smc

Pesquisar este blog

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Elektra Saga - uma das séries mais indispensáveis da Marvel!


"Ela é uma pessoa amarga e solitária, que está agredindo o mundo que a privou do pai. Ainda assim, é uma mulher... A primeira que amei."

Não posso deixar de aproveitar este post pra comentar com vocês como no início do ano passado eu havia mandado mensagem pro pessoal da editora Salvat pedindo pra eles dedicarem um volume da coleção de capas vermelhas à lendária Elektra, uma das personagens que eu mais gosto da Marvel. Foi legal que eles chegaram a me responder! Veja só!


Um ano e meio depois... eis que temos um encadernado dedicado às histórias dela quando estava nas mãos de quem? Quem? O primeiro e único: Frank Miller.

Ouve o "Grrrrrrr".

O próprio criador da personagem. Aliás, as histórias reunidas são justamente as primeiras em que ela apareceu, a primeira se chama "Elektra", quando Miller, que já desenhava a série há algumas edições, apenas dando sugestões quanto aos roteiros, assumiu também a parte da trama, tendo o igualmente competente Klaus Janson ajudando com as cores e a arte-final. Ao adicionar a Elektra na mitologia do Demolidor, Miller já sintetiza muito do seu estilo (ou o que viria a ser o seu estilo, já que na época ele tava começando a trabalhar com HQs): ela é uma mulher sedutora, perigosa e de atitude (quem esquece as prostitutas de Sin City?), surge de forma quase aleatória como uma ninja extremamente mortífera (apesar da inteligência, não dá pra negar um tom de loucura nas tramas do escritor) e ao mesmo tempo possui grande profundidade sentimental, mesmo sendo uma personagem fria que quase não fala. Ainda que hajam fanfarronices, outro aspecto inegável do talento de Miller é a forte sensibilidade dos seus textos.


Nesta primeira aventura a mercenária Elektra chega na cidade do Demolidor, e durante um divertido flashback o herói se lembra de quando a conheceu na faculdade de Direito, e ela era a bela e inteligente Elektra Natchios, filha de um embaixador grego. Os dois se apaixonaram profundamente, mas os caminhos da vida levaram Matthew a se tornar um super-herói e Elektra uma assassina mercenária. Apesar de ser jovial e bonitinho, o romance entre os dois personagens não fica cansativo como aqueles clichês de novela, provavelmente pelo jeito certeiro que Miller usa os sentimentos dos personagens de forma misteriosa e intensa.

Apesar da ninja ser extremamente fria, a história sempre deixa pequenas amostras de que ainda há humanidade nela.
Depois disso há um grande salto, precisamente seis edições, para "O Assassinato de Matt Murdock". Quando os ninjas da Tentáculo são mandados para matar o advogado que já foi seu amante, Elektra retorna a Nova York e se torna novamente uma das principais coadjuvantes das aventuras com seus sentimentos ambivalentes quanto ao justiceiro. A fase de Frank Miller e Klaus Janson foi tão bem-feita que além de introduzir a Elektra, tornou o Demolidor um dos maiores heróis da Marvel, na época sendo um personagem mais secundário cuja revista corria o risco de cancelamento. Nesta fase há um emaranhado de problemas: Foggy e Matt como advogados aparecem defendendo seus clientes no tribunal e junto ao carismático jornalista Ben Urich estão lutando contra a eleição de um gangster que está tendo ajuda do crime organizado pra se tornar prefeito, visando ampliar as influências do Rei do Crime para a área política.


O leitor questiona constantemente de qual lado ficará Elektra, já que como seu próprio criador diz, apesar de carismática, ela não se tratava de uma anti-heroína, mas realmente de uma vilã, afinal, ela vende seus serviços de assassinato por dinheiro. Aqui Miller ainda não desenhava tão bem quanto faria com o Wolverine e o Batman, mas já era incrível! As páginas possuem vários quadros, as sequências de luta são muito ágeis, herança de mangás como "Lobo Solitário". Como já dito, apesar de toda a violência, tensão e crimes, Miller tem um senso de humor honesto que não apela pra violência explícita ou coisas do tipo em momento algum, e funciona bem demais! Em uma edição há aparições especiais de Luke Cage e Punhos de Ferro, os heróis de aluguel, os dois estão muito engraçados! Mas isso é reservado ao Demolidor, seus amigos e os bandidos que ele enfrenta, com a Elektra há apenas drama e mistério.


É bom dizer que apesar do título "Elektra" do encadernado, todas as histórias não são de uma mensal da personagem, mas da revista própria do Demolidor nos anos 80. Em algumas ótimas histórias ela quase não chega a aparecer, como "Onde os Anjos Temem Caminhar", em que Matt vai atrás do seu velho mestre tentar recuperar seu sentido de radar e "Condenados", onde ele se perde nos esgotos junto ao repórter Ben Urich. Ambas são memoráveis exemplos de criatividade e aventura. Mas isso não significa que o conteúdo não seja digno de ser dedicado à personagem. Mesmo a mensal não sendo dela, a presença de Elektra é bem influente e marcante, provavelmente o lugar onde ela melhor foi trabalhada nas mãos de seu próprio criador, se tornando tão amada até hoje. Há grandes momentos de tirar o fôlego, quando é praticamente impossível se desligar da história, como a batalha contra o ninja imortal Kirigi e a contra o psicopata Mercenário, que fecha o encadernado de forma grandiosa.


