penso que sou. Nós nos “conhecemos” pelo Orkut, pelos idos 2010, e tivemos alguns amigos em comum durante esse tempo. O engraçado, é que esses “amigos” deixaram de ser amigos dele, por um comportamento um tanto estranho da parte dele, que eu demorei anos para enxergar. Primeiro fizemos parte de um grupo chamado “DC Ultimate”, e por razões que ele nem mesmo mencionava, ele largou esse grupo. “Diferenças criativas” resumia ele. Tudo bem, até ai. Tinhamos – quer dizer, até hoje tenho grande estima por ele – um amigo escritor chamado “Daniel Násser”, que ele também parou de falar, pelos idos 2012. Quando questionei Násser, ele me resumiu da seguinte forma:

“Estávamos discutindo sobre as jogadas atuais da Marvel e da DC, e eu disse a ele que estava lendo alguns títulos dos Novos 52 e gostando muito, principalmente da Mulher-Maravilha, e que não estava lendo Vingadores VS X-Men por achar muito forçado, o patamar de deus que estavam colocando em Tony Stark, principalmente depois do sucesso do filme. Ele começou a escrever comentários loooongos defendendo a manobra, dizendo que tudo fazia sentido, e eu que estava criticando a toa. Eu insisti, disse que era ridículo Stark simplesmente colocar uma armadura para tentar parar a Fênix-Negra, que em um tipo de conflito dele, ele não tinha vez, e este tipo de leitura não me prendia mais. De súbito, ele me bloqueou, até hoje”.

Opa? Um cara é teu amigo, e por discordar de uma desproporção de poder em uma mega-saga, ele não merece mais ser amigo? Imagine isso se estendendo a todos que foram assistir os principais blockbusters de adaptações desse ano, que envolviam o confronto direto de herói x herói, acho que “Guerra Civil” teria virado mais um evento no mundo real entre leitores do que na própria banda desenhada... Enfim. Sou do inverso. Sou um cara que leu muito da Marvel quase sempre, e anda bastante descontente com o rumo que tomou em boa parte na atualidade, gostando mais da DC dos N52 para cá. Porém entendo perfeitamente o leitor das antigas da DC que não consegue aceitar toda essa reformulação. Porque sendo humano, é justamente o meu caso, só mudando a editora.
Agora, os mais atentos, não deixam de notar uma certa diluição de tudo para “o grande público”. Em todos os casos, parece haver uma máxima de “o leitor já ta ganho, nosso alvo é essa galerinha do barulho que ta chegando ai”. Mas em nenhum momento eu representei “a opinião do blog.” Escrevo aqui, como qualquer outro, não é por eu ter o nome do espaço, que eu sou o espaço. Só o seria, se eu fosse um inflexível que não divide espaço com ninguém, e quisesse publicar sempre só o que eu penso. Mas pelo contrário, quanto mais pessoas escrevendo aqui, melhor. Não me incomoda nenhum pouco, eu escrever hoje sobre um quadrinho, dizendo o quanto gostei dele, e meia hora depois chegar outro colaborador e escrever algo inverso sobre esse mesmo material, pelo contrário, eu apoio, torna tudo com mais camadas, multicultural. Vivo convidando várias pessoas para aqui, e assim que elas entram, elas me perguntam que fonte usar, sobre o que escrever, e se vou editar ou cortar alguma coisa. E a todos respondo a mesma coisa: Escrevam sobre o que gostam, da maneira que gostam, a casa é sua. O único adendo, sou eu geralmente perguntar se a pessoa gostaria que eu buscasse e coloca-se para download o quadrinho que ela vai estar escrevendo sobre, só isso. Tirando isso, podem vim aqui, e escrever sobre HQs, carros, contos, crônicas, receitas de bolo, o que for.


