TOP 10 MELHORES EPISÓDIOS DO HOMEM ARANHA SÉRIE ANIMADA

 


TOP 10 MELHORES EPISÓDIOS DO HOMEM ARANHA SÉRIE ANIMADA

 

Uma das adaptações mais icônicas do Homem Aranha, além dos filmes e do desenho Espetacular Homem Aranha é a série animada dos anos 90. Tal como os desenhos do Batman e dos X-men, essa animação foi para galera dos anos 90 a sua introdução ao Amigão da vizinhança e sua mitologia. Apesar da série sofrer problemas devido a clara reutilização de animação em algumas partes e uso exagerado de censura da Fox (ex: Homem Aranha não podia bater nos bandidos, não se podia dizer palavras morto ou matar) ela se salvava graças as histórias bem adaptadas, construção dos arcos, crossovers épicos e o carisma dos personagens, além da excelente dublagem (nada contra Manolo Rey, que pra muitos é o melhor dublador do Aranha, mas, pra mim Mauro Eduardo é a voz definitiva do Aranha).



Com 5 temporadas e 65 episódios bem memoráveis, quais foram os melhores da séries. Quais foram os que tiveram melhores histórias, momentos e desenvolveram bem o Aranha e seus aliados?

Para responder essas perguntas...eis o meu top 10 melhores episódios do Homem Aranha...

10) O Retorno de Kraven



Apesar de ter sido produzido originalmente pra promover venda de brinquedos, o que permitiu que o desenho do Aranha se destacar das versões anteriores eram suas histórias bem construídas que desenvolviam os personagens durante as temporadas. Um dos maiores exemplos disso foi a quarta temporada, cuja temática envolvia os personagens lidando com perdas e o efeito emocional que elas provocam neles.

No caso do Aranha, que tinha perdido a Mary Jane, ele ficou um cara muito mais sério e afastado das pessoas. Nesse episódio que ele é forçado a confrontar essa solidão quando seu antigo inimigo, Kraven, retorna, revelando ter criado uma criatura que destruiu sua esposa, uma amiga do Aranha, o que faz o herói sair numa busca de vingança. No entanto, com a ajuda da Gata Negra, descobre que Kraven está tentando salvar sua esposa, que foi transformada numa fera.

Após essa aventura, Peter passa por um grande desenvolvimento, não só considerando aceitar a Gata Negra como sua parceira, mas também voltar as deixar as pessoas se aproximarem dele, vendo sua companhia como uma forma de curar sua dor.

9) O Assassino Autômato



Além de vilões icônicos como Duende Verde e Doutor Octopus, o desenho introduziu vilões obscuros do Aranha como Alystair Smythe, criador dos Esmaga-Aranhas. Apesar de ser braço direito do Rei do Crime, dando uns bons momentos de humor entre a dupla de vilões. No entanto ele também tinha motivações compreensíveis para ser um vilão, querendo se vingar do Aranha por culpa-lo pela morte do seu pai, outra vítima das manipulações do Fisk.

Após falhar várias vezes, Smythe é transformado pelo Rei do Crime num ciborgue e enviado para eliminar o herói, fazendo com que Peter tenha que recorrer a outros métodos para vencer esse poderoso assassino. A forma como esse conflito termina é um grande exemplo da compaixão do Peter e ajuda tornar Smythe num dos vilões mais trágicos da série.

8) Blade O Vampiro Caçador & O Vampiro Imortal





Outro vilão que foi bem adaptado na série foi Morbius, o Vampiro Vivo. Nessa versão, ele foi introduzido como um rival do Peter Parker e namorado de sua colega Felicia Hardy (futura Gata Negra). Após sofrer um acidente, Morbius acaba sendo transformado num vampiro, necessitando de plasma para sobreviver. O fato de sua transformação ter acontecido por causa de uma amostra de seu sangue, faz com Aranha se culpe pelo que aconteceu e tente salvar seu antigo colega.



Para complicar as coisas, os ataques de Morbius atraem a atenção de Blade, fazendo com que o Aranha tenha que impedir o impulsivo caçador de vampiros de matar o vilão. Se isso não foi o bastante, Morbius começa a ser corrompido e decide transformar toda humanidade em vampiros, começando com sua amada Felicia, forçando o Aranha a encarar um grande dilema: Ele deve salvar Morbius ou deve se rebaixar ao nível de Blade e livrar o mundo do Vampiro Vivo?

7)  Os Seis Traiçoeiros



Se tem algo melhor do que ver o Aranha enfrentando seus inimigos, é quando o Aranha tem que encarar um grupo deles. Nesses dois primeiros episódios da segunda temporada, o Rei do Crime liberta o Doutor Octopus, Escorpião, Mysterio, Rino, Shocker e Camaleão da prisão, formando o Sexteto Sinistro e os enviando para eliminar o Aranha, que no momento está sofrendo perda dos seus poderes devido a uma mutação genética.