ATENÇÃO: Este volume da coleção Salvat faz um bom trabalho em trazer um arco marcante da Elektra, como já dissemos, talvez seja até o melhor. Mas no que se trata das aventuras do Demolidor escritas e desenhadas pelo Frank Miller, há mais que aconteceu tanto antes quanto depois das edições que foram reunidas no encadernado. Toda a série é indispensável, alucinante como os exemplos que acabamos de citar. Ela foi relançada recentemente em três volumes chamados "Demolidor por Frank Miller & Klaus Janson", podendo ser facilmente encontrado na Internet com grandes descontos, vindo com todas essas histórias que acabamos de elogiar e muitas outras. Tudo junto daria cerca de uns R$150,00, enquanto o encadernado pegando a saga da Elektra custa apenas R$40,00, menos de um terço. Cabe a você escolher o que é melhor, só achei melhor explicar pra você não correr o risco de comprar histórias repetidas, sei lá se você gosta de jogar dinheiro fora... Mas pode ter certeza que "Elektra Saga" é uma compra excelente para quem quer curtir uma boa HQ, conhecer melhor os personagens, ou para essas pessoas que dizem que os personagens masculinos tem que virar mulheres pra ter mais representatividade feminina nas HQs. A Elektra (como várias outras personagens) prova que isso é uma grande baboseira.


A ninja chegou a protagonizar um filme solo que se tornou uma referência de sandice e má-qualidade. Pra alegria de sua legião de fãs, ela ficou extremamente bem adaptada na segunda temporada da série do Demolidor na Netflix, sendo extremamente sensual e tendo seu lado violento explorado de uma forma bem mais pesada, chegando até a ser perturbadora em alguns pontos. Agora ela vai voltar na primeira temporada dos Defensores, que lança mês que vem com direito ao Demolidor, Luke Cage, Punhos de Ferro, Jessica Jones e Justiceiro. Será que a ninja vai chamar atenção no meio desse elenco todo...? Com certeza que sim! Espero que o texto não tenha ficado muito melado, mas é uma personagem que eu gosto muito desde criança (como deve ter dado pra notar, já que eu até mandei mensagem pra editora), queria aproveitar a oportunidade de escrever sobre ela. Aqui vão dicas de outros encadernados que envolvem histórias que o Frank Miller escreveu pro Demolidor e sua parceira.

A Queda de Murdock: Considerado o auge de Frank Miller na revista. Após voltar da DC onde lançou sua obra mais famosa, "Batman: O Cavaleiro das Trevas", ele trouxe o inigualável desenhista David Mazzuchelli para a Cozinha do Inferno e os dois fizeram um dos maiores clássicos da Marvel e de toda a história das HQs. Aqui o Rei do Crime descobriu a identidade secreta do herói e começa a traçar uma vingança inescrupulosa pra destruí-lo em todos os sentidos: profissionalmente, fisicamente, socialmente e psiquicamente! É uma narrativa muito imersiva no desespero do personagem que passa a desconfiar de todos desenvolvendo síndrome do pânico. As escalas só vão aumentando até o final. É imperdível e já foi republicado várias vezes, é fácil de encontrar.

O Homem Sem Medo: Com o famoso John Romita Jr. nos desenhos, Miller retorna para o personagem que tão bem adotou e faz sua própria versão mais detalhada dos primeiros dias do herói. Quase todos os principais personagens secundários fazem uma presença, mesmo que pequena, como Stick, Rei do Crime e até a Elektra! Aqui ele ainda usa o uniforme preto que utilizaram na aclamada primeira temporada da série. É uma leitura muito amada por todos os fãs e o encadernado também vem com a primeira história do personagem quando ele foi criado pelo Stan lee com o Bill Everette. Também foi lançado há pouco tempo, se não der pra encontrar em bancas, deve haver na Internet.

Elektra Assassina: Uma das principais referências de surrealismo em quadrinhos. Aqui Miller pegou sua criação e fez uma história completamente inédita, tendo quase nada das características da revista do Demolidor, que aliás, nem participa do gibi. Você descobre mais sobre o sofrido passado da personagem que a tornou uma máquina de matar. A ninja precisa matar um político que está possuído por um demônio ancestral que quer destruir a Terra. Mas o problema é que só Elektra consegue perceber isso, sendo perseguida por agentes da S.H.I.E.L.D. Há loucura, sensualidade e ação, sem dúvida um trabalho único. Os desenhos são do mestre Bill Sienkiewicz. Foi finalmente republicado ano passado, deve ser fácil de encontrar.

