quinta-feira, 16 de julho de 2015

Veja making-of do polêmico clipe "Praise Abort"


"Eu mostrei pra ele uma foto de uma porca amamentando seus dez porquinhos e... aí ele enlouqueceu completamente."

Por enquanto "Lindemann" foi o trabalho musical mais interessante que chegou aos meus ouvidos em 2015, e creio que deve continuar assim até o ano acabar. A união entre o insano vocalista do Rammstein, Till Lindemann, e Peter Tägtgren das bandas Pain e Hipocrisy, foi anunciada absolutamente do nada com curtos teasers que não diziam muita coisa. Por fim o vídeo clipe "Praise Abort" deixou todos sem reação como já não ficavam há muito tempo. Inclusive, foi o que me fez voltar a escrever junto com o pedido e a oferta de compartilhar o site do Ozymandias Realista.

http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2015/05/nao-assista-o-clipe-de-praise-abort.html

Agora já faz cerca de um mês que o álbum "Skills in Pills" foi lançado, conquistando notável sucesso.

"É sobre a hipocrisia da sociedade moderna. O uso de drogas ainda é rejeitado por grande parte da população, enquanto essas mesmas pessoas frequentemente são viciadas em todo tipo de pílula receitada por médicos. E o uso de álcool, por mais excessivo que seja, ainda é amplamente aceito."

"If you want to die
Or if you want to chill...
Even if you want to get high
Whatever happens, take a pill

The first I take against depression
The second is pure energy
The green one for my self-agression
Than the red one... ECSTASY!!!
ECSTASY!!!!
See? See? See???

All the left is right
All the black is white
All the fast walk slow
All the loose is tight
All the heat is snow
All the high was low
All the grief is fun!
All in all the rain is Sun!

If the jake gets really strong
The pink one goes with booze and blow
So I keep fucking all night long
The orange is for... I don't know
The gray one for my perfect sleep
Yellow for my need for you
The blue one keeps my boner steep!
I will take two! Just to be sure!

All the left is right
All the black is white
All the fast walk slow
All the loose is tight
All the heat is snow
All the high was low
All the grief is fun!
All in all the rain is Sun!

The white one... for my... whatever pain...
In the end... I start to cry...
So I take... The first again...
I have a last one...
And I hope...
To die"

A faixa título, "Skills in Pills", já é bem inteligente e instigante, apesar do refrão composto por antônimos. Ela fala sobre a cada vez maior dependência que a nossa sociedade tem tido de tomar pílulas para todas as razões; como se os valores estivessem tão invertidos havendo já uma doença emocional que não podemos combater. Mantendo suas características que o tornaram conhecido no Rammstein, o cantor/compositor Lindemann, que dá nome a nova banda, mostra seriedade, polêmica, um pouco de obscuridade e até senso de humor conforme a letra se desenvolve.

"Acho que não fiz tanto sexo quanto gostaria quando era mais novo, então hoje faço o tempo inteiro, portanto minhas letras acabam falando bastante sobre isso." Till Lindemann
O álbum inteiro já pode ser ouvido por streaming online; só clicar em um link que eu deixarei em breve no texto. O cara já cantou sobre estupro e pedofilia; temas sexuais não faltam no novo álbum, mas ainda assim "Praise Abort" se destaca.

"I hate my life
And I hate you!
I hate my wife...
And her boyfriend too!

I hate to hate and I hate that
I hate my life so very bad!
I hate my kids
Never saw... that!
I praise abort!!!"

A própria letra já é o bastante pra isso, mas pra caprichar o clipe de estreia consegue aumentar cada vez mais na escala de insanidade. Misturando o pop rock com o Heavy Metal e o techno, eles conseguem ser extremamente originais; seguindo uma estrada que começa com o gigantesco Till Lindemann fazendo um moonwalk, dançando em cima de um piano como se fosse uma diva e dai em diante, até alcançar as bailarinas sendo jogadas no chão!

"Zoram chegou com a foto e disse 'Vocês deveriam ser porcos!'. Essa foi a primeira coisa que ele falou e aí teve o efeito de bola de neve, sabe? Till e Zoran começaram a ir enlouquecendo com a ideia." Peter Tägtgren
O diretor Zoran já é veterano em fazer clipes surpreendentes com a banda Rammstein (metade das músicas do álbum "Mutter" possuem um clipe), e chama a atenção como o clipe de "Praise Abort" contava com dança coreografada, piano, teatro, efeitos de luz, maquiagem/máscaras e até bailarinas! Tudo montando uma imagem bizarra e de desafiadora descrição. A partir de hoje você pode conferir como foi esse processo com comentários dos próprios envolvidos no vídeo abaixo!


"Nós nos encontrávamos e dizíamos 'Oi, blá blá blá', e algumas vezes ficávamos realmente bêbados, e aí vocês começam a se tornar melhores amigos".
Peter e Till se tornaram amigos há 13 anos, desde então esperando para conseguirem fazer algo juntos. Como só nesses últimos anos o "Rammstein" resolveu dar uma pausa, os caras aproveitaram para lançar o "Skills in Pills", um excelente interlúdio enquanto a banda não emplaca o seu retorno, marcado para o ano que vem. Como eu disse, o álbum pode ser ouvido por streaming online mesmo, você precisa nem comprar. Ele é curtinho, não chega a 50 minutos.

http://smarturl.it/lindemann-streaming


Tem umas letras beeeem idiotas, como as de besteira, mas algumas recomendo bastante prestar atenção. Além de "Praise Abort" e "Skills in Pills", algumas notáveis:

-Home Sweet Home: sobre câncer, doença que afligiu o pai do cantor.
-Cowboy: fala sobre a fantasia de ser um cara fodão que pega todas e quebra qualquer cara. O legal é que no final ele tem um choque de realidade, de forma similar à faixa-título. "Was never wild... Never mean... Never joined the cowboy scene..."
-Yukon: homem vitimizado por uma mulher-monstro
-That's My Heart: mistério das pessoas que internalizam seus sentimentos e não os compartilham de forma alguma.

"Um monte de pessoas vão ficar como 'Oh meu Deus, você não pode cantar essas coisas e dizer isso' ou... A gente não dá a mínima, sabe? Se chama 'liberdade artística' e eu acho que é só humor, sabe? As pessoas tem que perceber a ironia da canção; e é uma canção completa. Como eu disse: tem algumas partes lindas, tem um pouco de conteúdo bem malicioso e umas merdas bem pesadas. Acho que é um bom início para representar o LINDEMANN."

Espero que confira e tenha curtido o post, porque esse foi um dos pilares do meu tipo de entretenimento em 2015, na minha interpretação, hehe. ÓINC!

Peppa Pig é overrated

Nenhum comentário:

Postar um comentário