smc

Pesquisar este blog

sábado, 25 de março de 2017

Os Outros - Uma série imperdível do Aquaman!


"Quantas vidas você já sacrificou por um bem maior?"
"Vingança não é um bem maior."

As histórias compiladas nesse encadernado saíram originalmente há um tempinho, no primeiro ano dos Novos 52, as edições #7-#13 de Aquaman. O encadernado também já saiu há uns meses. Como dá pra notar acima, a capa é bem bonita e chamativa, cheia de personagens, organizando toda a mitologia que a revista continha na época. Pode julgar pela capa. A história já começa instigante, mostrando o retorno do mais popular inimigo do Aquaman: o insensível assassino Arraia Negra. O vilão deixa claro que não é pra simpatizar com ele não.

"Depois que eu te matar, vou até Teerã e matarei sua família. Seu marido. Suas crianças, Vou destrinchá-los feito peixe. Como faço com todos." Arraia Negra esclarecendo que é do mal

O roteiro conta com bons diálogos e envolvimento entre os personagens ao mesmo tempo que a ação não é esquecida. Explicações são interrompidas por guerreiros surgindo de campos de força com panteras ferozes, até que finalmente Mera, a ruiva companheira do herói diz o que precisa ser dito: "Arthur! Que diabo está acontecendo?" É dessa perfeitamente bem encaixada pergunta que começa "Aquaman: Os Outros", uma fase que não deve vir a ser esquecida


Vamos apresentar logo a equipe criativa para poder elogiá-los. O texto é do Geoff Johns, sabemos que o cara é bom, mas não é perfeito. Ele criou versões inesquecíveis (talvez até as melhores) de Shazam! e Lanterna Verde, mas o seu Flash não é lá muito elogiado. A sua passagem pelo Aquaman é um atestado de plena competência. O seu parceiro é o orgulho dos nerds brasileiros, o desenhista Ivan Reis somado ao colorista Joe Prado. Juntos eles nos trouxeram "A Noite Mais Densa" dos lanternas verdes. Juntos nos trazem também esse instigante trabalho.


Reis nunca desaponta e dá um show unido ao Joe Prado. Há páginas que você realmente para pra ficar admirando, desde as capas que são muito boas até todas as cenas de ação em páginas duplas. Difícil esquecer o quadro que Aquaman e Arraia Negra se reencontram para a primeira luta. Eles passam uma experiência alucinante digna do surpreendente roteiro. Vamos falar do roteiro!

Quem são os outros...?


O Arraia Negra voltou deixando claro que quer tirar a vida do Aquaman da forma mais dolorosa que conseguir. Não só o rei de Atlantis, ele está caçando todos os "Outros". Quem são eles? Um antigo grupo de heróis de várias partes do mundo que o herói submarino fazia parte quando era mais jovem e nem existia Liga da Justiça ainda. Johns introduz o grupo por meio de flashbacks ao mesmo tempo que mostra o herói investigando quais são as intenções do perigoso Arraia Negra. Nas primeiras edições (que podem ser conferidas no primeiro encadernado, "As Profundezas") Johns de maneira muito inteligente tornava o herói que era debochado em tantos lugares (inclusive pelos roteiristas) em um protagonista respeitável de história de ação usando justamente as piadinhas que faziam com ele de contraste. Todo mundo amou. Me pergunto se fazer um grupo chamado "Aquaman e os Outros" também foi algum tipo de ironia intencional ou apenas coincidência. Conheça os Outros:

Senhoras e senhores: o nome dele é Ivan Reis.

Aquaman: meio humano e meio atlantis. Antes você ria dele, mas agora acha foda.
Kahina: guerreira oriental que pode ver o futuro quase sem controle.
Ya'Wara: guerreira indígena gostosa pra cacete que possui conexão com os animais. Fica subentendido que foi parceira amorosa de Arthur no passado.
Prisioneiro de Guerra: dramático pra caramba, tem poderes que envolvem os mortos.
Agente: especialista em infiltrações avançadas e hacks.
Vostok: tipo de super astronauta da Rússia.