Amor e Guerra: mais uma colaboração com o desenhista Sienkiewicz. Aqui a história também não é focada no Demolidor. A esposa do vilão Rei do Crime, Vanessa Fisk, está quase morrendo, então ele manda raptarem a esposa de Paul Mondat, um famoso médico, para que ele cure sua mulher. Quem cuida do rapto é Victor, e a história é focada nele e Mondat. Victor mantém Cheryl, a esposa do médico em cativeiro, mas começa a se apaixonar profundamente por ela e seu estado vai piorando por causa de sua dependência a medicamentos. É um grande thriller de suspense psicológico, realmente não é uma aventura do Demolidor que se esperaria. Infelizmente, faz tempo que não recebe um relançamento e é dificílimo de encontrar! Esperamos que tenham gostado da análise. Vale lembrar que temos um enorme especial dedicado ao Frank Miller que cobre toda essa fase com o Demolidor e a Elektra, você pode conferir no link abaixo:

http://ozymandiasrealista.blogspot.com.br/2017/01/analise-colecao-frank-miller.html

Estamos cogitando fazer um especial dedicado exclusivamente ao universo do Demolidor, o que vocês acham? Mas ainda nem começamos, então pode demorar um pouco, mas todos os principais colaboradores do blog gostam muito desse personagem. Talvez pudesse ficar pro ano que vem... na época que sair a terceira temporada da série...

terça-feira, 25 de julho de 2017

"EU SEI O QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO..."


"Eu sei o que você está pensando. “Ele disparou seis tiros ou apenas cinco?” Bom, para dizer a verdade, no meio de toda essa confusão, eu meio que me perdi. Mas sendo essa uma Magnum .44, a pistola mais poderosa do mundo, ela estouraria sua cabeça, você deve se fazer uma pergunta: Hoje é meu dia de sorte? Bom, hoje é, vagabundo?"

Não achei o filme lá essas coisas, e fracamente não procurei as sequencias, acredito que sou fã mais do "Clint diretor", do que como ator, excetuando-se em "Gran Torino". 
Recomendo a leitura desse texto, foi dele que copiei e colei a citação:

Fui! O/


segunda-feira, 24 de julho de 2017

Review: Capitão Britânia e o MI-13 (Marvel Comics)


Review sobre a série mensal Capitão Britânia e o MI-13, lançada nos EUA em julho de 2008 pela Marvel Comics. Escrito por Paul Cornell e desenhos de Leonard Kirk e Mike Collins, reúne as edições #1-15 e o Anual #1. Série completa.



Edição #1: A Invasão Secreta dos skrulls começou, e a Inglaterra também se torna um alvo em potencial quando um exército skrull se dirige para o local onde se abrem as portas para Avalon, e uma equipe formada pelo Capitão Britânia, Pete Wisdom, John Lennon (skrull) e Spitfire são enviados para impedir os invasores. Em Londres, o Cavaleiro Negro faz o que pode, mas não consegue impedir a morte da Dra. Faiza Hussaim.

Edição #2: Faiza Hussaim não morreu, pelo contrário, recebeu super poderes que ainda não conhece plenamente. O Capitão Britânia se sacrifica, mas falha ao impedir que Avalon seja invadida pelos skrulls. Cabe a Pete, Spitfire e John tentam retirar a espada Excalibur encravada em uma pedra numa das cavernas de Avalon.

Edição #3: Os skrulls se apoderaram de vários itens que serviam como fonte de magia de Avalon e agora partem rumo à Londres. A voz dentro da cabeça de Pete finalmente se revela – Merlin está de volta para mudar os rumos da batalha, e sua primeira ação é trazer de volta um símbolo de esperança para a Bretanha.

Edição #4: O Capitão Britânia está de volta e portando a espada Excalibur. Um confronto final com o super skrull que possui a magia de Avalon. Enquanto Faiza Hussain tenta de todas as formas salvar o Cavaleiro Negro, que está entre a vida e a morte. A conclusão da participação do Capitão Britânia e o MI-13 na saga Invasão Secreta.


Edição #5: O fim da Invasão Secreta trouxe consequências para a Inglaterra. O mal foi libertado, uma equipe de super-heróis surgiu e Faiza Hussain é a nova portadora da Excalibur. O MI-13 está à procura de reforços para combater as forças monstruosas que ameaçam a Inglaterra. Blade, o Caçador de Vampiros viaja até Londres e junta-se ao time.

Edição #6: Quando saiam para resgatar Sid Ridley, Spitfire se encontra com sua equipe, mas é atacada por Blade. Chegando no Edifício Cloverfield para ajudar Sid, o Capitão Midlands, descobre que o responsável é um ser chamado Plotka, capaz de satisfazer os desejos mais íntimos de quem estiver disposto a se entregar para ele.

Edição #7: Plotka oferece ao Capitão Britânia, sua falecida esposa Megan. Ele aceita a proposta sem pensar nas consequências. Enquanto isso, seus aliados entram no edifício em chamas. Spitfire e Blade enfrentam uma horda de Seres Inconscientes. O Cavaleiro Negro é submetido ao teste de sua espada e perde o controle.

Edição #8: Quando estava prestes a matar Faiza, o Cavaleiro Negro fica sabendo que não está portando a verdadeira Espada de Ébano. Brian Braddock percebe que a volta de sua esposa não passou de uma perigosa alucinação, mas ainda não sabe como escapar do Corredor dos Sonhos onde está preso. Blade descobre a verdade por trás de Plokta


Edição #9: Para garantir o retorno de sua falecida esposa, o Capitão Midlands traiu a equipe e agora eles também estão presos no Corredor dos Sonhos. Como escapar dessa dimensão espiritual e deter um duque do inferno? É o confronto definitivo entre os heróis do MI-13 contra Plokta.


Edição #10: Um pacto sombrio entre o Doutor Destino e Conde Drácula coloca toda a Bretanha em perigo. Cavaleiro Negro recupera sua verdadeira Espada de Ébano que estava sendo protegida em Wakanda. Quando retornava para casa com Faiza, são atacados. O mesmo acontece com Brian Braddock e Peter Wisdom. Kenneth, o filho vampiro de Spitfire faz uma visita inesperada e o pai de Faiza Hussain é atacado em casa pelo próprio Conde Drácula.

Edição #11: Após a primeira onde de ataques para atrapalhar o foco, o MI-13 continua sua procura pelo pai de Faiza, que demonstrou uma incrível habilidade ao salvar a si e o Cavaleiro Negro de uma queda de avião. Blade tenta entender os motivos desse ataque. Quando Spitfire segue seu filho Kenneth, acaba caindo sob o domínio de Drácula.

Edição #12: Até mesmo dentro das fileiras do MI-13, havia vampiros infiltrados. Blade e o MI-13 voam rapidamente atrás do crânio de Quincy Harker, antigo caçador de vampiros, que guarda um feitiço capaz de impedir uma invasão em massa, mas são detectados pelos agentes de Drácula. A próxima fase de seu plano está prestes a se iniciar.



Edição #13: A Grã-Bretanha está isolada do resto do mundo por um campo de força místico e invisível. Finalmente a natureza vampiresca de Spitfire se rende ao Conde Drácula, que empreende um ataque feroz, ceifando as vidas de Faiza, Peter Wisdom e Cavaleiro Negro. O Capitão Britânia acabou isolado de seu próprio país.

Edição #14: Drácula consegue se livrar da magia de Plokta antes de alcançar a Inglaterra. Mesmo assim, um plano em andamento libertou Spitfire que foi levada de volta até o QG do MI-13. Infelizmente, o pai de Faiza não conseguiu escapar.

Edição #15: Sem esperar por isso, Drácula é surpreendido pelo ataque do Capitão Britânia em sua nave, que transportava sua esposa, Megan. Sem a magia do crânio de Harker, os vampiros são pegos pela luz do sol. E a batalha final entre Drácula e a portadora da espada Excalibur, Faiza Hussain.

Anual #1: Edição que mostra como Megan, esposa do Capitão Britânia foi resgatada do inferno pelo Doutor Destino e acabou sendo uma peça fundamental para que o MI-13 pudesse derrotar o Conde Drácula.


Análise final:
Série mensal do Capitão Britânia e o MI-13 que durou quinze edições, e que começou como um tie-in da saga Invasão Secreta. Especialmente as primeiras histórias foram bem interessantes, pois mostrava várias referências ao lado místico da Grã-Bretanha, que sempre foi marcante. Cada personagem principal foi bem desenvolvido sem receber muito mais destaque do que outros. O surgimento de uma nova heroína, a muçulmana Faiza Hussain é uma prova de que a Marvel sabe sim criar novos personagens de origem étnica diferente, com personalidade própria e interessante. Os desenhos, em sua maior parte, feitos por Leonard Kirk combinaram bem com o clima mágico das aventuras do grupo e o bom e velho cinismo britânico não poderia faltar. No geral, um bom trabalho. Leitura satisfatória.

Por Roger



sábado, 22 de julho de 2017

YOU CAN SAVE THE WORLD ALONE

Tá colorido agora, inimigo do Snyder?!

SÓ SEGURA! SÓ SEGURA!



01 - Efeitos especiais bem melhores acabados, do que a "versão crua", do primeiro trailer.

02 - "Menos dark", o que alegrará aos que pensam que esse tom foi o que fez BvS falhar.

03 - Nada de Super-Homem no trailer (ao menos, não de forma explicita), o que fará os revoltadinhos que assistem trailers e reclamam que os mesmos mostram demais -- então, por que assiste, desgraçado?

04 - Jogue as pedras que quiser em mim, mas ainda sustento que as adaptações (quando não transcrições diretas, como no longa "300" de Zack Snyder, ainda são as melhores no "mercado". Ciborg do Jim Lee, Aquaman dos anos 90, Batman do Miller, Gordon saltado do traço do Tim Sale (!) e outros, que qualquer leitor de verdade, capta em poucos segundos.

05 - Cinema videoclipe sim! Desconsiderado por alguns "críticos", o estilo videoclipe é em termos pobres uma maneira de narrativa de cortes rápidos e embalada por trilha sonora envolvente, tal qual um videoclipe (dãa). Guardiões da Galáxia ascendeu uma luz maior para trabalhos assim, porém Snyder já o fazia desde dos créditos iniciais de seu primeiro projeto, o remake "Madrugada dos Mortos", ao som de "The Man Comes Around", do invencível Johnny Cash, a mesma canção curiosamente foi colocada nos créditos finais de Logan, embora sua letra referente ao Apocalipse e a segunda vinda de Jesus se adeque mais ao trabalho do seu "odiável" Zack Snyder.




sexta-feira, 21 de julho de 2017

Maratona Novos 52 - Universo Dark Parte 1



Guia com todas as postagens anteriores da maratona:

Li Ressurreição #8-12 e 0, do encadernado Resurrection Man: A Matter of Death and Life, com roteiro de Dan Abnett e Andy Lanning e desenhos de Fernando Dagnino, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Esquadrão Suicida #9: Após capturar Arlequina em Gotham, o próximo alvo do Esquadrão Suicida é levar Mitch Shelley até a Força Tarefa X. Waller quer desvendar os segredos de seus poderes de ressurreição.

Edição #9: Irado com toda a situação causada pela captura do Ressurreição, o Pistoleiro quer dar um fim em definitivo no fugitivo meta-humano. As Dublês de Corpo encontram Mitch e um conflito de interesses entre duas agências secretas tem início.

Edição #10: Usando seus poderes psicométricos, Kim detecta uma instalação secreta aparentemente abandonada. Lá, são encontrados por Suriel e um grupo de anjos. Desta vez, com poderes de manipulação de sombras, Ressurreição está perto de seu destino final.

Edição #11: Mitch chega à sua cidade natal junto com Kim, e lá, finalmente descobrem o Laboratório, o lugar que criou Ressurreição. Eles invadem o local para resgatar Darryl, mas são atacados de surpresa pelas Dublês de Corpo.

Edição #12: À mercê dos experimentos do Dr. Hooker, Mitch é salvo por Darryl e Kim.
Edição #0: Mitch Shelley frente a frente com Mitch Shelley. O encontro causa um fenômeno que libera todas as memórias revelando toda a verdade sobre o Ressurreição, fatos que tiveram início cinco anos atrás.

O segundo volume encerra as histórias do Ressurreição no Novos 52 e a verdade é revelada. A participação do Esquadrão Suicida ajudou a deixar algumas pendências para o futuro. No mais, um final que ficou um pouco abaixo do que eu esperava. Leitura razoável.

Li Cavaleiros do Demônio #8-12 e 0, do encadernado Demon Knights: The Avalon Trap, com roteiro de Paul Cornell e desenhos de Diógenes Neves e Bernard Chang, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #8: Os Cavaleiros do Demônio estão à caminho de Alba Sarum. Enquanto passam o tempo, Madame Xanadú conta sua história com Jason Blood e Etrigan, um intrincado triângulo amoroso que remonta desde os primórdios dos dias do Rei Arthur e Camelot.

Edição #9: Os Cavaleiros chegam à Alba Sarum. A cidade está prestes a se tornar a Nova Camelot. Porém, são surpreendidos com a notícia do assassinato de Merlin. Para resgatar o mago ancestral, eles devem fazer uma jornada até Avalon.

Edição #10: Seguindo viagem pelo mar e enfrentando piratas. Atacados por lobos gigantes e pântanos lamacentos, os Cavaleiros do Demônio encontram um rei há muito desaparecido.

Edição #11: Atacados por magia negra, todos os cavaleiros, com exceção de Madame Xanadú, tornam-se aquilo que mais desejam em seus íntimos. Somente as águas da última fonte pura de Camelot pode reverter essa transformação. Restaurados, os Cavaleiros do Demônio tem o reforço do próprio Rei Arthur.

Edição #12: Morgana LeFey aprisiona os cavaleiros. Seu plano é drenar toda a energia vital do errante grupo para o corpo inerte de Merlin, e em seguida, se apossar do mago de Camelot. Assim, seu poder seria ilimitado.

Edição #0: Antes dos Novos 52, Etrigan, servo de Lúcifer, sempre empenhado em agradar seu mestre insatisfeito. Até o dia em que ele se rebela e reúne uma horda de demônios à seu próprio comando. Em Camelot, o jovem Jason de Norwich, era um escriba descontente de Merlin. Até o dia em que situações que jamais poderiam ser reveladas, unem Etrigan e Jason eternamente.