Mas estou me distanciando um pouco. Vamos lá ao “desserviço” por uma editora que “fez tanto por nós”. Não sei se no auge de seus vinte e poucos anos de leitura, o senhor percebeu, mas apesar de todos os artistas com idealismo que mudam nossas vidas, quadrinhos SÃO uma indústria. É um negócio. Vendas, dinheiro em caixa, lucro, investimentos e afins. A intenção deles é o faturamento, e não tirar “nerds do armário”, como costumam dizer por ai. Seu caso, de várias pessoas “lhe perguntando mais” reflete mais a sua carência afetiva e necessidade de afirmação ao dar rápidas aulas sobre cronologias de personagens – algo que qualquer um que leia ao menos 5 anos, consegue facilmente – do que um “momento nerdgástico”. Existe material antes mesmo de “Actions & Comics #01” de 1938 para ser explorado e compreendido, não é porque fazem adaptações para o cinema quatro vezes por ano, que isso possa representar “o melhor momento de todos os tempos”, porque quando a poeira baixar, e sua mente consegue somar 2+2 a ponto de saber que ela ESTÁ abaixando, AINDA existiram quadrinhos. Porque gibis são mais do que coisas para se comprar no shopping com os amigos em meio a “encontros do dia D”, são talvez a mais sincera expressão artística que o homem possa ter frente à nankim e uma folha de papel, fatores que sempre existirão, mesmo que em mesas digitais e derivados.


Não só pela sua falta de compromisso, como também pela sua covardia comigo, eu mudei a senha do nosso e-mail que dá acesso a isso tudo, e ai sim, “tomei tudo para mim”. E consigo falar abertamente sobre meus problemas com as pessoas. Não posso dizer a mesma coisa de um cara como o senhor. Não obstante, criou umlivro em forma de Blog que pode ser acessado AQUI. E apesar de já escrever capítulos deles bem antes de formamos esse espaço, criou um “personagem” que tenta me satirizar nesse enredo, chamado “Mr. Floyd”. Das maneiras mais caricatas possíveis, um personagem de crueldade gratuita, frases prontas um tanto que inorgânicas, e toda a vilãnização que a sua mente fértil foi capaz de produzir sobre mim. Eu até achei engraçado, li sua obra quase completa, pena não ter continuado ela. Iria até mesmo escrever aqui um enredo em resposta, mas daí me ocupei com outras coisas. Também notei o personagem principal com excesso de autorreferências, e uma deslocada tentativa de se parecer plagiar com o Sr. Snown de Planetary. Acho que o Warren Ellis que perdeu a oportunidade de lhe usar em algum enredo dele. Uma personalidade como a sua, de intolerante disfarçado se enxergando com uma aura angelical, caberia como uma luva como alguns dos erráticos que o Spider Jerusalém espanca enquanto desmascara.

ZONA NEGATIVA


Grupo privado no g+ para diálogos com meus sócios Douglas Joker, Roger e ANT. Embora com esse nome, nada tem a ver com negatividade. Muito pelo contrário. Minha ideia veio de tratar o grupo como uma dimensão a parte, onde podemos explorar vários elementos fantásticos e trazê-los a essa realidade. E é o que fazemos, discutimos de tudo lá, desde o último trailer que sai de uma coisa, até previsões de mercado. Surgiu tempos depois um grupo gigante com esse mesmo nome no Disqus, eu faço parte dele, mas não fui fundador nem nada.

Vale uma menção em separado para uma pessoa fantástica chamada Liuka. Embora a gente não tenha conversado muito nesses anos, os posts dela são extensos e excelentes, sem falar de que ela é a recordista de post com mais views até hoje no blog. Há o post dela sobre jogos polêmicos que está quase todas as semanas em anos entre os 10 mais lidos. E a soma bruta de views só desse post é mais de 10 mil. Recentemente ela começou um canal do You Tube, clique aqui para conferir.