Johns criou o grupo todo de uma vez e TODOS são muito interessantes. Os designs feitos junto ao Ivan Reis ficaram lindíssimos e cada um possui peculiaridades e conflitos próprios muito bem pensados. É divertido acompanhar todos em ação, não há porquê de economizar elogios; é incrível como os caras introduzem uma equipe inédita a essa altura do campeonato e é tão legal conhecê-los como conhecer os X-Men, os Novos Titãs ou até os Guardiões da Galáxia do cinema pela primeira vez. É pra tirar o chapéu ou não é? Se ainda não conferiu leia e veja se estou exagerando. O Prisioneiro de Guerra toda vez que eu via tinha uma puta vontade que colocassem esse personagem em qualquer videogame, mano, fosse um de luta, um de ação, são todos muito legais, é impressionante.


A Mera continua tendo presença bem equilibrada na trama, sendo tão fodona quanto o próprio Aquaman, não faria sentido compará-la com sidekicks como Batgirl e Supergirl. Com tantos aliados desconhecidos do passado e um de seus maiores inimigos de volta, Mera vai descobrindo muito sobre o passado de seu amado, com a forma que ela o vê correndo o risco de entrar em cheque. O dr. Shin, biólogo marinho que conheceu Aquaman e seu pai por longa data, também está de volta e é um ótimo personagem secundário. Você tem aí até mais peças do que o necessário para uma memorável história de super-herói. Mas é bom lembrar do Arraia Negra...

Peixinho é o de menos!

Capa da edição 12, penúltima do encadernado

Impossível uma história antagonizada por um cara que está tão obcecado em se vingar violentamente ser leve. Arraia é constantemente mostrado como um clássico vilão de HQ da DC, está viajando pelo mundo para inescrupulosamente concretizar seu plano de vingança e conquista de poder. Vale a pena repetir que, como todos os outros personagens, Reis e Prado fazem muitas páginas embasbacantes de efeito com o vilão. Arraia parece o tempo inteiro ameaça de algum filme de terror ou suspense, surgindo misteriosamente das sombras em puro mal representando alto perigo com todas as suas bugigangas que são ameaçadoras mesmo os heróis sendo a maioria fortíssimos. Eles não usam violência explícita em qualquer momento, mas o clima realmente tem nada a ver com aventuras envolvendo água-vivas e cavalos marinhos.


Johns conta tudo em umas três linhas narrativas diferentes e o faz perfeitamente. É como assistir um filme de ação na TV que te deixaria extremamente satisfeito. Há a aventura no presente e constantes paralelos com recordações do passado que te aproximam mais da intensidade dos embates (e dá pra ler de boa. Imagino que se fosse do Grant Morrison não entenderíamos nada). Apesar de toda essa trama aventuresca, não há um tom juvenil. Pelo contrário, a história possui temas bem pesados e mais nada. Os números anteriores continham temas sérios, mas também descontraíam, aqui não. Todos os personagens secundários possuem seus próprios dramas e a principal contra o Arraia Negra se trata de pura vingança.


O volume anterior também era bem legal, mas aqui tudo aumenta. Se estiver difícil a situação com a grana e tiver que escolher um só, é totalmente possível entender "Os Outros" sem ter lido "As Profundezas", cuja análise você pode conferir no link abaixo:

http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2016/07/aquaman-as-profundezas.html

Johns esquece de nada e seu texto é super bem amarrado, mas a aventura não termina aí. Admito que não gosto de encadernados sem final, mas esse é uma exceção. Não causa qualquer arrependimento, se quer se divertir pode comprar sem medo, é inclusive mais barato que esses da Salvat e Eaglemoss e podemos contar com o lançamento da sequência, que envolveu a Liga da Justiça, a série "Trono de Atlantis". É uma ótima aventura que eu garanto que causa emoções pesadas, se tratando de temas como confiança e vingança. Uma HQ de super-heróis exemplar e memorável.

"Arthur manteve um capítulo inteiro da vida dele escondido de todos. Até de você, Mera. Ele guardou segredos. Ele não é o homem que você acha que é."


Nenhum comentário:

Postar um comentário