smc

Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

ENTREVISTANDO #02: ROGER DO PLANETA MARVEL / DC!!! -- PARTE 02 -- FINAL --


   E aqui está a segunda, e final parte da entrevista. Vale dizer, que considero esse post uma espécie de recomeço. Esse é o tipo de post que ao ser terminado, eu vi que posso voltar a recuperar minha velocidade de postagens de antes. Agora segurem ai, e aproveitem a aula do Roger, espero que ele te dê tanto pra ler e pensar sobre quadrinhos, quanto eu pude receber honradamente nessa conversa.



è  Nós tínhamos parados na segunda questão... O que faz a Marvel sempre superar a DC nas vendas? E como enxerga a situação atual das animações da DC?

Sobre as vendas né? Estou acompanhando essas novas animações da DC. Estão tentando criar um universo próprio para a Liga e para o Batman. Sobre as vendas, sobre ser sempre sinônimo de "empresa perdedora", que coloca o "Batman para carregar tudo nas costas"... Ser sempre a "número 2" Primeiro de tudo, embora a DC sempre fique em segundo lugar, embora pareça haver um sentimento de negação sobre os acertos da DC, isso para mim não é sinônimo de vender menos. Por exemplo, logo que a Marvel adquiriu e começou a publicar a linha Star Wars, o Top Vendas ficou quase que exclusivamente para a Marvel. Os poucos títulos DC que sobreviveram no topo eram Batman, Liga do Johns e Arlerquina, com o lançamento das All-New All-Differente da Marvel, até esses títulos quase sumiram do Top 10. Mesmo assim, a QUANTIDADE de títulos VENDIDOS da DC quase não mudou. A verdade é que a quantidade da Marvel é que aumentou demais.

Outro ponto:

O público americano parece ser apaixonado por edições #1. Tanto é verdade que até títulos secundários entravam no Top 10 E depois, com o passar dos meses acabavam caindo no top. Acredito que o foco do #01 é sempre ser comprada em mais quantidade pelas livrarias, além de poder ser guardada para valer x vezes o valor com o passar dos anos. Além disso, competir com Star Wars é quase covardia.

Eu mesmo não leio e não gosto, mas sou realista e sei que existem muitos fãs, por isso, acho que o pessoal no geral foca apenas no fato da DC ficar com a minoria nos Tops, mas não pesquisa e chega à conclusão de que em termos de vendas, a DC ainda está estável. Star Wars é uma religião, também não me encanto com nada daquilo, mas é inegável a máquina de fazer dinheiro que é aquela marca, no meio midiático, quando se dizia "nerd" não se associava a alguém lendo o Hulk, mas vestido com algo característico de Star Wars.

Vamos ver agora com a DC publicando a turma da Hanna Barbera se ajuda a colocar mais títulos nos tops.

Realmente a instabilidade é sempre ignorada, vão muito no "instantâneo", quebram o pau nas "bizarrices" que o Scott Snyder fez no Batman, mesmo assim, o título fica entre os 10+ há quase 50 edições.

Outra coisa que eu lembrei. É inegável que os filmes da Marvel ajudam na divulgação.



Embora eu ache que esse ano, a maior bilheteria de 2016 vai ser o novo filme do Super-Homem, haw haw haw. Tenho um palpite que o segundo filme do Star Wars possa ter uma queda de 20% de bilheteria.



Pelo bem do universo cinematográfico da DC. Espero que BvS arrecade bem mais de 1 bilhão.

Tenho a espectativa que ficará entre 1.4 e 1.6 BI.

Bom, resumindo para te ajudar a fazer a edição da entrevista:

Haw haw Haw...



Para mim, o Top Vendas com a Marvel sempre em primeiro lugar é devido aos seguintes fatores:

1-  Excesso de edições #1

2-  Star Wars (se tirar esses títulos, mal sobram as sagas como Secret Wars, Homem-Aranha e Vingadores)

3-  A influência dos filmes

4-  E no final das contas, a DC não está vendendo tão mal assim, em termos de quantidade. E tenho dito!!!..kkk. Então é mais omissão de fatos, que uma real situação.

