Breaking

Pesquisar este blog

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

dezembro 31, 2018

Os Dez Anos De Batman, O Cavaleiro Das Trevas



Inomináveis Saudações a todos vós, leitores virtuais!

Batman, O Cavaleiro Das Trevas, de Christopher Nolan, completou dez anos em 2018. Com um pouco de atraso e aproveitando as poucas horas que faltam para findar o corrente ano, escrevo este Artigo para, mais do que comemorar, exercer uma visão crítica da atualidade desta produção no mundo como um todo. Este é um filme que eu considero como um Clássico Cinematográfico que ultrapassou as linhas de suas origens diretamente inspiradas nos Quadrinhos. Se você, Ser Do Mundo, torce o nariz para “filmes que adaptam personagens e histórias em quadrinhos”, tratando este Gênero (Subgênero para alguns) Cinematográfico como perda de tempo, é melhor passar bem longe da leitura deste Artigo. Neste, está presente a visão de um Fã, um amante da película e não a de um crítico profissional acostumado a escrever sobre tudo que o agrada ou desagrada e aos outros. Como sempre irei afirmar, eu não escrevo para agradar ou desagradar a ninguém, nem a mim mesmo. O filme, também, não agrada ou desagrada a muitos exatamente porque alguns espectadores ainda possuem um distanciamento deste tipo de filme. Porém, na minha opinião, este segundo filme da Trilogia Batman do Nolanverse quebrou diversas barreiras se tornando, ao mesmo tempo, um filme cult, um Tratado Filosófico, um Trabalho Sociológico, um Estudo Político, um Estudo Psicanalítico, um Estudo da Contemporaneidade e uma ode à mais primordial premissa do Cinema Clássico: contar uma boa história que cative, envolva, transporte para dentro da mesma e permaneça n'alma de quem a assiste diversas vezes.

domingo, 30 de dezembro de 2018

dezembro 30, 2018

Parábola - Homenagem a Stan Lee (Parte V)


"Galactus é poderoso, mas apenas os covardes ou bajuladores veneram o poder. O que há de divino em mostrar força? O que há de sagrado na brutalidade?"

"Parábola" não é nenhuma obra-prima, mas se tornou cult por várias razões, então fazer uma análise dessa HQ me pareceu uma boa forma de fechar a homenagem ao falecido Stan Lee. Muitos anos antes de surgir o selo MAX, a Marvel tinha o selo "Epic", de onde saíram muitas publicações diferenciadas que fugiam do padrão da editora. Daí vinham histórias de terror, histórias medievais como "Conan" e "Marada" entre outras coisas diferenciadas, como o surrealista "Elektra Assassina".

Pela capa já dá pra ver como é diferente

Foi nesse selo que escolheram publicar a união entre Stan Lee e o quadrinista francês Moebius. Os dois haviam se encontrado e trocado uma ideia, então surgiu a ideia editorial dos dois produzirem algo juntos. Curiosamente, apesar do Surfista Prateado ser um dos personagens que Lee mais gosta, tendo até ciúmes que outros autores trabalhassem com ele quando era mais novo, quem escolheu fazer a história com esse personagem foi o desenhista! O personagem surgiu nas clássicas páginas do Quarteto Fantástico e depois passou a participar frequentemente do Universo Marvel, onde muitas de suas histórias solo contavam com um tom mais crítico e filosófico.


"Fé sem julgamento apenas degrada o espírito. Eu pensei em abandonar a raça humana, deixar o mundo aos seus loucos anseios. Mas talvez o louco seja eu... por ter ficado aqui."

O Stan então faz um roteiro aberto, entregando seis páginas com a história para o Moebius desenhar conforme achar melhor, depois Lee preenchendo os quadros, balões e onomatopeias. Na história que foge do cânone da Marvel, o alien Galactus retornou à Terra, mas apresenta um discurso diferente do que estamos acostumados. Ao invés de chegar falando que tá com larica e vai comer o mundo todo, ele diz que sob seu poder estão todos libertos de qualquer doutrina moral e podem fazer o que quiser para realizar seus desejos.


Por mais que a homenagem seja pro Stan, quem rouba o show é o desenhista europeu. O Galactus, vilão da história, já é um dos personagens mais cativantes visualmente da cultura pop (tanto que é difícil explicar porque até hoje ele nem foi decentemente adaptado no cinema ou nos videogames, com a grandiosidade que apresenta nos quadrinhos). Criação inspiradíssima de Jack Kirby, o personagem já foi ilustrado mil vezes por caras como John Byrne, mas a versão de Moebius consegue se destacar. Apesar do artista ter admitido que foi um dos trabalhos mais difíceis que já fez, por ser fora de sua área, vendo o resultado não sobra dúvida que ele saiu por cima.

A delicadeza do cara fazendo um personagem tão truculento e destrutivo traz um diferencial.

No ambiente caótico que se estabelece, Stan mostra pessoas inseguras que precisam se fortalecer depositando sua fé em algum tipo de mito religioso. Aí ele claramente critica as instituições religiosas e o fanatismo de seus seguidores. Sendo uma história pequena, que você pode terminar tranquilamente em menos de uma hora, tudo acontece de forma truculenta, com os caras indo direto ao ponto. Há um sacerdote maluco que quer se aproveitar da presença do Galactus pra dizer que pode transmitir a mensagem do gigante pras pessoas, então elas devem segui-lo. Sendo televisionado, ele lembra pastores evangélicos.

"Minha igreja já alcançou milhões por meio da tevê... mas o público é instável e eu fui perdendo adeptos. Galactus mudará isso!"


Uma das coisas que eu mais gosto é a forma que o surfista é introduzido na história, realmente aparenta ser um pária existencial. Ele serve como uma referência de sensatez entre as pessoas fanáticas e violentas e o Galactus com sua nova proposta para atacar a Terra. Apesar do desenvolvimento do enredo não ser muito exemplar, Stan mostra porque entrou na festa caprichando nos seus diálogos. O cara deixa claro que se sente fortemente incomodado com a forma que as pessoas usam a religião, tendo sido um ateu assumido desde jovem, provavelmente isso só não sendo um fato muito conhecido pelo teor mais juvenil das histórias em que trabalhava, e é claro, o fato dos enredos terem sido sempre muito mais desenvolvidos pelos desenhistas do que por ele.

"-Mas Galactus é um deus... deve ser obedecido.
-Obedecer? Obedecer quando crianças destroem suas escolas? Obedecer preceitos que jogam irmão contra irmão e... aprisionam os desamparados?"


Do jeito que já estamos acostumados, o Surfista está sempre refletindo, seja em monólogos, ou diálogos em que tenta encontrar esperança pela humanidade enquanto encara a loucura e o fanatismo. Quando tudo se resolve, o protagonista tem uma última chance de falar com as pessoas rendendo em uma das cenas mais interessantes da história, tanto que a sequência abaixo sempre começa a rolar pela Internet em épocas de eleição.


"Parábola" é bonito e questionador, não sendo difícil entender porque ela se tornou tão cultuada. Eu falei logo no início do texto que não é nenhuma obra-prima porque qualquer história com Thanos e o Adam Warlock eu acho que já é mais competente em refletir sobre esses mesmos temas, ou até algumas dos X-Men, mas não significa que ela seja ruim. Foi republicado há pouco tempo e pode ser encontrado facilmente por um preço acessível; na minha cidade tem até nas bancas e livrarias.

"-E por que você mente, fazendo-os pensar que é um deus?
-Deus não é poder? Deus não é força? Eu nunca vi uma divindade. Quem pode me garantir que eu não seja um deus?
-Uma verdadeira divindade é amor, graça e conhecimento supremo. Ainda assim, com todo o seu poder, você desconhece o sentido da vida."


Além de fazer um crossover criativo único entre dois gigantes da nona arte, conhecemos um lado raramente revelado do Stan, quase sempre o tiozão comédia e simpático, de repente contando uma história com pouquíssimas sequências de ação, mas bem melancólica do início até o fim, se mostrando pessimista quanto ao destino da humanidade, mas levantando a razão e lucidez como caminhos de esperança. O que me faz ter mais carinho por ela para coloca-la aqui é a forma sincera e despretensiosa que trata de temas sérios e interessantes. Meio que resume o que me faz gostar dessas HQs. Os gibis do Frank Miller com certeza não são um tratado sobre corrupção, os do Kirby sobre a tecnologia da Guerra Fria, os do X-Men sobre preconceito, ou Parábola sobre religião e hipocrisia. Mas eles são divertimentos que enquanto nos fazem viajar, nos dão viagens interessantes de grande qualidade. Viagens das quais provavelmente voltamos mais curiosos, inquietos, mais preenchidos, mais ricos, ou quem sabe felizes e curados.

E eu acredito que o Stan sabia disso.

"De tempos em tempos, recebemos cartas de leitores que nos perguntam por que nossas revistas têm que ser tão moralizantes? Eles sempre dizem que os quadrinhos deveriam ser diversão escapista, e nada além disso.

De alguma forma, eu não consigo ver as coisas desse jeito. Para mim, uma história sem mensagem, mesmo que subliminar, é como um homem sem alma. De fato, até a literatura mais escapista de todas, os contos de fadas e lendas heroicas, tinham um ponto de vista moral e filosófico.


Em todos os campi de universidade onde vou discursar, sempre há tanta discussão sobre guerra e paz, sobre direitos civis, sobre a chamada rebelião jovem, quanto há nas nossas revistas. Nenhum de nós vive em um vácuo. Nenhum de nós não é tocado pelos eventos do dia a dia. Estes eventos moldam as nossas histórias e a nós mesmos.


É claro que nossas histórias podem ser escapistas, mas só porque algo é divertido, não significa que precisamos desligar o cérebro enquanto lemos." Stan Lee, 1968



Tchau, Stan! Obrigado por tudo! Obrigado mesmo!

Esse foi o especial do Stan Lee. Fico mexido de ter compartilhado a mesma época dele, apesar de ter perdido por pouco a do Kirby. Foi emocionante em alguns momentos. Aqui somos meros fãs, estendendo o divertimento que temos com essas coisas as discutindo aqui de forma mais sofisticada e organizada do que conseguimos por meio de conversas, torcendo para que vocês gostem e tudo tenha valido a pena. Falamos de várias coisas, no caso da Era de Ouro da Marvel, deixo aqui os links das homenagens que já fizemos.

Homenagem ao Jack Kirby (análise das principais fases do Quarteto Fantástico, que iniciou o Universo Marvel):


Homenagens a Steve Ditko:

Steve Ditko - o verdadeiro criador do Homem-Aranha - morreu aos 90 anos: https://ozymandiasrealista.blogspot.com/2018/07/steve-ditko-o-verdadeiro-criador-do.html

Homenagem ao Stan Lee:

PARTE 4 (Incrível, Fantástico, Inacreditável Stan Lee!!!): https://ozymandiasrealista.blogspot.com/2018/12/incrivel-fantastico-inacreditavel-stan.html

Agora sim, true believers...


sábado, 29 de dezembro de 2018

dezembro 29, 2018

Vingadores e a teoria das cordas


     
Em mais de uma década a Marvel Studios se estabeleceu no marcado como a uma produtora de grandes filmes de ação e aventura sobre super heróis. Seus filmes, somados, constituem a saga mais lucrativa da história do cinema. Seu universo interligado faz com que sua marca seja única ao mesmo tempo em que inspira os estúdios  rivais. 
     Ano que vem a empresa vai lançar o maior filme de sua história, a culminação épica de 10 anos de histórias e sequência do sucesso colossal que foi Guerra Infinita, a essa altura do campeonato você já deve saber que estou falando de Vingadores Ultimato, filme que deve encerrar diversos arcos e promete emocionar os fãs. Mas o que parece ser apenas um (muito) aguardado filme de ação baseado em quadrinhos pode ser na verdade um dos maiores filmes de ficção científica de todos os tempos, eu explico. 
     Não se sabe ao certo o que ira acontecer no filme mas sabemos que para reverter a situação do último filme os vingadores provavelmente  devem viajar no tempo ou algo similar e o universo quântico deverá ter uma grande importância nisso. 
   
     Então basicamente eles devem entrar em um universo menor do que o átomo que teoricamente os fará acessar outra dimensão que manipula o tempo e/ou espaço(algo brevemente mostrado no incrível Interestellar). 
Agora vamos trazer essas informações para a vida real, isso é praticamente um desdobramento da Teoria das Cordas. 
      A Teoria das Cordas é uma teoria que afirma que basicamente o universo pode ter entre 10 a 11 dimensões, ao contrário das 4 que conhecemos e que essas dimensões não podem ser vistas por nós por serem muito pequenas e complexas
     Ok, você deve estar se perguntando o que isso tem haver com o filme, não é mesmo? 
Acontece que a teoria das cordas diz que supostamente a quarta dimensão (sub atômica)  é um lugar que engloba todo o tempo . E o que é o reino quântico se não uma dimensão sub atômica  onde provavelmente é capaz de controlar o tempo?  E é aí que entra a genialidade oculta, Vingadores Ultimato pode nos mostrar a viagem no tempo de forma mais realista já feita e nos apresentar quase sem querer (e de forma fantasiosa,e superficial  mas ainda sim nos apresentar)  uma das teóricas quânticas mais interessantes da atualidade.
Imaginem se um dia a DC conseguir adaptar a crise nas infinitas terras de forma digna? Ora, o multi verso  já é praticamente a sexta dimensão da Teoria das Cordas, seria um marco pra história cinematográfica. 
Bom enquanto isso vamos esperar para ver se Vingadores vai nos brindar com uma viagem no tempo hiper realista, o que vocês acham?
     
PS: Se eu tiver cometido algum equivoco cientifico ou algo do tipo já que é um tema complexo, fiquem a vontade para corrigir, até mais.
dezembro 29, 2018

INCRÍVEL, FANTÁSTICO, INACREDITÁVEL STAN LEE!!! - Homenagem a Stan Lee (Parte IV)


"Nem posso dizer como é ótimo ver todos vocês. Passei décadas da minha vida tentando entretê-los e diverti-los. E agora vou me esforçar para contar como tudo aconteceu, com umas divagações ao longo do caminho."

Estamos na quarta e penúltima parte da nossa homenagem ao Stan Lee, após a morte do grande cocriador da Marvel! Farei aqui breves comentários sobre a biografia em quadrinhos do cara, que ficou bem popular quando publicada há uns anos atrás. Tem 192 páginas que podem ser lidas rapidamente, havendo muitas splash pages, com uma narração bem direta, sem muito texto. O próprio Lee se referiu a ela como uma autobiografia, mas os créditos de produção são da Collen Doran, que foi desenhista, e o famoso Peter David com o roteiro.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

dezembro 28, 2018

Sequências que eu queria ver, mas cagaram


Para minha infelicidade, notei que dá até para fazer uma lista sobre o tema. O excesso de entretenimento facilmente disponível hoje em dia é tão explícito, que se eu fosse menos ocupado, um post só sobre isso seria inevitável. Veja bem, TODOS os filmes da Disney têm recebido sequências, ou prequels ou remakes, mesmo sendo ideias que eu jamais daria a mínima! Tipo: você não gostaria de saber a origem da Dory, do Procurando Nemo?


R: Não -_-

Você não gostaria de ver como era o Sully e o Mike, do Monstros S.A., na faculdade?


R: Não -_-

Você já pensou como seria um retorno da Mary Poppins?


R: Não -_-

Você não acharia legal ver a história do Hobbit estendida em uma trilogia de 9 HORAS com coisas que você já sabe e coisas que você não liga adicionais?

Se com coisas que eu não ligo quis dizer romance entre uma elfa e um anão com direito a ela punhetando ele? Bem...

R: Não -_-

O exemplo supremo eu acredito que seja "Animais Fantásticos e Onde Habitam", prequel do Harry Potter com nome de programa do Animal Planet, que chega no final do primeiro filme, o vilão se revela um personagem QUE NINGUÉM VIU, mas causa impacto unicamente por você perceber que é o Johnny Depp, um ator famoso.

Lembram de mim? Não, não do Johnny Depp, quis dizer do Grindewald. Ah é, vocês nunca viram o Grindewald...

Aí eu vejo uns filmes que eu ia quase chorar se visse o trailer na Internet e... Vai ter? Não, ninguém tá nem pensando nisso, zero chances. Como você vai notar, deu até pra fazer um top:


10.Half-Life

Esse é videogame, mas não podia deixar de entrar, visto que até virou meme; abre a lista. Até onde eu sei, é má vontade dos próprios produtores mesmo.


9.Crash Bandicoot

Esse aí tá perdido em um limbo de direitos autorais, acho que tem até um documentário sobre isso. Uma pena. Eu gostaria que sequenciassem no estilo que tinha parado no Twin Sanity (acima), um jogo excelente, que tenho a impressão que poucas pessoas jogaram. Os últimos que saíram eram bem abaixo. Agora tem uma coletânea em HD, mas acho o cúmulo da falta de criatividade todo mundo ficar babando em cima de jogos de 15 anos atrás remasterizados...


8.Kick-Ass

O Kick-Ass 1 eu curti, mas me cansou um pouco mais pro final. Já o 2 é um dos filmes que eu mais casquei na minha vida! Por que não vai ter sequência? Por que já fecharam tudo? Não! Porque por mais que tenha sido um sucesso entre os fãs, os punheteiros tudo baixaram por torrent e não deram bilheteria! Grrr... Ou seja, o estúdio não se sentiu convencido que valia a pena investir em uma sequência, diferente do que aconteceu com Venom, Deadpool, Aquaman...

(Bem, eu fiz minha parte, vi no cinema e ainda consegui arrastar três amigos junto, um feito raríssimo entre pessoas que estão sempre arranjando desculpas pra não sair u.u).


7.Tron

Esse foi uma ótima experiência ver no cinema, tanto que vi 2x. Não é, "aaaaaaaaah, genial", mas tem personagens carismáticos, toda essa estética do filme em IMAX tinha ficado IRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAADAAAAAAAAAA DEMAAAAAAAAAAIS, e ainda tinha a trilha sonora de música eletrônica feita inteirinha pelo Daft Punk. Quero dizer, é como o último Mad Max, um filme que se identifica (e muito bem!) pela sua imagens e as músicas, fica 100% imersivo! Eu me interessaria por uma nova sequência, mas acredito que o problema também seja não ter alcançado boas bilheterias como Aquaman, Venom e Deadpool... A única sequência que eu lembre de ter era uma animação no canal Disney XD... Mas eu nunca vi (e nunca verei).


6.Dredd 3D

Acredito que esse seja o que mais vai causar estranhamento entre quem lê. Esse filme NINGUÉM falou sobre! E é um dos filmes mais fodões que eu já vi. É extremamente bem feito, o protagonista corrigiu os problemas que muitos apontavam no filme antigo do Stallone, a vilã (acima) era muito foda, a coadjuvante era gatinha, era tudo legal. Lembro que quando eu fui ver não consegui convencer ninguééééém a ir comigo, aí não queria ficar em casa no final de semana de noite nem ferrando, fui ver sozinho mesmo. Surpresa grata! Eu curti pra caramba! Recomendei pra todo mundo que é puxa saco do Tarantino dizendo que iam adorar esse filme, porque tem um monte de violência explícita e nojenta. Olha, lembro de zero pessoas que chegaram pra mim e disseram que viram o Dredd que eu recomendei. A razão de não ter sequência é a mesma do Kick-Ass: não deu muita bilheteria (diferente de Deadpool, Venom, Aquaman...).


5.Bioshock

Esse é série de jogo também. Parece que o estúdio que fechou, ou seja, chances de sair sequência eu acredito que seja zero, deve haver um monte de dificuldade com direitos autorais pra usar o nome do bagulho e tal.


4.O Incrível Hulk
'
"Hulk não faz piada idiota! Hulk esmaga!"
Homem Formiga, agente Coulson, Jessica Jones, Luke Cage, Punhos de Aço, Inumanos, Viúva Negra, Gavião Arqueiro, Soldado Invernal, Máquina de Guerra, Guardiões da Galáxia. EU TÔ POUCO ME FODENDO PRA ESSES PERSONAGENS, CARA!!! EU GOSTO DO HULK!!! O Hulk é legal! Como pode ter franquia do Homem-Formiga e não tem do Hulk? É muita sacanagem, cara. Sério, eu pegava todos, todos esses personagens que eu citei, juntava numa coisa só e trocava, sei lá, pelo Surfista Prateado, eu realmente não ligo pra eles. Agora o Hulk que é um dos mais legais faz o quê? Aparece no trailer, mas no filme não. Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr...

We have Bruce Banner being stupidfunny! Take a look!

3.Superman: O Homem de Aço

O Homem de Aço foi um dos meus filmes favoritos de herói. Um monte de gente achou uma desgraça, eu achei muito legal mesmo, fiquei felicíssimo com o resultado. Os problemas e furos eram coisas que podiam ser resolvidas tranquilamente em filmes futuros. Uma pena que a Warner se apressou com a vontade de fazer um universo integrado com os heróis da DC pra medir pau com a Marvel e saiu tudo um belo de um lixo. Agora é quase impossível que sequenciem esse primeiro do Super, mas eu gostaria muito de ter visto... Ia adorar ver como sairiam as versões de Brainiac, Bizarro, Darkseid e afins nesse mundo. Bem, vai ficar sendo um sonho.

"Se a história provou uma coisa, é que a evolução sempre vence." Faora


2.Demolidor

Esse é muito recente, não lidei bem ainda. Mas eu totalmente trocaria o Vingadores 4 por uma quarta temporada do Demolidor, sem pensar duas vezes, o negócio tava muito, muito irado. Só não escrevi um post ferradaço sobre a terceira temporada por falta de tempo. Resumindo: melhor adaptação de um "super-herói" que vi desde o Batman do Christopher Nolan. Competente e recompensador do tempo que você passa assistindo.


1.Hellboy

Esse já faz um tempo que a gente sabe, mas po, fazer reboot com toda a equipe coçando pra fazer um encerramento de trilogia? Vai tomar no #$¨%¨%#@!!!! Eu já escrevi tanto sobre querer que houvesse um Hellboy 3, cara, tanto... Que pra você mensurar minha tristeza (se quiser) vou deixar aqui o post que eu fiz quando fiquei sabendo que o público da Comic-Con tinha ficado pedindo por uma terceira parte


(Em sequência de eu ter escrito isso, meu irmão meio contagiado por eu estar, literalmente, quase chorando de alegria baixou os dois filmes e nós logo vimos de novo. Aumentou mais ainda a vontade de ver a sequência, imaginando o que iria rolar). E aqui quando eu descobri que não havia retorno, o filme realmente não ia rolar:



Menção honrosa

Batman do Nolan
Quando você é uma heroína feminina foda e bem feita sem ser super erotizada em um filme onde os personagens homens não são uma piada, ninguém te dá atenção :/

Eu realmente não gostaria de uma sequência dos filmes do Batman. Aquele ficou perfeito, maravilhoso, eu não queria que estendessem não. Mas lembro perfeitamente que na época, quando eu acompanhava tudo que falavam sobre o filme, o Christopher Nolan comentou que aquela versão da Selina Kyle/Mulher-Gato merecia ganhar um filme próprio, mas ele não iria fazer porque estava se despedindo de Gotham City definitivamente. Aí eu vi a própria atriz dizendo que amaria fazer um filme só da personagem, mas também só aceitaria se fosse dirigido pelo Christopher Nolan. Já se passaram 6 anos, pelo visto o papo não foi pra frente. Do jeito que todo o universo do Batman foi rebootado nos cinemas (o Coringa então, já foi duas vezes), é muitíssimo improvável que eles fossem lançar algo que voltasse ao universo do Nolan. SE BEM QUE, sendo rentável (e eu acho que seria, em tempos de Venom...) quem sabe eles topassem. Mas mesmo assim, o Nolan tem feito umas coisas bem distantes, infelizmente, acho que não vai rolar.

<3 Filmão injustiçadão da porra

Por isso que deixei com menção honrosa, já que não é bem uma sequência abortada, mais uma ideia interessantíssima, mas que não foi pra frente. A Mulher-Gato além de um grande ícone cultural e uma personagem cativante tem muita história boa que podia ser adaptada! É que as pessoas não conhecem, mas seria uma boa ideia fazer um filme digno depois daquela droga com a Halle Berry (que até a própria Berry já tirou sarro de tão ruim). Ai, ai... Espero que tenham gostado da lista, apesar de ser um tema triste. Olha o lado bom, décadas depois... ano que vem vai sair continuação do Exterminador do Futuro 2 com a Sarah Connor e o Exterminador original, hehe ;) Quem diria? Torcer pra ser bom.

Quando você é uma heroína feminina foda e bem feita sem ser super erotizada em um filme onde os personagens homens não são uma piada, ninguém te dá atenção desde 1984, cara :/

Ah, mas quem estou tentando enganar? Isso ainda não é Hellboy 3... Sniff...

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

dezembro 25, 2018

COLEÇÃO ALAN MOORE - ROUND 2


Nós já temos um especial do Alan Moore, mas ele é de quatro anos atrás! Como o mestre declarou  que esse ano será lançada sua última HQ, o último volume da Liga Extraordinária, resolvemos fazer esse post como parte de um tipo de contagem regressiva. No anterior foram analisadas brevemente todas as principais histórias do cara, como "V de Vingança", "Watchmen" e "Miracleman", e também outras mais desconhecidas, como "Fashion Beast" e "Top Ten". Nesse focaremos em histórias secundárias de personagens da DC que só podem ser encontradas em uma coletânea muito difícil de encontrar, "Grandes Clássicos DC: Alan Moore". Apesar de simples, há histórias realmente MUITO boas, então elas merecem ser lembradas e deve ser interessante pra quem nunca viu poder conhecer.

domingo, 23 de dezembro de 2018

dezembro 23, 2018

JÁ IMAGINOU SE O NOVO HELLBOY FOSSE NO MESMO UNIVERSO QUE O JOHN WICK?

"Abri as portas do inferno e agora TODAS piadas do ZORRA TOTAL estão livres!"


S
ério, esse pensamento foi a única coisa que vi de interessante nesse trailer, justamente pelo hotel que o Hellboy entra lembrar muito o da recente “franquia” do Wick, com direito até a ter o mesmo ator lá, que basicamente em todo filme (ou série) que aparece, só faz o papel do “cara que parece o mais fodão de todos e não faz nada demais.”
 
"Deuses são reais..."

Ai fiquei refletindo ao som do Rammstein sobre o que o Douglas Joker quis dizer... Bem... Ele nem foi muito subliminar, foi bem direto nas suas críticas, visto que deixar de fechar uma trilogia para mandar um remake, foi realmente um chute no saco com o especial carregado de todos os fãs de longa data. E o obvio (e Venom, em partes na prática, quando o vi no cinema, após muitas expectativas) me atingiu, como se eu fosse o último da fila a perceber: apesar de ser “+18 malzão, sangue, palavrões, uhuuu”, o trailer é bem mais infantil e metido a engraçadinho que os dois anteriores. Veja bem, nem gosto muito do Del Toro, mas algo inegável em “Hellboy 2 -  E o Exército Dourado” era no quanto todo aquele universo era fascinante e sinistro. Por mais que fosse mais engraçadinho, haviam partes que até hoje me marcaram, como a motivação do vilão, e principalmente a cena em que Hellboy tem de assassinar –na falta de nome melhor— aquela planta gigante, a última da sua espécie, para em seguida ser agredido pelas “pessoas” salvas, no melhor “estilo X-Men”. Sem mencionar o Ron Perman, que poderia ser o próprio até sem maquiagem, e ao contrário da maioria desses atores que fazem filmes hoje em dia onde não se conformam em ficar sem mostrar a cara, a exemplo da Mística, Fera, Homem de Ferro, Hulk... Só agora me veio essa ausência. As fotos de divulgação até empolgavam, mas quando chegamos num trailer, em que a “mão direita só serve pra quebrar elevadores como forma de humor”:

Chegamos em um ponto no qual até um fã monta algo mais digno:


Sobre minha “teoria furada” que dá título ao post, já imaginou? Se hoje em dia todos querem um serviço streaming e um universo compartilhado “para chamar de seu”... Não vejo nada muito longe.


sábado, 22 de dezembro de 2018

dezembro 22, 2018

AQUAMAN – TRILHA SONORA



A
proveitando o “embalo” da “resenha do filme” que pode ser conferida AQUI, resolvi postar a trilha para download, tendo a opção do mediafire, ou Torrent. Os arquivos estão em “FLAC” em vez de “MP3”, geralmente converto, mas o tempo urge. Se alguém tiver dificuldades em converter, posso postar ensinando o “truque”. Sobre os sons, é tanta informação visual no longa, que vou tentar escutá-la com mais calma, em isolado. 

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

dezembro 21, 2018

Review: Academia Gotham (Renascimento)


Análise da segunda temporada de Academia Gotham #1-12, lançados entre novembro de 2016 e outubro de 2017.



Leia o comentário do Planeta sobre Academia Gotham: Segundo Semestre Vol.1, formato americano, 132 páginas, lombada quadrada, capa cartão, R$ 24,90, lançado em junho de 2017 pela Editora Panini.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

dezembro 20, 2018

AQUAMAN - REVIEW



“Eu sei que eu não sou digno de ser rei. Mas é isso, ou algo bem pior.”

A
quaman talvez seja um dos filmes que menos tem vergonha de ser um filme de super-heróis que se verá no cinema, ou melhor dizendo, um dos mais imersivos em se tratando de mitologias e mundo fantásticos, uma espécie de “Fúria de Titãs” feito da maneira correta, em termos mais diretos. Após longa espera, incerteza, e divisões entre o público sob qual a “visão” (é preciso haver apenas uma?!) que o universo DC deve seguir nos cinemas, seja a realista e cinzenta de Zack Snyder, ou a radiante e esperançosa de Patty Jenkins, “Aquaman” bate o martelo na segunda opção, trazendo um longa que faz “Guardiões da Galáxia” ser um filme “sombrio” perto dele.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

dezembro 19, 2018

4 programas de bonecos que a nova geração desconhece


Nota do Ozy: Esse post foi resgatado dos rascunhos. É do ex-colaborador Ricardo Cerqueira, que hoje em dia escreve apenas pelo seu blog "Projeto Tokusatsu", que pode ser acessado aqui:
https://projetotokusatsu.blogspot.com/
Antigamente ele escrevia também pelo "Nerd e Cult", que se encontra parado:
https://www.nerdcult.com.br/
Com a autorização dele, resolvi publicar essa "última carta virada para baixo" que ele deixou. E também, porque os rascunhos tão lotados.