PESQUISA



smc

sábado, 31 de dezembro de 2016

Megapost: Coleção Graphic Novels Marvel #21-30 (Editora Salvat)

Leia a primeira parte com as edições #1-10 aqui.
Leia a segunda parte com as edições #11-21 aqui.

Graphic Novels Marvel #21 – O Espetacular Homem-Aranha - De Volta ao Lar, escrito por J. M. Straczynski  e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat.


Straczynski começa sua excelente fase no Homem-Aranha com Peter e Mary Jane separados. Ela está em Los Angeles investindo em sua carreira artística e ele vai trabalhar como professor em seu antigo colégio, o Midtown. Ao tentar ajudar seus alunos dentro e fora da classe, Peter conhece o misterioso e bem-sucedido Ezekiel Sims que conhece sua identidade secreta e aparentemente possui seus mesmos poderes aracnídeos. Sua repentina aparição tem como objetivo salvar a vida de Peter das mãos do imortal Morlun, que absorve a essência da aranha do corpo de todos que possuem essas habilidades, incluindo Parker.

JMS sai da zona de conforto e faz a seguinte proposta que dá o que pensar: “Foi a radiação que possibilitou que a aranha desse poderes à Peter ou a aranha tentou transmitir seus poderes antes que a radiação em si a matasse? O que veio primeiro: a radiação ou o poder?”. Essa indagação terá repercussões futuras e faz com que a leitura das histórias do Homem-Aranha daqui pra frente se torne muito mais rica, quando levamos em conta essa pergunta. A criação de Morlun para essa trama só enriquece ainda mais a mitologia do Aranha. Um ser que precisa caçar e sugar a energia vital de pessoas com poderes de animais, como se fosse uma espécie de vampiro, poderoso e inabalável que testa a força de vontade do herói aracnídeo além de seus limites. A cada confronto entre eles, fica claro porque o Homem-Aranha é um herói tão querido, e precisa receber o devido respeito. Uma obra prima na longa história de altos e baixos da versão 616 do Homem-Aranha. Leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #22 – O Espetacular Homem-Aranha - Revelações, escrito por J. M. Straczynski  e desenhos de John Romita Jr, lançado pela Editora Salvat. 


Continuando sua trama iniciada no volume anterior, JMS passa a mostrar as consequências dos acontecimentos do arco anterior. Tia May e Peter Parker em um conversa franca e emocionante sobre a descoberta dele ser o Homem-Aranha. E a edição #39 focaliza nos três principais personagens que Straczynski resolveu trabalhar – o dia-a-dia de Mary Jane em sua vida profissional, Tia May começando a tomar providências pelas calúnias do Clarim Diário e Peter em sua incansável luta pelo crime.

Mais uma vez, JMS mostra que não quer saber de comodismos. Revela a identidade secreta para Tia May, mas não só isso. Mostra de forma muito bem detalhada a maneira em que ela lida com essa situação. É interessante que Peter, como era de se esperar, não entende plenamente os sentimentos de sua tia com relação à descoberta de sua identidade como Homem-Aranha. Nisso, o escritor conseguiu mostrar que conhece muito bem os personagens que tem em mãos. A edição #36 investe no trabalho de Peter como professor tentando ajudar seus alunos, em particular a pequena Jennifer, cujo irmão mais velho é viciado em drogas. É um arco com poucos diálogos, que foi uma iniciativa da Marvel em produzir histórias visuais e com praticamente zero de diálogos. Mesmo assim, os méritos dessas histórias são o impacto visual. Mais uma leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #23 – X-Men – E de Extinção, que reúne as edições #114-117 de New X-Men, escrito por Grant Morrison e desenhos de Frank Quitely e Ethan VanSciver, lançado pela Editora Salvat. 


Cassandra Nova, uma misteriosa e poderosa ameaça paira sob a raça mutante. Sob seu comando, um exército de Sentinelas aprimorados são enviados e devasta a nação mutante de Genosha, dizimando milhões de mutantes. Como se não bastasse a chacina, ela mostra ser um inimigo mortal para os X-Men.

Grant Morrison em sua estreia no título mutante. Um início com vários acontecimentos diferentes e desafiadores para os X-Men, mostrando que deseja tirar os heróis de sua zona de conforto. Novas ameaças, relações complicadas, status quo modificado e muitos ganchos para o futuro. Um início promissor. Leitura recomendada.

