domingo, 6 de setembro de 2015

ANÁLISE COLEÇÃO SALVAT DA MARVEL


A Coleção de Graphic Novels da Marvel tem agradado várias pessoas no Brasil. Já fizeram até uma segunda leva e confirmaram que uma da DC deve vir ano que vem. Eu havia comprado uma ano passado, mas conforme 2015 foi passando eu fui adquirindo várias pois... realmente valia a pena, ainda mais com o preço que não tá saindo muito mais caro que uma HQ comum. Se eu não me engano a maioria foi R$32,90, agora que eles aumentaram pra R$34,90. São boas histórias e o material também é de qualidade. Difícil eu comprar HQs com esse preço, ainda mais hoje na Era Digital, mas eu fui quase sempre me satisfazendo com o conteúdo. Bem, vamos às breves análises, resolvi trabalhar com esse formato mais prático e direto que vem a seguir, como o Roger do Planeta Marvel/DC tem feito com os tie-ins da Marvel.





A COLEÇÃO OFICIAL DE GRAPHIC NOVELS



2.Os Fabulosos X-Men: A Saga da Fênix Negra


"Sei que a Fênix Negra é maligna... Eu senti seu poder. Também conheço Jean Grey... Senti seu amor. Devo a ela minha própria vida. Quando os X-Men enfrentaram a Fênix Negra, nós não tínhamos a intenção de destruir ninguém... Mas de curar. Lutamos em nome do amor, e isso não mudou."

Também conhecida como a saga da Jean Grey quando fica com TPM. A maioria deve conhecer essa história há tempos, já que além de ser um marco, foi adaptada para os desenhos clássicos e até o terceiro filme da franquia cinematográfica. Assim sendo, não há muito que venha a te surpreender. Originalmente, a ideia de Claremont era escrever uma história sobre redenção. Jean perderia o controle de seus atos e depois de causar caos pelo Universo e recobrar sua consciência normal teria que viver isolada e trabalhando com o perdão por si mesma. Mas essa ideia foi rejeitada pelo editor e no final ela é condenada e morre mesmo, como nós já sabemos. Antes da personagem se tornar uma ameaça, há toda uma série de aventuras dos mutantes contra Sebastian Shaw e o Clube do Inferno; mas tudo nessa época já está bem datado, serve apenas para nostalgia, tanto a aventura quanto o próprio estilo dos personagens parece clichê e cansativo, além da transformação da Fênix que como todos lembram, rola de uma hora pra outra. Mesmo não sendo tão da hora é uma história importante na cronologia Marvel. No fim das contas o mais legal acaba sendo o dilema dos heróis de defender ou não Jean no final, ao ver sua amiga sendo condenada pelos seus atos quando estava fora de controle, já que antes disso ela sempre havia sido uma heroína e ajudado na luta contra o mal com toda sua capacidade.

Conclusão: Dispensável

8.Demolidor: A Queda de Murdock


"Um homem sem esperança... É um homem sem medo."

Provavelmente o melhor de toda a coleção. Uma grande dupla de artistas incomparáveis e um personagem sendo levado aos seus limites físicos, sociais e emocionais. Cada capítulo é um banho, uma grande surra, tanto os desenhos quanto o roteiro. O advogado Murdock começa a sofrer de síndrome do pânico, em paranoia desconfiando de tudo e todos, até mesmo seus melhores parceiros. Tudo culpa de um dos maiores vilões da Marvel agindo covardemente pelas costas do herói: o Rei do Crime. Se utilizando ao máximo de sua influência e privilégios ele realiza uma das mais terríveis representações de um criminoso maligno e sem escrúpulos no mundo da arte. Isso somado a maestria com que Frank Miller representa todos os personagens, além de alguns que ele cria, sempre sem faltar aquele grande realismo e senso crítico sem represálias. Essa é uma das mais impactantes estórias de todos os tempos.

Conclusão: Indispensável.

22.O Espetacular Homem-Aranha: Revelações&Até Que as Estrelas Esfriem


"Todos têm segredos e, depois de um tempo, eles pesam tanto que você passa a viver dentro desses segredos. Temos que discutir essas coisas com quem amamos e respeitamos... Por mais doloroso que seja. Eu te amo e respeito, Peter... Se for recíproco, posso morrer feliz."