O segundo arco se centraliza no passado de Camelot, envolvendo Etrigan Madame Xanadú, Jason Blood, Merlin, Rei Arthur e Morgana. Os demais personagens acabam ficando em segundo plano. Mas o clima de aventura e fantasia se mantém. Leitura recomendada.

Li Frankenstein – Agente da Sombra #8-16 e 0, do encadernado Frankenstein, Agent of SHADE: Secrets of the Dead, com roteiro de Jeff Lemire e Matt Kindt e desenhos de Alberto Ponticelli, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Edição #8: O filho, híbrido dos DNAs de Frankenstein e Lady Frankenstein, se refugiou no antigo castelo Franskenstein. O reencontro não foi como o previsto e as consequências serão sentidas.

Edição #9: O Homem-Animal está desaparecido. A SOMBRA resolve procurar pelo seu paradeiro e envia os agentes Frankenstein e Nina até a fazenda Baker, última localização de Buddy e sua família. Eventos ligados à saga do Podre.

Edição #10: O Pai Tempo suspeita de uma traidora entre a SOMBRA, a agente Crowly. Ele envia Frankenstein e o Comando das Criaturas até a Extradimensão. Mas, parece que, aparentemente, a identidade do espião pode não ser tão óbvio.

Edição #11: Frankenstein passa a ter visões das partes de que foi construído, em sua maioria, ladrões, assassinos e parias da sociedade. Ele e Nina continuam a procurar a verdade sobre o Leviatã e o Círculo de Satã.

Edição #12: Após libertar os agentes prisioneiros do Leviatã, Frankenstein descobre o segredo do Círculo de Satã e a identidade do traidor infiltrado na SOMBRA.

Edição #13: Victor Franskenstein foi revivido pelo Podre e decide acabar com o mundo, já que não pode acabar com sua criação. O Agente Frankenstein, imune à podridão é enviado pelo Vermelho para salvar Metrópolis. Frankenstein inicia sua participação na Saga do Podre, envolvendo o Homem-Animal e o Monstro do Pântano.

Edição #14: Com o mundo destruído, a única esperança que resta é Frankenstein e Velcoro encontrarem o moedor de almas de Victor. Começa uma longa jornada rumo ao desconhecido. Apesar do clima de desolação e falta de esperança, é uma das edições mais divertidas da série.

Edição #15: Depois de percorrer o mundo todo encontrando as três partes que formam a máquina moedora de almas, Frankenstein e um pequeno grupo de sobreviventes se preparam para a batalha final contra Victor e o Podre. Edição que encerra a participação do Agente da SOMBRA na saga do Podre.

Edição #16: À caminhos de sua próxima missão na Arábia Saudita, Frankenstein e seus aliados fazem uma parada em Central City para deter uma célula terrorista de atacar a cidade com uma bomba viral.

O segundo volume encerra essa série divertida e descompromissada, baseado no terror e aventura. A troca pelo escritor Matt Kindt não afetou a série, mantendo-a em um bom nível. Leitura recomendada.

Li Monstro do Pântano #8-11 e 0, do encadernado Swamp Thing: Family Tree, com roteiro de Scott Snyder e desenhos de Yanick Paquette, Marco Rudy e Francesco Francavilla, e farei breves comentários sobre as edições.


Edição #8: Sethe deixa um rastro de destruição e podridão. Mas o Monstro do Pântano está de volta para acabar com seu reinado de terror e resgatar Abby.

Edição #9: Abigail Arcane revelou seu lado como uma guerreira do Podre. O Monstro do Pântano precisa deter Sethe, ao mesmo tempo em que tenta trazer Abby de volta antes que ela o mate.

Edição #10: Abby consegue se livrar do controle de Sethe e ajudar Alec a derrota-lo. Gravemente ferido, o Monstro do Pântano é levado de volta para casa para recuperar sua forças, sem saber que Anton Arcane está à sua procura.

Edição #11: Arcane leva Abigail embora, mas ela é salva pelo Monstro do Pântano. Ferido, Arcane foge pelo portal que dá acesso ao Podre. Quando Abby pressente um futuro perigo, eis que surge o Homem-Animal.

Edição #0: Essa edição mostra a origem do Monstro do Pântano sob a ótica de Anton Arcane, que durante eras vem destruindo avatares do Verde e do Vermelho.

Retorno triunfal do Monstro do Pântano com grandes confrontos. O escritor Scott Snyder também se aprofunda mais no passado e na mitologia do personagem. Leitura recomendada.

Li Homem-Animal #7-11, 0 e Anual #1, do encadernado Animal Man: Animal vs. Man, com roteiro de Jeff Lemire e desenhos de Travel Foreman, Timothy Green II e Steve Pugh, e farei breves comentários sobre as edições.


Edição #7: Buddy e sua família pegam a estrada e seguem em busca de Alec Holland, o Monstro do Pântano, o único que pode ajuda-los a parar a ascensão do Podre.

Edição #8: Enquanto vai descobrindo a extensão de seus poderes, Maxine vai atraindo o Podre e Buddy e sua família chegam a um ponto em que fugir se torna praticamente impossível.

