Raio Negro: Um herói que luta pela justiça... social - OZYMANDIAS_REALISTA

Breaking

Ano IV! Quadrinhos, cinema, opinião, downloads, xadrez e mais 200 coisas.

terça-feira, 24 de julho de 2018

Raio Negro: Um herói que luta pela justiça... social


[Este post contem spoilers]

Recentemente eu finalmente me lembrei de assistir a série do Raio Negro (antes eu estava esperando todos os episódios saírem e de tanto esperar acabei esquecendo). Enfim, eu esperava bastante da série, pelo fato de eu ter gostado bastante da série do Flash (que foi feita pelos mesmos caras até onde eu sei) e também pelos rumores de que o Super Choque ia aparecer.
 Apesar das minhas altas expectativas o Super Choque não apareceu e no lugar dele a série me ofereceu... esquerdismo. Muito esquerdismo.


 E eu sei que isso vai me fazer parecer o cara chato que mete política em tudo mas eu juro que dessa vez a culpa não é minha! A filha do Raio Negro na série é um justiceira social de marca maior que destrói estatuas de confederados e acha que é ok quebrar a perna de um homem com uma bandeira confederada na estampada na blusa, a cada 5 minutos eles sentem a necessidade de parar para falar de como a polícia americana é racista e há uma demonização incessante dos "brancos nacionalistas". Apesar de tudo isso (e mais algumas coisas que eu nem vou comentar) eu não iria me dar o trabalho de ser o "cara chato que bota política em tudo" (afinal, esquerdismo na industria de entretenimento é a coisa mais normal do mundo e eu já estou mais do que acostumado) se não fosse o final da série.  Um dos vilões principais (o que está por trás de todos os conflitos da temporada) não passa de uma caricatura mal feita da direita americana. Parece que ele literalmente só está lá para fazer com que qualquer um que não siga a agenda "liberal" (que nos EUA é a agenda da esquerda) pareça ser um filha da puta de marca maior. O cara reclama do politicamente (por razões que você não será capaz de adivinhar), reclama da assistência social (de forma racista porque todos sabemos que ser contra assistência social equivale a ser um racista imundo) e por fim solta um bordão conhecido: "Eu quero fazer a América ser grande novamente".


 Eu não sou nem de longe o maior defensor do Trump que esse mundo já viu (embora eu seja honesto o bastante para afirmar que simpatizo com ele mais do que com a maioria dos políticos vivos) mas tem certas coisas que eu não consigo deixar para lá. O maior filha da puta da série é uma caricatura mal feita do Trump que parece ter sido criada por alguém que aprendeu tudo o que sabe assistindo um democrata falando. E o pior de tudo não é só que a série apresenta o claro objetivo de demonizar o atual presidente americano e qualquer um que concorde com ele. O problema maior é que ela sacrifica a qualidade do roteiro para fazer essas "criticas sociais fodas". Os diálogos do final são tão ridículos que parecem ter sido escritos por uma criança e a história que tinha potencial acaba parecendo uma grande esquete política que não tem graça nem consistência.



 Para não ficar só esculhambando vou dar um exemplo de uma série que fez as coisas de forma muito melhor do que Raio Negro. A segunda temporada de Luke Cage, além de muito melhor do que eu esperava (Anos luz melhor do que a primeira) não deixa com que opiniões políticas estraguem tudo. Não me entenda mal, essa série também apresenta diversas visões de esquerda das quais eu não concordo. O meu ponto é que diferente do seriado da Dc, Luke Cage consegue colocar suas críticas nos momentos certos e de uma forma que não estraga a história (que segue perfeitamente bem sem ser prejudicada por opiniões políticas. Também há uma referencia ao bordão do Trump no último episódio mas, apesar de ser sim um pouco forçado, não chega a gerar nenhum incomodo grande o impressão de que a série toda foi uma grande propaganda política disfarçada.
 Só para esclarecer a série do Raio Negro não é de todo mal. Algumas cenas são boas, a história tinha potencial (que foi desperdiçado mas mesmo assim era potencial) e alguns personagens eram interessantes. Mas com toda a merda que ficou misturada eu não sei se verei uma possível segunda temporada (bom, eu vejo se aparecer o Super Choque).


 Para não ficar só um post de reclamações, gostaria de recomendar o livro " Fatos e Falácias da Economia" escrito pelo grande Thomas Sowell, especificamente o capitulo 6 que fala sobre questões de raça.

E como bônus final vou deixar um vídeo do Trump cantando (porque sim).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog