MARVEL ADVENTURES – HOMEM-ARANHA #06 - OZYMANDIAS_REALISTA

Breaking

Ano IV! Quadrinhos, cinema, opinião, downloads, xadrez e mais 200 coisas.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

MARVEL ADVENTURES – HOMEM-ARANHA #06



Créditos da edição #06:

Escritor: Sean McKeever
Desenhista e arte-finalista: Patrick Scherberger / Norman Lee
Colorista: Guru eFx’s Hartman e Bevard
Capa: Tony S. Daniel
Tradução: Stee Jay
Diagramação: Henrique Baker (Hilbert)
Revisão: Ozymandias_Realista
Finalização:Raito

Opa, sou o novo colaborador aqui do blog, podem me chamar de Baker. Deixando as apresentações de lado, eu tava sem saber o que escrever pro meu primeiro post, daí o Ozy me deu a ideia de fazer uma espécie de review da HQ Marvel Adventures Homem-Aranha #06(cujo download está te esperando no fim do post), que lhes é trazida por nós e nossos parceiros do (põe aqui o nome). Espero que não fique tão ruim(ainda bem que não sou inseguro hehe) e que não se ofendam com alguma das piadinhas sobre o quadrinho. Vamos prosseguir.





Começando pela capa você já pensa Nossa como esse Homem Areia é vesgo” “Que arte linda essa da capa, hein? será que vai se manter assim pelo resto do gibi?”, spoiler. Não vai. As capas não têm muito a ver com o miolo, afinal, elas precisam ser chamativas pra te fazer querer comprar o gibi, não?
                                               

"Santa mão, Bátima!"
Começando a história(ou estória, como preferir) a gente dá de cara com uma página de apresentação, um teaser do que vai rolar na edição. Até rimou. A arte é bem caricata, mas ainda acho um pouco mais condizente com esse Aranha adolescente do que o bombado com mãos pequenas da capa.

  Nosso herói Pedro Prado está numa expedição ao museu junto com a cambada de jovens da Midtown High. Papo vai, papo vem, Flash começa a trocar provocações com o Peter e ele leva a pior por falar alto durante a explicação. Isso me lembra dos meus tempos de colégio onde eu sempre me ferrava ao tentar revidar alguma provocação, mesmo ela sendo infinitamente "menos pior" que a usada contra mim. Por sorte, nenhum professor veio até mim desse jeito aí e – ESPERA SÓ! O maluco tá usando meia-calça de redinha por baixo da roupa! Agora eu agradeço mais ainda por nenhum professor vir até mim desse jeitão.



  Olha só que postura. Dá pra notar também a cara de tesão dele ao repreender um aluno.
Com esse gosto pra roupa íntima, não seria de se estranhar caso essa expedição fosse patrocinada pelo Santander, Yay.

Após a bronca, os bullies começam a rir do Peter e a explicação continua.

Flash Thompson prestes a cair na pegadinha do leão e do veado. 

Daqui pra frente eu vou resumir bastante. A para uma experiência completa, o download tá lá no fim do post(é assim que se faz um jabá!)

Agora mudamos de cenário, mas não muito. Em outra parte do Museu, o Homem-Areia está apreciando a arte como um grande entusiasta que ele sempre foi desde a sua origem(tá tudo lá. Ou não.) quando é interrompido por uma moça junto do Terry Crews, mas não dá muito certo pra eles.


  Foi-se o tempo em que um cidadão podia usar um sobretudo preto de couro e um cap sem ser       confundido com um assaltante(mesmo que ele seja um) hehe


Do nada o areioso fica pistola e decide praticar arremesso com os funcionários do museu e já ali por perto, o menino Parker pode pressentir o perigo e o caos: 

 

Não! É o Jô Suares. Sua aranha!

Por mais poderoso que o sentido aranha seja, o pobre Peter ainda assim recebe uma sarrada reversa do funcionário do Museu, o que se fosse comigo, deixaria traumas pro resto da vida. A sorte dele é que não era o Latrell de verdade.




  
Nunca houve um momento melhor para a citação “Depois do negão, você vai precisar de cadeira de rodas” como este.

Daqui pra frente é que a trama se desenvolve pra valer. Aranha sai no braço com o Areia e rola muita confusão no clima de aventura e muita azaração. O primeiro quadro em que o Homem-Aranha aparece é até bem desenhado, mas nos seguintes ele fica um pouco deformado.

                        
Nessa aqui mesmo ele parece com aquele alienígena do “Dame tu Cosita


O pau continua a quebrar lá no museu e eu, como um bom farrado e sem grana, prefiro nem imaginar o gasto daquela bagunça toda. Depois de alguns acontecimentos, a luta não demora muito pra ser interrompida.

Ao chegar em casa Peter tem uma conversa com a Tia May, da qual eu intencionalmente omiti uns balões só para deixar as coisas estranhas hehe


              
 E com todo esse clima familiar, eu acabei me lembrando de uma outra família aí…


Bom, isso tudo que narrei não é nem metade do quadrinho. Eu me poupei de citar informações técnicas e coisa do tipo porque o Ozy já tem um post no qual ele fala sobre essa série de HQs (link aqui). Agora segue a minha imagen favorita desse quadrinho. Abraços e até um futuro 
post.

 "Quarta série sense is tingling!"
                                      
           


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog