smc

Pesquisar este blog

sexta-feira, 1 de maio de 2015

História do Xadrez - Campeões de Mestres (34) --- KARPOV


Existe um grupo sobre xadrez muito interessante no Facebook chamado Xadrez: Teoria e Prática. Lá sempre tem informações e discursões interessantes sobre xadrez. Resolvi transcrever esse texto sobre Anatoly Karpov, considerado um dos maiores enxadristas da história, bem como nêmeses número 01 de Gary Kasparov. Logo abaixo, pedi permissão ao enxadrista Leandro Sousa para usar aqui seus comentários a respeito do texto abaixo.


Anatoly Evienvich Karpov (23 de Maio de 1951, Slatoust, Rússia) foi campeão mundial de xadrez, de 1975 a 1985, ficando durante dez anos consecutivos com o título mundial. É considerado por muitos como um dos maiores jogadores de todos os tempos.
Sagrou-se campeão mundial juvenil em 1969 e obteve o título de Grande Mestre em 1970. Ao vencer o Torneio Interzonal de Leningrado (1973), qualificou-se para disputar, no ano seguinte, o Torneio de Candidatos, que consistia em uma série de matches eliminatórios cujo vencedor apontaria o desafiante ao título mundial. Karpov derrotou, sucessivamente, a Lev Polugaevsky, Boris Spassky e Viktor Korchnoi, obtendo assim o direito a um match pela coroa suprema contra o então campeão, o legendário estado-unidense Bobby Fischer.
Fischer, todavia, desistiu de disputar a final, pois não concordava que o match tivesse um número determinado de jogos. A proposta de Bobby Fischer era de que se sagrasse campeão quem obtivesse primeiro nove vitórias, sem limite de número de jogos. Diante da desistência do campeão, o presidente da FIDE (Federação Internacional de Xadrez) à época, o ex-campeão mundial Max Euwe, proclamou Karpov campeão. Karpov tornou-se, assim, o primeiro campeão mundial de xadrez a ganhar o título sem disputar uma final.
Nos anos seguintes Karpov foi um participante assíduo nos principais torneios, vencendo-os quase sempre. Confirmava, desta forma, que merecia o título de campeão. Em 1978, em Baguio (Filipinas) e em 1981, em Merano (Itália), Karpov manteve o título máximo derrotando a Korchnoi, que fora o vencedor do Torneio de Candidatos em 1977 e em 1980.

Em 1984 Karpov defendeu seu título diante de seu compatriota GarryKasparov. O match não chegou ao final. Depois de 48 partidas realizadas, já no início de 1985, Karpov vencia por 5 jogos a 3, com 40 empates, precisando de mais uma vitória para manter o título. Diante da perspectiva de a luta prolongar-se, e tendo em vista o estado de exaustão de ambos os jogadores, o então presidente da FIDE, FlorencioCampomanes, em circunstâncias até hoje não inteiramente esclarecidas, deu o match por encerrado, com a condição de que um novo match seria disputado ainda em 1985.
Neste segundo match Karpov foi derrotado por Kasparov, perdendo assim o título mundial após dez anos de reinado. Tentou reaver o título por três vezes diante do mesmo adversário, em 1986, 1987 e 1990, sem sucesso.A despeito dessas derrotas, todas bastante apertadas, ao longo da década de 1990,Karpov seguiu sendo um dos principais jogadores do mundo. Conseguiu o feito histórico de alcançar o rating performance de 2984, no tradicional torneio de Linares, ficando 2,5 pontos à frente de Kasparov.
Em 1993 Kasparov retirou-se da disputa do título mundial da FIDE e criou uma nova associação, como resultado da qual o título mundial de xadrez permaneceu dividido por 14 anos. Com Kasparov fora da disputa, Karpov recuperou o título da FIDE, que manteve até 1999. Nesse ano foi sua vez de retirar-se da disputa, por discordar do novo formato estabelecido pela FIDE para determinar o campeão.
Portador de um estilo único de jogo, Karpov foi bastante influenciado por três campeões mundiais: foi responsável pelo estudo científico de aberturas em desuso na sua época (as mesmas jogadas pelo seu ídolo, José Raúl Capablanca); desenvolveu conceitos de superproteção de casas agudas e estudos sobre reposicionamento das peças (estudo iniciado por Tigran Petrosian); e por fim tornou-se o jogador de maior conhecimento em finais de jogo, sendo assim considerado por atletas notáveis, como GarryKasparov, junto a VassilySmyslov.



Comentários de Leandro Sousa acerca de Karpov:


Eu vejo ele "terminar" as partidas e fico sem sacar como é que alguém desiste numa posição daquela. Muitas peças no tabuleiro, parece haver muitos recursos....
Monto a posição, jogo contra a máquina e nada de ganhar.... Antes de existir a máquina eu achava que os adversários desistiam de medo ou nem sei o que mais... As partidas dele parecem tão frias, se considerarmos o modo como acabam... Pra mim Karpov é um dos grandes gênios do xadrez, parece um solitário (repare que os jogadores posicionais não há um que jogue parecido com ele, nem mesmo Kramnik).
Já dei meu depoimento aqui sobre o que eu fazia em momentos de muita depressão... repito... nesses momentos em que o cérebro não reagia, eu reconstituía partidas do Karpov, todas me eram muito particulares.
Claro, todo mundo aqui sabe que meu jogador favorito de todos os tempos é Kramnik,Kramnik também descreve o gênio Karpov, fala em seu site de uma partida que ele perdeu que simplesmente não havia nenhum motivo pra ele perder, chegando em casa estudou a partida e se sentiu mais humilhado ainda ao não descobrir um único erro que ele cometera...
Kramnik derrotou Kasparov em seu primeiro encontro; já ele só venceria Karpov quando o Mestre já estava em sua linha descendente. O jovem Kramnik jamais teve vez contra Karpov.
Se sobrar tempo, posto aqui a sua máxima, que é contra Tinman ...Outra contra Unzicker ... Um saque de torre que ele faz contra um tal de Sax.... simplesmente sacrifica do nada, dá pra entender que ele deu bobeira, simplesmente não tem um motivo posicional pelo qual ele sacrifica...
A gente imagina que os jogadores posicionais vieram de Säemisch, Capablanca, Nimzowitsch, Petrosian. Mas Karpov parece ser único, ele vem de Karpov mesmo.
O jogo "feio" dele me chamou atenção, primeiro que consegui notar um estilo definido.
Ficava um amontoado de peças e eu não entendia nada, muito menos ainda porquê tanta gente desistia com tantas peças no tabuleiro.
Pensava eu que ele jogava lento, pausava longas horas pra planejar tudo.... Mas Keene diz que ele joga blitz. Leia melhor... eu falei "feio", querendo, a quem conhece um pouco da história, relembrar de Botvnik ao dizer que ele não tinha nenhum talento pro xadrez. O jogo feio dele não foi só Botvinik quem falou, outros,,, O próprio Kasparov fez críticas pesadas ao seu estilo...

Kasparov já foi assessor de Karpov, não sei por quanto tempo... sei que foi em uma ocasião.


Nenhum comentário:

Postar um comentário