Home Top Ad

Responsive Ads Here

Minha opinião sincera sobre algumas defesas

Share:

[Texto da tag “Escritor Convidado”, escrito pelo GM Rafael Leitão, o texto é um dos vários que chegam dele semanalmente no e-mail, que podem ser assinados gratuitamente em seu site: https://rafaelleitao.com/]

Não tem jeito. O povo gosta mesmo é de falar sobre aberturas. Por mais que eu diga que essa não é a parte mais importante do xadrez, o que os alunos mais querem são vídeos e explicações sobre as melhores variantes para montar um repertório.

 Tá bom. Hoje vou dar minha opinião sincera sobre algumas defesas. Sei que uns não vão gostar, mas é a vida. Em um futuro email eu vou falar sobre as variantes para as brancas.


Se você está de pretas e seu adversário joga 1.e4:

Escandinava = porcaria
Alekhine = duvidosa
Pirc = jogue se você souber muito bem o que estiver fazendo
Francesa = gosto é gosto, para o meu estilo não serve
Caro-Kann = tédio

Pode falar o que quiser, mas contra 1.e4 é e5 ou Siciliana. O resto é o resto. Pode até fazer parte do seu repertório, mas nunca será da mesma qualidade. Nada contra quem jogue, podemos ser amigos também (especialmente se você só jogar de vez em quando).

Se você está de pretas e seu adversário joga 1.d4:


Todos os gambitos que você estiver pensando (Benko, Budapest, Albin etc) = porcaria
Eslava = sólida demais
Semi-eslava = boa
Ortodoxa = clássico dos clássicos
Nimzo-Índia, Índia da Dama, Bogo-Índia = defesa para gente grande
Índia do Rei = ótima se você jogar como o Fischer ou o Kasparov
Grunfeld = a defesa mais odiada pelos jogadores de brancas

Pronto. Talvez essas opiniões recheadas de preconceitos sirvam para você montar um bom repertório e não ficar mais tão preocupado com aberturas.


Agora só falta você virar assinante da Academia. Você não vai encontrar vídeos com repertório sugerido na Escandinava, mas vai encontrar dezenas de aulas sobre as variantes boas.