Vale ou não a pena - The Warrior - Selvagens da Noite - OZYMANDIAS_REALISTA...

Breaking

Ano IV! Quadrinhos, cinema, opinião, downloads, xadrez e mais 200 coisas.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Vale ou não a pena - The Warrior - Selvagens da Noite


Se você é das antigas, deve lembrar dos jogos de luta, onde o personagem andava pela rua e lutava contra  grupos de vilões que se vestem das mais diferentes formas. Mas você sabia que esse estilo remetia às gangues dos anos 70, em que cada grupo era reconhecido por seu estilo característico, e que todas essas obras tiveram um predecessor chamado The Warriors?

Vamos falar sobre o filme


Quando o marketing do filme estava acontecendo, relatos de vandalismo e violência fizeram com que a Paramount restringisse a divulgação aos cinemas, pelo menos por um tempo. Não sei se isso teve relação com a audiência morna, fazendo que o filme só alcançasse o êxito posteriormente, tornando o filme "cult". Mesmo assim, a obra inspirou outros filmes, livros, jogos, entre outras coisas.

A trama gira em torno do assassinato do maior líder de gangue da cidade, depois de uma trégua e tentativa de unificação dos maiores grupos. Como um dos membro da gangue "The Warriors" viu quem foi, o assassino decide incriminar o líder e causar uma perseguição aos protagonistas, que tem que voltar ao seu bairro enquanto tentam sobreviver.

Filmes de época, com limitações da época


Claro que teve muitas coisas que me incomodaram também. Entre elas posso citar algumas passagens que pareciam ter importância, mas se mostraram completamente irrelevantes, como a morte de um integrante dos Warriors, jogado na linha de trem por um policial. Achei interessante matar o único que sabia quem era o autor do crime que desencadeou a trama, mas essa ideia foi por água abaixo quando todos demonstram saber a verdade desde o início. 

E por falar nisso, o vilão principal é esquecido durante a maior parte do filme, mesmo sendo um personagem legal, com um ar psicótico. O final, que poderia ter sido menos previsível e melhor desenvolvido, também não empolga. Quem sabe se tivesse feito uma conclusão mais frenética, ao invés de prolongar a metade, que achei um pouco arrastada.
Já que falei do vilão, que tem um jeito bem maluco, quero falar das coisas boas também. Destaque para as atuações caricatas, que deixavam os personagens mais engraçados ou ameaçadores, e até "fofos" em alguns momentos. Você conseguia ver que eles eram mais do que um bando de delinquentes. Isso fica claro quando Mercy olha para alguns casais no trem e percebe que uma tiara com flores (pelo menos eu acho que era isso)  e fica imaginando como queria estar na situação deles, e Cisne também percebe isso, porque era o que ele também queria. Essa cena se torna genial quando complementa um diálogo dos dois, onde ele diz que não ficaria com ela por achar que merece algo melhor, recebendo a resposta de que ela odiava o meio em que vivia, em que as moças da idade dela tinham 5 filhos e viviam em apartamentos cheios de baratas.

Vale a pena?



Eu gostei do estilo do filme, bem datado com essas coisas dos anos 70 que não funcionariam hoje em dia, com uniformes, estereótipos, entre outras coisas que atualmente não passaria tanto respeito. Mesmo assim, eles conseguem passar seriedade, um tom sombrio e muito suspense, que permeia a história do início ao fim, já que você não sabe onde vai estar a próxima ameaça. E quando surgia o confronto, a adrenalina vinha a mil, como na cena de luta no banheiro do metrô, que teve a melhor coreografia do filme até ali. Se curti filmes antigos, eu te recomendo The Warriors - Selvagens da noite.

Fonte: www.nerdcult.com.br

2 comentários:

  1. Guerreirooos... Porque não vem brigaaaar... he he he No documentário Botinada, sobre o movimento punk brasileiro citam esse filme como inspiração p/ a criação das guangues da época e suas infindáveis tretas entre si. Vale muito a pena ver esse filme. Um clássico (datado, mas mesmo assim clássico).

    ResponderExcluir

Pesquisar este blog