Edição #9: O Homem-Animal falha em deter as criaturas do Podre, morre e seu corpo é dominado pela podridão. Na verdade, Buddy foi transportado para o Pomar de Ossos, os subterrâneos do Vermelho. Agora, ele precisa se encontrar com os Totens e retornar ao “mundo real”.

Anual #1: Um interlúdio. Ellen vai alugar um quarto de hotel para sua família enquanto aguardo pelo retorno de seu marido. Nesse meio tempo, o Sr. Meias conta à Maxine, a última vez em que o Verde e o Vermelho tiveram de juntar forças para combater o Podre.

Edição #10: Constantine, Zatana e Madame Xanadu da Liga da Justiça Darl avisam Ellen sobre o futuro caótico que está por vir, dependendo das decisões que tomar agora. Buddy e o Pastor continuam sua jornada ao reino superior do Vermelho para se encontrar com os Totens.

Edição #11: O Homem-Animal está de volta, com um corpo reestruturado e mais poderoso. Ele precisa se apressar para salvar seu filho Cliff que corre perigo de vida.

Edição #0: Cinco anos antes dos Novos 52, o último avatar do Vermelho é assassinado antes do tempo por Anton Arcane. Para impedir o avanço do Podre e do Verde, o Vermelho escolhe um protetor para o próximo avatar – Buddy Baker.

O segundo volume segue o Homem-Animal e sua família em jornada rumo ao encontro com o Monstro do Pântano e os percalços que  tiveram de enfrentar. E fica claro que um dos principais elementos do herói são seus laços familiares. Além disso, é interessante ver como as referências à fase de Grant Morrison se relacionam com o tempo atual do personagem. Leitura recomendada.

Li Eu, Vampiro #7-12 e Liga da Justiça Dark #7-8, do encadernado I, Vampire: Rise of the Vampires, com roteiro de Joshua Hale Fialkov e desenhos de Andrea Sorrentino, e tecerei breves comentários sobre as edições.


Liga da Justiça Dark #7: Uma horda de vampiros ataca Gotham comandados por Caim, após a morte de Andrew Bennet. Madame Xanadu tem uma terrível visão e junto com a Liga da Justiça Dark parte para a cidade do Batman e lutam brevemente ao lado da Batgirl. Primeira parte do arco A Ascensão dos Vampiros.

Edição #7: Constantine e Desafiador são enviados para trazer Andrew Bennet de volta. Em Gotham, o restante da Liga da Justiça Dark se junta ao Batman, mas sem sucesso. Mary, a Rainha de Sangue, sentindo que está perdendo o domínio sob seu exército de vampiros para Caim, resolve se aliar temporariamente à Liga.

Liga da Justiça Dark #8: Com Shade, o Homem-Imutável fora de combate, e a recusa de Andrew Bennet em retornar ao mundo dos vivos, não parece restar muita esperança para Xanadu e sua Liga Dark, mesmo com o reforço de Mary. O arco A Ascensão dos Vampiros se aproxima de seu clímax.

Edição #8: Em um ato de desespero, Madame Xanadu consegue fazer com que o poder de Caim seja desviado para Andrew. Ele derrota Caim e junta-se à Mary novamente. Resta saber se todo esse poder não colocará Andrew Bennet contra a humanidade. Conclusão do arco A Ascensão dos Vampiros.

Edição #9: Não está sendo fácil liderar um exército de vampiros alimentando-os apenas com sangue de vacas. Andrew Bennet tem um grande desafio pela frente. Ele também pediu à John e Tig irem em busca dos Van Helsing.

Edição #10: Mary desafia a liderança de Andrew em um combate mortal. À caminho de Utah, local onde os vampiros estão reunidos, Van Helsing e John Throughton tem um interessante debate sobre suas filosofias.

Edição #11: O exército de Van Helsing é dilacerado pelos vampiros, mas retornam como zumbis. O problema se agrava quando os vampiros famintos sugam o sangue contaminado dos mortos-vivos, alastrando ainda mais a praga.

Edição #12: Como se não bastasse, os zumbis saem à caça de mais presas nas pequenas cidades de Utah, formando uma multidão incontrolável. A situação chamou a atenção do Stormwatch, que enviou Apolo, Meia-Noite e Jack Hawksmoor até o local da infestação.

Depois de um arco com a Liga da Justiça Dark que definiu o status de Andrew Bennet, o escritor Fialkov introduziu o conceito “Van Helsing” criando um verdadeiro apocalipse zumbi. Leitura recomendada.

Li Liga da Justiça Dark #7-13, 0 e Anual #1, do encadernado Justice League Dark: The Books of Magic, com roteiro de Jeff Lemire e desenhos de Mikel Janin, e tecerei breves comentários sobre as edições.