Graphic Novels Marvel #24 – X-Men – Imperial, que reúne as edições #118-126 de New X-Men, escrito por Grant Morrison e desenhos de Ethan VanSciver, Igor Kordey Frank Quitely, lançado pela Editora Salvat.


Os X-Men pensavam que haviam derrotado Cassandra Nova, mas ela fugiu no corpo de Xavier e rumou até o Império Shiar a fim de dominar Lilandra e seu Império. Após contaminar os corpos dos mutantes com nanorobôs Sentinelas, Cassandra força Lilandra a enviar sua força de elite até a Terra para erradicar os X-Men. Enquanto isso, o corpo em que Xavier está confinado está se deteriorando. Cassandra Nova planejou tudo e os X-Men parecem não ter saída.

Grant Morrison continua seu arco sobre a personagem que criou – Cassandra Nova – cuja origem é uma das marcas características de Morrison. Outro ponto positivo é o desenrolar da trama com altas doses de tensão. Se Morrison já havia mudado o status quo do grupo como um todo no arco anterior de E de Extinção, nesse, ele continua a mexer com as coisas, trazendo um novo frescor ao grupo mutante. E como normalmente acontece, quando o Império Shiar é bem utilizado nas aventuras dos X-Men, acaba rendendo boas histórias como essas. Leitura recomendada.

Graphic Novels Marvel #25 – Homem-Aranha Azul, que reúne as edições #1-6 de Spider-Man Blue, escrito por Jeph Loeb e desenhos de Tim Sale, lançado pela Editora Salvat.


É Dia dos Namorados, e Peter resolve relembrar da ocasião em que começou a namorar Gwen Stacy, morta durante um brutal confronto contra o Duende Verde. Aliás, de acordo com o próprio Parker, foi por causa de seu último confronto com o Duende, onde ele descobriu sua identidade secreta e perdeu a memória em seguida, que essa história de amor começou. Em seguida, um plano elaborado colocando o Homem-Aranha frente a frente contra Rino, Lagarto e Abutre foram decisivos para os eventos que levaram Peter Paker namorar Gwen Stacy.

Contado de forma sublime, sensível e genial, Jeph Loeb mostra mais uma vez que sabe como tocar em um assunto que o afeta pessoalmente – a morte de um ente querido. Contada através da visão de Peter Parker, a história também serve como uma merecida homenagem à Stan Lee, Steve Ditko e John Romita, os verdadeiros responsáveis por essa fase clássica e inesquecível do aracnídeo. A construção narrativa privilegia o relacionamento entre os amigos – Harry Osborn, Flash Thompson, Mary Jane e Gwen Stacy, mas nunca abre mão da ação na quantidade certa. E o final reserva uma surpresa, digna de emocionar até o mais duro dos corações. Leitura obrigatória.

Graphic Novels Marvel #26 – Wolverine Origem, que reúne as edições #1-6 de Wolverine: Origins, escrito por Paul Jenkins e desenhos de Andy Kubert, lançado pela Editora Salvat.


A jovem órfã Rose foi convidada para morar na mansão dos Howlett para cuidar do garoto alérgico James. Lá, ela também conhece outro garoto, o Cão, filho de Logan, o jardineiro da família. Apesar da luxúria, a vida dos Howlett foi sendo construída em cima de tragédias. E isso não mudou. Despertado por mais uma perda em sua vida, James Howlett, que viria a se tornar Logan, o Wolverine, viu sua vida virar completamente do avesso quando teve de viver como fugitivo junto de sua amiga Rose. E mesmo depois de adultos, quando suas vidas pareciam estar se acertando, James “Logan” Howlett percebe que sua vida nunca teria paz e felicidade.

Depois de muito tempo, finalmente Paul Jenkins revela a origem definitiva do Wolverine. Uma história calcada no sofrimento e na tragédia, eventos que marcariam sua vida até hoje. Uma narrativa cativante e desenhos com uma colorização que combinam com a época da história. Uma obra para ser lida e relida. Leitura altamente recomendada.

Graphic Novels Marvel #27 – Capitão América – O Novo Pacto, que reúne as edições #1-6 de Captain America Vol.4, escrito por John Ney Rieber e desenhos de John Cassaday, lançado pela Editora Salvat.


