Pesquisar este blog

smc

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

GOTHAM (2ª Temporada), #02 – GTA JOKER CITY!


Segundo episódio marcado por assiduidade das cenas de ação e mais uma vez medidas que só fazem barulho, e não consequências. No quesito ação, fica a entender que os produtores estão dizendo que “agora tudo vai ficar rítmico e menos maçante”, mensagem talvez dado o final anticlimático da ultima temporada que eu nunca perdoou, e consequências previsíveis na sequência em que Bruce Wayne pretensamente demite Alfred, causando ao espectador uma típica falta de credibilidade na cena desenvolvida, algo popularmente conhecido como “conta outra, que essa eu não acredito”.

Gordon Fall...

Parece haver também a velha medida de tirar o excesso de personagens, apesar de alguns deles terem tons tão particulares no roteiro, bem como na atuação, que fica a dúvida se o que estão tirando é o que precisa ser tirado para que a história fiquei mais fluída e instigante. Se o show anterior era chamado de “Pinguin Begins”, esse abundantemente seria o “Coringa Begins”, embora GTA Joker City seja um termo que eu ache mais cabível, já que Jerome se comporta tal qual algum personagem desse game em nossas mãos, com direito a tentar explodir ônibus cheio de líderes de torcida estavão indo para Crystal Lake? Ou se disfarçar de policial junto a um bando para cometer chacina em uma delegacia, só faltou mesmo aparecer as cinco estrelas de perseguição na tela, coisa que infelizmente não ocorreu por aparentemente GTA ser ainda mais realista no quesito do revide das autoridades, ou devo estar enganado, já que por esse episódio destruir uma delegacia com dezenas de policiais e escapar ileso e ainda sem lutar com reforços de outras unidades ou a própria Swat é mais fácil do que eu pensava...

Acho que em um cara desse o Walter White não conseguiria dar um tiro na covardia como fez com o Mike...


No mais, um dos elementos que sempre trás brilho a série são diálogos de mafiosos ou pessoas poderosas ao estilo do que Godfather, e nesse específico, Alfred (Sean Pertwee) é quem leva a medalha como personagem mais crível. Ao contrário de Jerome, cada vez forçando mais para que o público o veja como uma ameaça, Alfred com um toque sutil sempre ao contar alguma história de alguém que conheceu, em timbre de que conhece boa parte dos tipos de comportamentos humanos, consegue de fato tecer uma ameaça que intimide até o próprio espectador, já que os maiores assassinos não são os espalhafatosos, os mais letais são de fato os silenciosos disfarçados entre os demais...

Nota: 5.6



P.S 01: Caso alguém fora eu tenha ficado interessado na música que tocou no episódio anterior, eu a descobri finalmente, é essa além de já estar na playlist do blog logo acima:


P.S 02: Assim que eu acabar toda a missão até essa sexta, vou responder todos os comentários atrasados de meses, não estou ignorando por ignorar, tem minha palavra.

Força e honra.



Nenhum comentário:

Postar um comentário