Edição #9: Constantine recebe a visita de Steve Trevor, coronel da ARGUS. Eles estão preocupados com as recentes operações de Felix Fausto e pede à Constantine que o ajude. Mais um motivo para a Liga da Justiça Dark se reunir novamente, dessa vez com uma nova formação – Zatanna, Desafiador, Andrew Bennet e a agente da ARGUS Orquídea Negra.

Edição #10: Após derrotar Fausto, a Liga descobre um mapa que indica onde se encontram os quatro artefatos mais poderosos que existem, o caminho para os Livros da Magia. Constantine leva seus companheiros até a Casa dos Mistérios e, mesmo sem permissão, abra a caixa que contém o mapa.

Edição #11: Sem que ninguém desconfiasse, Félix Fausto planejou sua própria captura pela ARGUS. Agora, em posse do mapa novamente, os demônios de Fausto invadem a organização militar e estão atrás da Sala Negra. Para evitar que os Livros da magia caiam em mãos erradas, Xanadu procura pelo garoto Timothy Hunter, o único que teria a capacidade de obter os livros sem se corromper.

Edição #12: Constantine consegue a chave que abre a caixa com o mapa para os Livros da Magia, mas é traído pelo Doutor Névoa. Zatanna e Desafiador vão atrás de Fausto e Dr. Névoa em seu templo no Peru. Constantine e Orquídea Negra partem para Gotham, onde eles acreditam que irão encontrar os livros.

Edição #0: Alguns anos atrás, quando o jovem John Constantine estava em busca do conhecimento de magia. Ele veio à Nova York para aprender com o maior – Nick Necro. A edição mostra como Constantine conheceu Necro e Zatanna e como esse encontro mudou suas vidas até hoje.

Edição #13: Nick Necro está de volta. Ele não quer somente vingança contra Constantine e Zatanna. Ele ainda não desistiu de possuir os Livros da Magia. Madame Xanadu consegue impedir Fausto de capturar Tim Hunter, mas tiveram de fugir.

Depois de duas edições participando do arco A Ascensão dos Vampiros, a Liga da Justiça Dark passou a ser escrita por Jeff Lemire. O novo escritor desenvolveu sua trama inserindo elementos clássicos do universo mágico da DC, como a Casa dos Mistérios e os Livros da Magia. Leitura recomendada.

Por Roger

Parte 01:




Parte 02:



domingo, 16 de julho de 2017

O RELATÓRIO DE VIEWS DE 2014 PARA CÁ... E OS 10 POSTS MAIS ACESSADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE "DESSA" ANO parte 01 de 02


O que? Pessoas não leem posts com títulos longos?

Estava discutindo com um dos meus sócios, o Sr.W, quando me surgiu esse ânimo de adentrar nesse trabalho de “pesquisa”. Daqui há dois meses, o blog chega em 3 anos, e acredito já ter material para analisar o que mais funciona, meses e dia de “pico”, e afins, com a ambição clara de dobrar tudo o que dá certo, além de descobrir “novos truques”, afinal como ensinava o tubarão devorador de artistas Steve Jobs, “não dá pra vender o mesmo produto a vida toda”, ou mais agudo: “dar o que as pessoas querem, antes mesmo delas saberem que precisam”. Priorizei para o ranking de posts desse semestre, os lançados entre 1 de janeiro á 30 de junho, ao modelo das edições anteriores:




MAIS ACESSADOS DO ANO 2014:

MAIS ACESSADOS DO ANO 2015:

MAIS ACESSADOS DO ANO 2016: Ainda há ser feito.


Antes, os números mensais:



Setembro de 2014 – 220

Outubro de 2014 - 384

Novembro de 2014 - 705

Dezembro de 2014 – 2.961

Média mensal de 2014: 854.



Janeiro de 2015 – 1.953

Fevereiro de 2015 – 1.984

Março de 2015 – 3.116

Abril de 2015 – 4.032

Maio de 2015 – 7.704

Junho de 2015 – 5.920

Julho de 2015 – 10.096

Agosto de 2015 – 20.530 (!)

Setembro de 2015 – 10.604

Outubro de 2015 – 13.915

Novembro de 2015 – 14.960

Dezembro de 2015 – 14.260

Média mensal de 2015: 9.089,5




Janeiro de 2016 – 18.182

Fevereiro de 2016 – 20.045

Março de 2016 – 21.221

Abril de 2016 – 19.615

Maio de 2016 – 19.841

Junho de 2016 – 18.173

Julho de 2016 – 21.716

Agosto de 2016 – 22.957

Setembro de 2016 – 24.674

Outubro de 2016 – 26.851

Novembro de 2016 – 36.110

Dezembro de 2016 – 36.925 (!)

Média mensal de 2016: 23.859,16





Janeiro de 2017 – 35.798

Fevereiro de 2017 – 31.312

Março de 2017 – 29.724

Abril de 2017 – 26.324

Maio de 2017 – 31.627

Junho de 2017 – 22.627

Julho de 2017 – em andamento, número atual: 9.840...

Média mensal do semestre: 25.797,5


Continua...