Essa história é tirada diretamente da primeira aparição do Sexteto Sinistro em Amazing Spider Man Annual 1. No entanto, os roteiristas souberam adapta-la muito bem para série, não só plantando sementes para futuros arcos como também pegando ideias da hq e excutando elas de forma diferente e melhor. A perda dos poderes do Peter ser uma mutação genética não só faz muito mais sentido do que a explicação nas hqs mas isso é usado para criar o drama do episódio, com Peter tendo que enfrentar seus inimigos com apenas da sua inteligência e coragem, provando que o que torna um herói não são seus poderes mas sim a pessoa por trás do herói.

 

6) A Roupa Alienígena



Uma das histórias mais conhecidas do Homem Aranha é a “saga do uniforme negro”, e muito de sua popularidade se deve muito a forma como a série soube pegar uma história tão complexa e simplifica-la de forma a deixa-la mais associada universo do Aranha. O maior exemplo disso sendo o fato do Aranha não encontrar o simbiote em outro planeta, mas sim após a nave do John Jameson colidir com Nova York.



Outra mudança legal da história foi o simbiote não só ser um novo visual pro Aranha mas também aumentar sua força e agilidade, porém ao mesmo tempo torna-lo mais agressivo e distante das pessoas, tornando o grande drama da história sendo o Peter confrontando seu lado negro e tendo que se libertar da influência desse parasita. Isso também ajuda a tornar o surgimento do Venom (cuja origem foi muito bem construída durante a primeira temporada) e seu conflito com o Aranha muito mais simbólico, pois é Aranha confrontando uma representação do que ele poderia ter se tornado caso se deixa-se ser corrompido pelo simbiote.

 

5) Culpado



Um dos meus personagens favoritos na série é o icônico J Jonah Jameson. Apesar de ser o antagonista do Aranha, que usa  seu jornal e influência na mídia para estragar a reputação do herói, tem muitos momentos na série onde ele demonstra um lado bom, de um chefe que se importa com seus empregados e amigos próximos.

Um grande exemplo disso é no Culpado, onde um vilão incrimina Joe Robertson , braço direto de Jameson e também uma das poucas pessoas a defender o Homem Aranha, colocando dois rivais numa aventura com um clima bem noir de filmes clássicos de detetive, com eles investigando  as evidências e tentando descobrir quem armou para Robbie.



Além de ser uma boa história de mistério,  o episódio ajuda a humanizar Jameson, demonstrando que apesar de ranzinza, no fundo ele respeita Robbie e está disposto a se arriscar para provar sua inocência. É bem legal ver ele e o Aranha deixando suas diferenças de lado pra salvar Robbie, dando muito mais camadas pro Jameson como um personagem.

4) Guerras Secretas



Um dos pontos altos da série eram os crossovers, onde o Aranha se encontrava com outros heróis da Marvel como o mencionado Blade, Capitão America, Homem de Ferro e os X-men (a versão do desenho dos anos 90). Para a surpresa de muitos fãs, esses crossovers acabaram se tornando parte de algo muito maior na última temporada: Uma adaptação do Guerra Secretas.



Tal como o evento nas hqs, o arco da série foca-se no Beyonder trazendo heróis e vilões para o Planeta Bélico, para ver quem venceria numa luta entre o bem e o mal. Para complicar as coisas para o Peter, é dado a ele o dever de liderar os heróis, fazendo com que o rapaz tenha que encarar essa responsabilidade e crescer como um líder e um igual entre esses heróis populares.





Outro ponto forte do episódio é que ele foi um crossover legítimo visto a maioria dos personagens presentes tinham séries animadas na época como o Homem de Ferro, o Quarteto Fantástico e a Tempestade (que fazia parte do desenho dos X-men)

3) Enganado & O Homem Sem Medo



De todos os crossovers, o que muitos fãs consideram o melhor é o encontro do Aranha com o Demolidor (chamado hilariamente de Atrevido pela tradução brasileira). Nesses dois episódios, Peter é enganado pelo Wilson Fisk (Rei do Crime) a roubar um arquivo contendo informações sobre o governo. Incriminado e sendo caçado pela polícia, o Aranha se une ao Homem sem medo para limpar o nome de seu alter ego e ajudar o Demolidor a acertar as contas com o Rei do Crime, responsável por matar seu pai.



Embora a série tenha tido várias censuras os criadores sabiam encontrar uns furos e dar contornos por elas e tocar em assuntos bem sérios para um desenho animado. A introdução do Demolidor é um desses exemplos, onde eles conseguiram manter a pegada séria e sombria das histórias do herói da fase Frank Miller e sua rivalidade com o Rei do Crime. Destaque pra forma como os produtores reinventaram a origem do Fisk, com ele sendo vitima de um relacionamento abusivo com seu pai, mostrando as similaridades e diferenças entre ele e o Demolidor.