Acho que não se trata de omissão de fatos. É só uma piadinha que foi se repetindo tanto, a ponto de virar verdade, essa sempre dita "incompetência" da DC Comics?

Mas apenas uma falta de boa vontade de fazer uma pesquisa mais aprofundada sobre essa situação das vendas, ou talvez isso que você falou agora, uma certa "comodidade".

Eu digo "piadinha" porque eu era um desses, dos meus 11 aos 16, eu li apenas Marvel, zombava da DC sem nunca ter parado para ler algo.

Então eu acho que é por esse caminho.

Quando vinham dizer que os melhores quadrinhos foram publicados pela DC, eu levava como absurdo...



É possível que existam muitos assim como você era em seu "passado sombrio"...kkk

Criticar sem saber exatamente sobre o que está falando.
Haw haw, o pior é eles ficando adultos assim.
É lamentável mesmo.

Sim, isso é um problema. Afinal, a internet é o principal veículo de comunicação e informação atualmente, e acaba influenciando muitas opiniões, por isso, acho que é preciso, pelo menos um mínimo de conhecimento e pesquisa sobre algum assunto.

Quando queremos expressar nossas opiniões sobre algo
Não é necessário a perfeição, porque isso não existe
Mas pelo menos, uma boa motivação antes de publicar algo
A motivação correta consequentemente levará a pessoa a fazer suas pesquisas de maneira mais sincera:
Pergunta valendo 10 Mil...

...Essa é uma daquelas ao estilo "ovo e galinha", provavelmente o senhor falará sobre um equilíbrio, e complemento, mas nesse momento:

3. Quem está inspirando quem finalmente? Os quadrinhos aos filmes, ou os filmes aos quadrinhos?

Atualmente os filmes tem influenciado mais os filmes. Ops. Os filmes têm influenciado mais os quadrinhos, a Marvel, por exemplo, só está usando os títulos de seus quadrinhos em seus filmes mais para chamar atenção.

Existe um ótimo lado nisso, que fechei muito minha mente nos últimos anos, que são as múltiplas interpretações de um ícone, o exemplo máximo da atualidade para mim são o Coringa do Ledger e Leto.



Basta ver o exemplo de “Guerra Civil” e “Ragnarok”. Veja bem, eu gosto muito dos filmes da Marvel, mas sou obrigado a reconhecer isso: "Era de Ultron" na época eu fiquei um tanto incomodado por esse subtítulo... Principalmente por ter lido Age of Ultron a poucos anos atrás... Eu gostava bem mais quando a Sony lançava os filmes do Homem-Aranha do Sam Raimi. Simplesmente como Homem-Aranha 1, 2, 3...


Ótima época a propósito, aquilo marcou minha infância para adolescência como os filmes do Super-Homem com o Reeves deve ter representado para a sua geração.

Com certeza! Os filmes são até semelhantes em vários pontos, eu considero o primeiro Homem-Aranha de 2002, o passo primordial da Marvel no cinema. Não o Blade de 98, ou XM em 2000. Super-Homem de Reeves, Conan do Schwar.. e Batman do Tim Burton. No meu caso, fico com o X-Men de 2000. Para mim foi como um sonho sendo realizado ver os mutantes, mesmo descaracterizados e tal, nas telonas, hoje eu vejo muitas coisas ruins e falhas nesses filmes, mas guardo com carinho no coração.



Homem-Aranha 1 e 2 ainda me fazem me emocionar em vários momentos. Isso é sinal de sensibilidade por parte do Raimi. Um fã declarado do aracnídeo. Uma pessoa que ama o personagem. conhece e sabe o que estava fazendo. Sem fugir muito do assunto da terceira pergunta, eu vejo o Hugh Jackman como um canastrão que se esforçou muito com o passar dos anos para ser um bom ator, o Wolverine dele só veio me convencer já no último filme dele, onde --tentaram-- adaptar o arco do Claremont e Miller, e no último filme do X-men.

Acabei de ler que haverá uma nova Vespa na HQ no All-Nee Avengers. Adivinha quem será??? Hope Van Dyne!! É o filme do Homem-Formiga influenciando os quadrinhos descaradamente. Também acho o Hugh um ator que foi melhorando com o tempo, fazia anos que eu não a via nos Vingadores, não sabia nem se a personagem tava viva.



A Vespa Janet Van Dyna (a original, esposa do Hank) voltou dos mortos há alguns anos atrás.
O Hugh era um cara de 30, com físico mais ou menos, pálido, com cara de 25, levantando as sobrancelhas o tempo todo para parecer durão, a maneira que ele se transformou no personagem, fez com que saí-se da atuação para ser tão natural a ponto dele ser mesmo o Wolverine.

Rapaz, a Marvel sabe mesmo "ganhar dinheiro". Acabei de ver outra notícia.

   Eu gosto dele bastante no filme "O Grande Truque".

A Marvel irá lançar uma nova série (ou minissérie) chamada Demolidor/Justiceiro...kkkk É o famoso "as pessoas começam a se importar, venda isso".

Em termos de marketing dou os parabéns para a Marvel.

O Grande Truque é um filme que preciso assistir, valeu por lembrar.

Os caras são muito bons em massificar as coisas, embora um efeito que eu temo da massificação é a diluição de qualidade, em pró de números. O Grande Truque é uma aula de como o cinema te ilude, tal como o ilusionismo. O único filme que detestei do Nolan foi aquele "A Origem".

Mas vamos a quarta questão...

Também não gostei muito do Origem.

Desculpa a demora. Fui buscar um pão. Vamos lá:



4. O que dizer de Secret Wars?

Foi algo pomposo demais, ou um desfecho de uma das melhores obras da Marvel nos últimos anos?

Começo extraordinário, meio um pouco confuso (acho que preciso reler) e final um pouco decepcionante, além de demorar demais. Acho que a demora atrapalhou a leitura. No meu caso, preciso reler tudo para relembrar certos acontecimentos. De qualquer forma, achei uma grande homenagem que o Hickman prestou ao Quarteto. Um trabalho que ele começou desde a sua passagem pelo título, além disso, o Hickman mostrou que conhece bem o universo Marvel.

Mas como leitor, o Sr aplaude a interligação que ele fez desde "Fundação Futuro", "Supremos V", "Vingadores", "Novos Vingadores vol. 3" findando em "Secret Wars" como a "elite" da Marvel?

Sem dúvida.

Digo isso, porque a Marvel perdeu grande poder dos seus trunfos que eram o universo Ultimate e o selo Max. O que o Hickman fez na década de 2010. O Bendis fez em meados dos anos 2000 na Marvel. Não em termos de qualidade propriamente dito, mas em termos de ousadia?

Mas em deixar a Marvel no patamar de venda e iniciativa? Fico pensando agora, o que o Hickman fará em seguida, já que ele não está escrevendo nada dessa nova fase da Marvel. --Ou se cortaram o cara--, quem sabe o Tom Taylor não seja o próximo grande astro? Ou Hickman ir para a DC, pegar algo como o universo dos Lanternas...



Bom, o Tom Taylor fez um excelente trabalho em Injustiça, mas a DC quis continuar a faturar em cima desse título e acabou prolongando demais na minha opinião. O Superior Homem de Ferro é bem ousado, mas ainda não terminei de ler tudo. Vou aproveitar o lançamento pela Panini. São trabalhos que não mostram o quanto ele conhece desses dois universos. Sei que isso nem sempre pode ser um fator crucial, mas para mim, acho que um escritor precisa conhecer bem o universo daquilo que está escrevendo. O Hickman nos Lanternas seria bem ousado. Não sei direito como seria algo assim.



  É um grande diferencial mesmo, a maioria vem e ignora, querendo fazer do 0, pensando ser um novo Alan Moore

 A DC está querendo desvincular amarras entre seus títulos.