SEGUNDO REFORÇO



Teve muita gente que escreveu por aqui, e simplesmente sumiu. Escreveu um ou três textos, e nunca mais ninguém viu. Tentei montar esse segundo time, e quem sabe terceiro, dividindo eles em blocos, de acordo com o tempo que entravam, posteriormente unindo todos eles em um. Mas a coisa não deu muito certo, e um dos poucos que entrou pra valer, foi o Sr. W, que não escondeu de mim sua frustração em não conseguir diálogo com o bloco que ficou. Como eu explicara a ele esse ano, também me frustrei, e portanto, foi feita a “limpa”, deixando apenas os colaboradores que ainda escreviam, nem que fosse um texto a cada 6 meses, afinal cada membro tem seu ritmo de produção.

XADREZ E FÉRIAS



O que eu tinha a dizer sobre saturação, está nesse texto aqui: http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2016/09/supostamente-um-retorno.html
Apenas chegou em um momento em que me senti um imbecil por estar lendo gibis, e passei boa parte do ano sem os ler. Simplesmente peguei raiva. Alguns meses atrás voltei a ler, mas abandonei a rotina de antes ao ler todos os dias. Geralmente leio agora três vezes por semana, em geral de sexta – após sair do trabalho – até a madrugada de domingo. Pego uma listinha digital em um tablet que comprei exatamente pra isso, e detono em sequência até doer a cabeça. Aliás, foi uma dura medida que tomei. Após 11 anos colecionando mensais, sem passar um único mês sem comprar nem que fosse um único gibi, eu parei. Disse a mim mesmo que isso devia dar uma pausa. Sei que um dia vou voltar a comprar, não é um hábito que a gente se livra. Ou mesmo vou acabar substituindo de alguma forma descarada, como comprar dezenas de livros de xadrez, ou bonequinhos, é um espaço que não dá pra se manter vazio por muito tempo. Por enquanto ainda engano meu cérebro e faço ele acreditar que aquelas dezenas de capas virtuais dentro das 9 polegadas são uma nova estante. Assim é a vida, ás vezes você deve apenas olhar para uma caixa e tornar ela mais mágica do que ela é, semelhante a quando éramos crianças e entrávamos em uma caixa de papelão alegando sermos astronautas chegando em outro planeta, e claro, ali, a nossa potente nave espacial. O tempo que pude me dedicar ao xadrez foi muito produtivo em termos administrativos de “Material, Tempo e Qualidade”.

E NESSE MOMENTO? QUAL A SITUAÇÃO, PARCEIRO?



Bem, acredito que aos poucos que chegaram até aqui (ou rolaram a página sem paciência) devem saber que o que começou do zero, com 10 views por dia, hoje em dia consegue entre 600 á 1200 views diários, até mesmo com dias sem postar nada. Pode não ser um gigante do mercado, ou mesmo arrecadar nenhum único centavo, mas valeu cada momento, acredito que aproveitei melhor aqui, escrevendo sobre várias coisas, do que curtindo e compartilhando no Facebook e olhando como tava a vida das minhas ex. Tudo isso haveria de estar escrito, é mais forte que eu. Cutuca a mente em momentos de silêncio, me distrai quando estou conversando com outras pessoas, é um eterno vazamento de palavras que não se desliga da minha mente, pode ser ocasionalmente jogado os excessos em forma de textos, e só. Se não fosse aqui... Seria no caderno... Empoeirado, e escondido da vista dos pobres mortais...

Força e honra.

E obrigado por esses 2 anos.

Eu acho.

2 comentários:

  1. Interessante, eu também já perdi amizade, devido eu criticar o rumo que os quadrinhos da Marvel estavam tomando. Conhecia a pessoa há três anos e achava que não tinha problema eu expressar minha opinião, eu estava errado. Intolerância.

    ResponderExcluir
  2. Caramba! Como você já disse pra mim frente a alguns comentários meus: "Rapaz... Nem sei o que dizer agora...". Precisarei dum momento oportuno para expressar tão densa leitura, a mais tocante deste ano, saiba. Me reconheci em muito de você, a nem imaginava que foi assim a origem do site. Agradeço a honrosa menção, o que me faz sentir mais parte desses novos "minuteman" do blogger. Foi uma honra ter chegado até o fim do texto. Bat-abraço.

    ResponderExcluir