2) Ponto de Retorno



Uma das histórias mais populares e importantes do Homem Aranha é a “Noite que a Gwen Stacy morreu”, onde o herói sofre uma de suas maiores derrotas, tendo sua namorada sendo morta pelo Duende Verde. Uma história dessa era considerada sombria demais pra ser adaptada na série, tanto que os produtores não puderam introduzir a Gwen Stacy ou qualquer personagem que tenha morrido nas hqs (como Capitão Stacy e Jean DeWolff). No entanto, isso não os impediu de fazer uma história que consiga ser próxima ao tom dessa história marcante.

Durante a terceira temporada, foi mostrado a transformação do Norman Osborn no Duende Verde, que vem a se tornar o novo grande inimigo do Aranha. Tendo se apossado de um dispositivo de viagem dimensional, o psicopata consegue descobrir a identidade do Aranha e decide atormenta-lo atacando seus entes queridos. Ao capturar Mary Jane, o Duende a leva para a ponte George Washington, onde ela acaba caindo em um dos vortex do aparelho, ficando presa em outra dimensão para sempre, levando ao grande duelo entre o Aranha e o Duende Verde.



Claro que a ideia de um aparelho que abre portais é obviamente uma forma dos desenhos evitarem morte de personagens (ex: Yu gi oh faz isso com seu Dominio das Trevas) mas a ideia continua sendo bem sombria (imagina ficar preso num lugar onde você não vive ou morre, apenas existe) e ajuda a manter o tom sombrio do episódio, isso combinado com os excelentes momentos de suspense e atuação dos dubladores, que representam a dor que o Peter está sofrendo por perder a Mary Jane.

1) Guerra das Aranhas



Agora mesmo os fãs tão no maior hype para Homem Aranha No Way Home, ansiosos pelo fato do filme explorar o multiverso e trazer versões dos filmes anteriores do herói. O que alguns desses fãs não sabem é que todo essa ligação do Aranha com o Multiverso começou nesse desenho animado. Desde a terceira temporada, o Aranha teve vários encontros com a Madame Web, alertando-o de que e ele precisa ser treinado para que possa estar pronto para algo grande que ia acontecer. Esse final de série mostra esse evento que Madame Web estava falando, onde Peter tem que se unir a versões alternativas de si mesmo para impedir que o multiverso seja destruído pelo Spider-Carnage, uma versão maligna do Aranha que, tomado por sua raiva e tristeza, foi corrompido pelo simbiote e enlouqueceu.

 


Esse final é uma verdadeira carta de amor ao Homem Aranha e sua mitologia, com vários ester eggs de versões clássicas do herói (incluindo um Robô Aranha, referência ao tokustasu do herói) assim como elementos que viriam influenciar futuras histórias do aracnídeo (ex: Um homem aranha usando tentáculos do Octopus é uma referência ao Homem Superior, Um homem aranha de ferro representa a conexão do herói com o Homem de Ferro que seria mostrada durante Guerra Civil e no MCU).

 


Além dos ester eggs, a ideia do vilão ser uma versão maligna do Peter é uma escolha perfeita como boss final da série. Desde o inicio, foi sendo estabelecido que o grande inimigo do Aranha não é o Duende Verde, Rei do Crime, Octopus ou nenhum desses caras fantasiados, mas sim ele próprio, suas inseguranças e emoções como ansiedade e raiva. Durante as temporadas, foi mostrado o Aranha encarando essas situações emocionais, sendo tentado e corrompido por elas (ex: Foi possuído pelo simbiote, foi transformado no Aranha-Homem, passou um tempo com raiva pela perda da Mary Jane). Faz sentido a Madame Web ter escolhido ele, que resistiu a essas tentações para derrotar a versão que sucumbiu a elas. A forma como Aranha consegue virar o jogo contra sua versão maligna é a prova de como o Peter cresceu nesses episódios, indo de um cara impulsivo e confiante para um herói maduro e experiente, que usa a cabeça antes dos punhos.

 

No entanto o grade destaque desse episódio é quando o Aranha viaja para o mundo real e conhece Stan Lee. A participação não é só emocionante mas a interação dos dois mostra Peter confessando gostar de sua vida e as pessoas com quem ele convive, mesmo com os problemas que ele passou. Essa é a verdadeira moral por trás das histórias do Aranha: Aceitar a vida, seja os momentos felizes e triste, e seguir em frente com uma perspectiva otimista.



Algumas pessoas podem reclamar desse final pelo fato do Aranha nunca ter encontrado a Mary Jane, e há uma grande chance da Disney trazer esse desenho de volta, tal como tão fazendo com os X-men. Mas, pessoalmente, estou satisfeito com o fato deles terem concluído o desenvolvimento do Peter durante a série (algo que adaptações como Espetacular Homem Aranha ainda tão devendo). Por esse motivo que esse episódio é o melhor da série animada dos anos 90.


Então é isso, Quais são seus episódios favoritos da série animada dos anos 90? Sintam-se a vontade para colocar suas opiniões nos comentários abaixo...

Postar um comentário

0 Comentários