Consequência direta dos ataques do 11 de setembro de 2002, a Marvel transfere o Capitão América para o selo Marvel Knights e o coloca na linha de frente de combate ao terrorismo. Uma pequena cidade americana, Centerville, é alvo do terrorista Al Tariq, cujo plano é atrair o Sentinela da Liberdade, que por fim, descobre que seu destino final é na Alemanha.

Aqui vemos Steve Rogers muito mais reflexivo, ponderando sobre seu próprio status como patriota que sempre foi. Um herói que questiona (acredito que aqui foi lançado uma pequena base para o que seria o Capitão América em Guerra Civil, mas isso é outra história), que procura entender o significado das coisas e não apenas um soldado que obedece cegamente. Ao lidar com os atentados em Nova York, Steve incentiva o cidadão comum a não se vingarem, mas dizendo que eles precisam ser melhores, ou o inimigo terá vencido. Interessante também a maneira como o escritor retratou o verdadeiro vilão por trás dos ataques de Al Tariq. Os desenhos de John Cassaday estão no seu auge, assim como estavam em Surpreendentes X-Men, enfatizando os detalhes. Leitura imperdível.

Graphic Novels Marvel #28-29 – Os Supremos – Super-Humanos e Segurança Nacional, que reúne as edições #1-13 de The Ultimates, escrito por Mark Millar e desenhos de Bryan Hitch, lançado pela Editora Salvat. 


Depois das aparições de Magneto (em Ultimate X-Men) e do Hulk (em Ultimate Marvel Team-Up), o universo Ultimate necessita de uma força tarefa para combater qualquer forma de ameaça super humana que ameace a paz e a segurança mundial. Nick Fury nomeado como líder da SHIELD e do grupo Supremos recruta uma equipe poderosa, porém instável, formada por Hank Pym, Janet Van Dyne, Tony Stark, Bruce Banner e Capitão América, além de contar com a ajuda de Thor. Juntamente com seus antigos amigos e agentes Gavião Arqueiro e Viúva Negra, Nick Fury e os Supremos devem se preparar para enfrentar uma invasão alienígena de proporções avassaladoras. Mas antes, devem conter o poder brutal e descontrolado do Hulk.


A versão atualizada dos Vingadores, mais uma força tarefa sancionada pelo governo, do que uma equipe heróica eclética, os Supremos são retratados de uma forma mais crua, com seus principais personagens mais próximos de uma versão mais “realista”. É interessante notar que esse primeiro volume dos Supremos serviu como base e inspiração para muitos elementos do filme Vingadores. Os desenhos detalhistas de Bryan Hitch estão fantásticos. Normalmente vejo opiniões radicais sobre essa HQ – pessoas que amaram ou odiaram, quase sem meio termo. Particularmente gostei e recomendo.

Graphic Novels Marvel #30 – Quarteto Fantástico - Inconcebível, que reúne as edições #67-70 e 500-502 de Fantastic Four, escrito por Mark Waid e desenhos de Mike Wieringo e Casey Jones, lançado pela Editora Salvat. 


Nesse arco, Victor Von Doom está de volta e planeja seu ataque final ao Quarteto Fantástico. Para isso, ele ataca o grupo em seus dois pontos mais fracos – as crianças, Franklin e Valéria. Para salvar sua família e seus amigos, Reed precisa se submeter a um treinamento de magia com o Dr. Estranho, algo inconcebível para sua mente científica. O confronto com Doom deixa sequelas emocionais, principalmente no garoto Franklin.

Mark Waid mais uma vez deixa bem claro a sua proposta de manter o clima de aventura, típicas da fase clássica de Stan Lee/Jack Kirby, mostrando o Quarteto em mais um embate com o Dr. Destino. Porém, dessa vez, o diferencial está na quase concretização dos panos de Doom em desestruturar o núcleo familiar. Em especial as duas últimas edições, #501 e 502 são dignas de justificar porque o status original do Quarteto. Leitura imperdível.


Por Roger

 #21 - #25:
 https://mega.nz/#!JIMx0QAJ!iCh_DRdPf59O4kbLnZmCbKqPLDtrMlcw2oC3uM4N620


 #26 - #30:
 https://mega.nz/#!pAc1UZqD!YD0kK3x_b_tQdB2CuujB1f_1cCaKEbwZKPRrPorX7Bo

Nenhum comentário:

Postar um comentário