smc

Pesquisar este blog

domingo, 30 de julho de 2017

10 DICAS PARA USAR O CHESS BASE 12!

"Maldito sacrifício de Torre do Aronian..."

O post para download, além de um tutorial sobre como instalar o CHESS BASE 12 é sempre acessado no blog, e pode ser visto AQUI. Mas algumas pessoas me perguntaram como usar esse programa, seja por ele estar em inglês, aparentar um menu confuso ou mesmo o usuário não saber para quê ele o serve. E isso é normal, nem todo mundo tem obrigação de ser expert em informática, muito menos ela combinada com xadrez. Portanto resolvi listar 10 dicas para facilitar o manuseio objetivo de quem pretende treinar com essa ferramenta:

 
Expressão do nosso amigo Garry ao ler nosso post...

10 – A DATA BASE



Vamos lá. O CB é essencialmente um programa para analisar partidas, é o equivalente virtual a um técnico de xadrez. Ao contrário de muitos softwares, ele não é para “jogar contra a máquina”. O arquivo que ele lê, entre vários, e que falaremos aqui, é o PGN ( portable games notation ). Digamos, que seja um (entre milhões) entusiastas do Bobby Fischer, e queira ver as partidas dele, ou mesmo do Magnus Carlsen. Ao invés de ter que caçar na desordem cronológica uma a uma, todas (no caso de jogadores na ativa, sendo atualizadas com o tempo, obviamente), já pode encontrar tudo em um único arquivo compacto, com o tamanho irrisório de 1 MB ou menos. Essa será a “base” para o programa trabalhar. Vai depender da sua preferência, pode-se pegar torneios completos, jogadores, ou baixar uma mega data base, que é um pacote instalável com 5 milhões de partidas.




09 - COMO EDITAR?



Ok. Aberto o pgn (e no post, usaremos o do Fischer), eu quero editar, eis algumas opções:

Insert: Uma ferramenta para os mais analíticos. Serve para suas anotações a respeito dos lances, com direito a exclamações, interrogações, comentários de texto e variantes. Para os que não estão familiarizados com esses símbolos, um pequeno glossário:




Board: editar a cores do tabuleiro, as opções de peças em 2D (ou mesmo o risível 3d), se ele terá coordenadas, som de peças, e o fundo. No canto esquerdo, o “flip board” é para virar o tabuleiro, ou seja, inverter as cores e perspectiva da posição. Enquanto “DGT Board” é algo que poucos usarão, já que é o uso conectado ao caro “tabuleiro DGT”, usado em eventos de elite. Na qual as peças possuem chips, e o tabuleiro sensores, fazendo todo movimento já aparecer no diagrama na tela de computadores.



View: Escolher se quer as notações, fotos dos jogadores, pesquisa de referência (a discutir no tópico 04), o layout que deseja, sendo full screen ou mesmo mudança das imagens para direita, esquerda ou diagonais.



08 – ALGUNS COMANDOS DE TECLADO:



FULL SCREEN (Tela cheia): Ctrl + Alt + F

SETAS AMARELAS E MARCAR CASAS IDEM: Ctrl + Alt + botão direito do mouse.

SETAS VERDES E MARCAR CASAS IDEM: Alt + botão direito do mouse.

SETAS VERMELHAS E MARCAR CASAS IDEM: Alt + Shift + botão direito do mouse.

PASSAR PARA PRÓXIMA PARTIDA: F11

PASSAR PARA PARTIDA ANTERIOR: Ctrl + F11

ATIVAR ANÁLISE DO COMPUTADOR: Alt + F2


07 – FERRAMENTA DE ANÁLISE DA “ENGINE”



Engine é por tradução “motor”. Basicamente uma força de calculo com rating de 2500 / 3000 ou até mais que pode lhe auxiliar em posições complexas. Vale dizer que acaba sendo o calcanhar de Aquiles de muitos jogadores (infelizmente ás vezes de GMs, vale mencionar), já que muitos ao invés de recorrer antes á própria analise humana, para depois comparar com a “impossível” da máquina, acabam se tornando reféns dela e não aprimorando a maior qualidade cabível aos enxadristas: ter um bom processo de tomada de decisões. Existem algumas “marcas” desses motores, algumas pagas, outras grátis. Podem ser baixadas e emuladas nesse programa, ou pode-se usar as do próprio programa.

06 – LIVRO DE ABERTURAS (OPENINGS BOOK)



Existem milhares de aberturas, e destas surgem ainda mais subvariantes levando nomes de seus “descobridores”. Para enumerar todo esse caos, décadas atrás foram impressas enciclopédias catalogando de em letras (A á E) e números ( 0 á 99), a isso chamamos “ECO CODE”. Boa parte dos jogadores intermediários / avançados para “aprenderem” novas linhas, usam o “openings book”, que nada mais é do que um medidor de estatísticas do que é mais jogado na atualidade nas aberturas, bem como uma porcentagem de vantagem para as brancas, pretas ou igualdade. É um recurso bastante técnico, mas útil visto com paciência. Vale dizer que sites para jogar xadrez online como o LICHESS e o CHESS.COM também tem esse recurso.


05 – PESQUISA TEMÁTICA



Aqui, é possível filtrar a pesquisa, achando as partidas pela ECO, posição, ano, torneio, adversário, rating e mais uma infinidade. É ideal por exemplo, para se aprofundar em uma abertura específica.

04 – APRENDIZADO COMPARADO


Similar ao “Livro de Aberturas”, porém contemplando também o meio-jogo e o final. O termo “aprendizado comparado” eu conheci no livro “Como Jogar Xadrez Bem (Leonard Barden - 1980)”. É o método de pegar posições e comparar com partidas de GMs, vendo como eles transcorreram naquela posição. Esse era um dos modos de treinamento da esmagadora escola soviética no passado, porém hoje comum, ao ponto de se encontrar facilmente em livros partidas. Pode ser acessado clicando no ícone da lâmpada, note na imagem:

Pode se especificar na pesquisa, se deseja que o resultado só apareça dos mesmos jogadores que estão sendo estudados (same players), estruturas similares (similar structures), e o melhor: Finais! (similar end games).

A lâmpada mágica mencionada


Em view, é possível ativar a opção “referenc seach”, sendo feita uma amostra de partidas recentes entre mestres nas idênticas posições. Mas lembre-se: só recentes!

Carregando posições pela DATA BASE

Alguns leques de possibilidades depois.

A opção "reference seach"



03 – PGN COMENTADO PODE AJUDAR



“Tudo muito bom, Ozymandias, mas só passando as partidas eu não aprendo muito!”, ok, que tal partidas comentadas? Se quer entrar de cabeça no xadrez, deve aprender além da notação (algébrica ou descritiva), minimamente inglês e espanhol, visto que a quantidade de material em português chega a ser irrisória. Mas existem PGNs comentados com aulas em português, e os que tenho estão para download clicando nessa imagem:




02 – E COMO POSSO CRIAR MEUS PGNS?



Muito simples! Basta ir em “New Game” e traçar os lances de ambas as cores. Depois, basta clicar no disquete “salvar”, ou “salvar como”. E uma maneira prática de colocar os dados do PGN, tais como nome dos jogadores, rating, evento, etc, é “Ctrl + C” e “Ctrl + V” no bloco de notas, e dele fazer as modificações.

01 – GO TO FRITZ?



Ufa! Por ultimo, gostaria de jogar posições especificas contra o computador, treinar tática, visualização, memorização e trocentas outras coisas? Há o Fritz, que nada mais é do que um “Chess Base jogável”. Mas vale dizer que é outro programa que deve ter instalado na sua máquina, já que ele não vem junto do CB. Não tenho para download aqui, mas indico BAIXAR no blog parceiro “Xadrez Pirata”, clicando AQUI. Confesso que nunca usei muito o Fritz, mas no dia que o usar com mais frequência, faço um post ao estilo deste daqui dedicado a ele. Após algumas horas digitando e conferindo as coisas, espero que essas dicas possam lhe ajudar a fazer o básico! Deixem suas dúvidas, sugestões e xingamentos ai nos comentários...

E SE joga no Lichess, convido a entrar no time aqui do blog, já estamos quase com 200 membros:




Nenhum comentário:

Postar um comentário