Eu sempre fui meio que um hater de toda a fase do Homem-Aranha após a Saga do Clone. Isso envolvia os trabalhos do JMS que eu até cheguei a conferir na época. Mas eu nunca acompanhava e uma coisinha ou outra de "agora ele foi escolhido por um deus aranha" ou "agora ele é professor na escola" me incomodavam bastante da forma que eu era saudosista na época e curtia mais os desenhos, filmes e HQs clássicas (eu cheguei a ler todos os primeiros anos do Homem-Aranha); mas esse volume me obriga a tirar o chapéu. Se foca principalmente no fortalecimento da relação do Homem-Aranha com a sua família: Tia May e Mary Jane. O primeiro quadro já mostra a velhinha descobrindo a identidade do herói. Tudo é muito bem desenvolvido, o autor não erra quando dedica páginas inteiras pra mostrar a linha de pensamento nerd e cômica do Peter enquanto age, algumas partes são bem bobonas mesmo, e também há os diálogos profundos, dignos de serem comparados com a cena do Michael Caine no último filme do Batman. As batalhas não ficam de fora, há algumas, e inclusive construídas de forma muito curiosa, mas a luz mesmo é o fortalecimento das relações com Mary Jane e Tia May, que no futuro se tornaram os braços direito e esquerdo do herói. Não seria incorreto dizer que elas são as protagonistas desse volume.

Conclusão: Vale a pena.

25.Homem-Aranha: Azul


"O jeito do seu cabelo cair sobre o rosto. O modo como você tomava refrigerante. Oi, Gwen. Minha namorada."

Faz parte da trilogia que a dupla Loeb&Sale fez de histórias mais profundas e emotivas relacionando alguns dos principais heróis da Marvel com cores específicas. É uma história sobre tristeza e talvez a melhor que você vá achar. Eu a li pelo computador há vários anos, mas quando vi pra vender não resisti e abri a carteira. Devo ter comprado no mesmo dia. O início nunca vai deixar de lembrar o clássico do Monstro do Pântano, "Meu Paraíso Azul", outra marcante história sobre luto. É fantástico como eles conseguem transmitir a dor do Homem-Aranha pela perda de Gwen Stacy, o clima despreocupado e divertido do universo adolescente que o personagem tinha no colegial e senhora representações de Mary Jane e Gwen Stacy, talvez as que mais marquem no fim das contas. Eu até queria escrever uma resenha inteirinha quando comprei e ainda tinha o meu blog. Lembro que eu ia terminar assim: "É uma fantasia tão fantástica, mas tão fantástica, que é real."

Conclusão: Não deixe de ler.

30.Quarteto Fantástico: Inconcebível


"Já ia escrever 'tudo como sempre', mas parei. Afinal, este foi um mês bem duro, até pra gente. Não sei se um dia vamos ser os mesmos. Mas talvez seja legal assim."

Não é lá o que eu chamaria de uma história muito representativa ou simbólica do Quarteto Fantástico, apesar de ainda assim ser muito boa. Waid usa uma lógica muito simples pra começar. Se em tanto tempo se dedicando a tecnologia para destruir o Quarteto Fantástico o Dr. Destino falhou, por que não começar a tentar magia? E assim vai. Os desenhos tem um tom bem infantil, mas conforme vai se aproximando do final, a história vai ficando mais pesada deixando marcas internas e externas nos seus personagens. Por fim os últimos capítulos são dedicados ao lado família do super-grupo e as mudanças inevitáveis que vem sem avisar na vida de todos. Acaba sendo impressionante, e antes de chegar nisso se desenrola um tom de aventura bem divertidozinho e competente. Preciso conferir logo a sequência, também disponível nessa coleção: "Ações Autoritárias".

Conclusão: Sensível e surpreendente.

38.Pantera Negra: Quem É O Pantera Negra?


"Às vezes é preciso chutar alguns traseiros em nome de Jesus."

Eu adoro o Pantera Negra, mas não conheço tanto as histórias dele quanto gostaria. Porém, em todo canto dizem que essa fase do Reginald Hudlin é a melhor. Como não conheço mais material, não posso dizer muito por mim mesmo, mas sem dúvida é um trabalho corajoso e com identidade. O cineasta junto com Romita Jr. mostra T'Challa e seu reino de Wakanda como uma força imponente, mas há razão pra isso: eles são fodões. O próprio autor disse querer trazer uma atmosfera rock and roll com um espírito de "não mexa com a gente". Consciente da inexistência de inimigos decentes do personagem, além do Garra Sônica, ele toma a liberdade de usar um bom elenco de inimigos secundários da Marvel, o que ajuda com o desenvolvimento impressionante. Soma isso com a forma que ele demonstra o espírito invasivo do governo dos Estados Unidos, a arrogância das forças militares e a hipocrisia das forças religiosas que destroem em nome de suas crenças... você tem aí uma bela festa.

Conclusão: Vale a pena.

39.Motoqueiro Fantasma: Estrada Para A Danação


"Paraíso e Inferno, anjos e demônios, vocês são exatamente iguais! Não passam de tiranos! Psicopatas! Sádicos! Corja perversa e impiedosa que brinca com a humanidade! Malditas sejam suas almas negras e sem fim!"

A arte é diferente, as cenas de ação são bem brutais. O tempo inteiro fica um tom bem mórbido. Não é muito diferente do que costuma rolar nas estórias do Motoqueiro Fantasma: Johnny Blaze está sendo enganado por todo mundo, já que ele nunca devia ter se metido nessa pra começar, há coisas nojentas, diabólicas e em algum momento todo mundo passa pelo Texas(irrá!). Tendo roteiro do Garth Ennis, há alguns diferenciais notáveis, como aquele senso de pessimismo existencial, o qual ele não esconde nem um pouco sendo uma estória sobre um personagem amaldiçoado (estrada para a... danação). O senso de humor também é surpreendente e inesperado, sendo basicamente uma guerra de filhos da puta. O enredo... faz jus ao título.

Conclusão: Vale a pena.

53.Doutor Estranho: O Juramento


"Não importa como fui um canalha ingrato para com todos que tentaram me ajudar, Jonas Hilt sempre foi um amigo leal. Ele cuidou de mim quando todos os pacientes que rejeitei rezavam pelo meu fim."

Antes do Stan Lee, Stephen Strange era o mestre das cameos no Universo Marvel. Ele dá um "oi" magicamente supremo em várias estórias dessa coleção protagonizadas pelo Hulk, Demolidor, Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, todo mundo. TODO MUNDO GOSTA DO DR. ESTRANHO! Imagina então quando ele for o Benedict Cumberbatch, que já é cheio de fanboys fazendo Sherlock Dr. Who e afins? Bem, é realmente difícil encontrar uma estória do Dr. Estranho e falar "É essa aqui!". Ele não seguiu um caminho muito fácil de acompanhar, apesar de ter várias aventuras bacanas, ou até mesmo fodonas. A maior parte das vezes ele tá ajudando os Vingadores ou o Homem-Aranha. Bem, "O Juramento" é um trabalho maravilhoso. Apesar de ele ainda ser um dos personagens mais poderosos do Universo Marvel, Vaughan e Martin não trabalham com o bom doutor de forma tão intocável quanto o costume. O fato dele ter sido um cirurgião arrogante, o que é muitas vezes ignorado, é rebatido a estória toda. Há uma sequência de acontecimentos inesperados e uma forma de narrativa experimental muito bem trabalhada que torna a estória incrível.

-Questões morais dos médicos
-Uso da magia como cura
-Relação com um dos poucos amigos recorrentes do personagem: o ajudante Wong
-Dr. Estranho trabalhando com investigação
-Um romance rasteiro que não interrompe a estória
-Ótimo humor
-Pontos da origem do herói trazidos à tona
-Seriedade bem mesclada com fantasia
-É foda pra carai, meu irmão

Conclusão: Um dos melhores.

58.Wolverine: O Velho Logan


"Mesmo agora eu te derroto. Mesmo como um velho eu continuo forte."

Eu li essa história no meu computador na manhã de 2 de julho de 2012. Eu sei exatamente porque isso ficou registrado aqui.


E desde então, meus nobres, eu tenho a recomendado para todos e jurei que o dia que a visse para vender, compraria sem pensar 2x. Então descobri que ela estava sendo vendida na coletânea Salvat, mas... Até hoje não encontrei. Mas é inacreditável. Se você vir... compre. E envie pra mim.

Conclusão: Leia.

OS HERÓIS MAIS PODEROSOS DA MARVEL


I.Os Vingadores


"Você afirmou que queria estragar a festa de Ultron. Ainda dá pra fazer isso."

A edição de início foi bem animadora por custar só R$9,90, menos que muitas mensais. Mas é uma porcaria. É horrível. Há a primeira estória do super-grupo, que não se salva por isso. Depois uma sequência de aventuras contra o Ultron que entediam tanto na trama, quanto nos desenhos e até nas cores. Evidente que eles aproveitaram o último filme da equipe pra soltar essa, mas... infelizmente não vale a pena. Parece um daqueles desenhos antigos e insuportáveis da Fox Kids, que ninguém sabe porque foram inventados.

Conclusão: É barato, mas vale nem um centavo.

2.Homem-Aranha


"Peter... você é feliz?"

Infelizmente o preço não se manteve, mas a qualidade veio com tudo. Eu comprei de aniversário pra uma amiga minha que é fanática pelo Homem-Aranha, e ela amou, mas justamente por ela ser fanática isso pra mim não significava muito. Foi passando o tempo, quando chegou um feriado aproveitei pra pedir emprestado e ler. MANO. É ótimo. Contém uma das melhores da fase do Stan Lee, uma edição especial onde surge o Sexteto Sinestro e o Homem-Aranha tem que lidar com a ideia se ele vai aceitar viver se fodendo mesmo, ou desistir e tentar ter uma vidinha sem grandes feitos heroicos. Depois vem as do JMS onde ele conquistou minha admiração pra sempre. Eu já havia lido há muuuuuuuuuuuuitos anos, quando tinha lançado, mas não lembrava mais. Resumindo: esse volume me fez relembrar porque por tantos anos eu gostava tanto do Homem-Aranha. Desde criancinha. Com o tempo os clichês e vilões bobos (e produtos horríveis em todas as mídias) foram fazendo eu passar a dar mais atenção pro Batman, o Hulk e o Hellboy. Isso lá pra 2008, já faz um tempinho. De repente, depois de ler isso, é como se eu curtisse muito o Amigão da Vizinhança de novo, tanto quanto antigamente.

Conclusão: Imperdível.

OBS.: Mais uma vez o Dr. Estranho não deixa de dar um oizinho misticamente supremo. Duas vezes na verdade.

4.Hulk


"A vida é um jogo de azar, Dr. Banner... E você é o dado."

Grande recomendação do Planeta Marvel/DC. Esse envolve uma fase só: "Olhos de Serpente" e "Cães de Guerra", por Jenkins e Garney. Betty está morta e Bruce Banner está pra morrer. O ruim é que ele sabe que com a morte de sua mente, quem sobreviverá será o Hulk. Nisso há uma viagem dentro da mente do próprio Bruce Banner onde ele encontra as diferentes versões do monstro que já protagonizaram a revista. Essa me fez lembrar porque eu gosto tanto das HQs e dos filmes nem sempre. É muito louco! É sério, cara, a viagem do Bruce pelo próprio subconsciente devia ser adaptada pra algum game do personagem, é muito legal. Nunca que vão colocar isso nos filmes, lembro de ter no desenho antigo da... Fox Kids. Mas bem, depois termina essa parte e a aventura continua. Achei o início o mais legal, mas o resto é bem bacana também.

Conclusão: Vale a pena.


Espero que tenham curtido as recomendações, sei que fiquei longe por um tempo. Até e boa leitura. E não se esqueça de reler o texto meditando se eu me trato afinal de um fanboy da DC ou da Marvel.

Tarde demais!

Nenhum comentário:

Postar um comentário