segunda-feira, 1 de maio de 2017

“VIVER É MELHOR QUE SONHAR...


...E eu sei que o amor é uma coisa boa, mas também sei que qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa...”


Acredito que foi a primeira vez que eu realmente fiquei triste de verdade com a morte de um artista. Cheguei a ficar chateado quando o David Bowie morreu, mas aqui temos um novo nível. Descobri Belchior anos atrás, na adolescência, como a maioria deve ter conhecido, através da música “Eu sou apenas um rapaz”, o tipo de canção cuja identificação é quase inescapável, mas só vim notar mais o velho cantor quando escutei a canção “Como nossos pais” de um álbum lançado em 1976. Um amigo da internet havia recomendado esse som para uma coletânea que eu costumava fazer com o pessoal, o 20 Sons Imersivos vol. 3.



   Nós seres humanos temos esse cruel costume de reconhecimento póstumo, o que verdade seja dita, pouco contribui para o falecido. Por mais que falem em “legado”, deveríamos valorizar os vivos enquanto ainda são vivos. Pesquisando um pouco, é fácil ver que a carreira dele explodiu nos anos 70, mas já nos anos 90 era “quase esquecido”, enquanto Robertos Carlos da vida ainda são ovacionados com falsas e injustas realezas. Mas Belchior parecia entender isso, tanto que proferia em "como nossos pais": “mas é você que ama o passado e que não vê, que o novo sempre vem”, embora eu reforce que esse “novo” nunca vai me representar, porque a verdadeira arte, é atemporal, por mais que lhe falte devido reconhecido dadas as passagens de gerações e mídias, afinal... “Ainda somos os mesmos e vivemos, como os nossos pais.” Se houver um deus justo, ele há de ter pronto um Olimpo para o senhor, junto com Raul Seixas, Elis Regina,Cazuza (apesar das traquinagens), Cássia Eller e mais alguns poucos. Nosso grande artista, aparentemente partiu ontem, dia 30/04/17, aos 70 anos.



Força e honra.


Nenhum comentário:

Postar um comentário