  Eu no lugar do Hickman, após tudo isso, tiraria féria de um ano.

Não sei se os trabalhos intrincados do Hickman combinariam com a atual proposta da DC... No caso das Lanternas seria interessante, já que os universos dos lanternas sempre estão interligados... Mas é sempre algo tão "a x anos luz" que vira mais um universo bem a parte. Isso pode ser bom pra liberdade criativa de quem escreve.

  

Não ter que ficar alterando o roteiro para corresponder a atual megasaga?

Isso é verdade. Alterar roteiro por causa das sagas, chegou a atrapalhar bons títulos dos Novos 52 como Asa Noturna e Batgirl,
Que tinham vida própria, mas sempre tinham que "participar" de “Corte das Corujas”, “Morte da Família”, etc. A Mulher-Maravilha que foi um excelente trabalho do Azzarello foi um exemplo perfeito. De título independente que se saiu muito bem, sem a influência de sagas.

5. Mas já que estamos falando em ousadia, algum chute do que vai ser a "bola da vez" pelos próximos anos? Digo isso porque zebras como a Arlequina e o Deadpool, criações de pouco mais de 20 anos, estarem entre os mais conhecidos e cultuados hoje em dia, até mesmo os Vingadores conseguiram ser erguer entre Quarteto, X-Men e Aranha, coisa que nunca tinha visto...

Nem Anual teve a revista da Mulher-Maravilha da época do Azzarello para se ter uma ideia de liberdade criativa que ele teve...
Bola da vez... Vamos ver...

Eu arriscaria no Star Lord.



Homem de Ferro do Bendis.

Enquanto o Coringa, tendo um título próprio.

Pela DC preciso esperar para saber do que se trata o tal Rebirth
É uma bom palpite, embora o Bendis pareça ter perdido a força, mas já que ele vai se concentrar mais nesse...

Tenho lido o Homem de Ferro dele.
Acho que mais alarme falso. É o Bendis de sempre. Muitos diálogos, bons momentos de piadas, o que combina com a atual versão do Tony Stark vindo do cinema.

Capaz até do Batman de Cavaleiro das Trevas, bem como personagens de Watchmen integrarem o universo tradicional, hoje em dia, não duvido mais de nada.




Ah sim. Por falar em integrar o universo da DC. Parece que estão trazendo de volta os personagens da Wildstorm para esse Rebirth.
Não que seja algo extraordinário, mas de repente pode surgir alguma boa surpresa, por falar em surpresa, li a primeira edição da revista do Visão, faz parte do All-New All-Different. Me pegou de surpresa, que baita história! Me surpreendeu mesmo! Não sei se chegará a uma bola da vez, mas teve um começo incrível.



Quem tá escrevendo ele?

O Tom King que está fazendo um excelente trabalho no Omega Men,
e está escrevendo o Grayson.

O Dick -- Tom Cruise -- Grayson?

Esse mesmo. Espionagem de alta qualidade. Tem suas reviravoltas. O necessário para um título de espionagem.



Eu cheguei a "folhear" certa vez uma edição que ele encontra o "Meia-Noite". Parecia ser interessante mesmo.

O problema é quando ele "precisa" participar das sagas do universo do Batman. Sempre estraga. Acho que se deixassem o Tom King com a mesma liberdade que o Azzarello teve, sem se preocupar com a cronologia, seria muito melhor.

Estamos chegando agora a nossa pergunta 6 de 7

Ok.



Ficou ainda melhor do que eu imaginava, flui mais do que muitas entrevistas mais mecânicas que eu vejo... Encadernados, não poderíamos deixar de falar deles...

Certo.

6. Estamos vivendo o auge deles? Uma superexposição não fará a coisa chegar a um ponto insustentável? Digo isso, citando como exemplo a coleção vermelha da Salvat, um exemplo de "colocar o carro na frente dos bois" bem explicito para mim.



Sinceramente acho incrível o boom de encadernados nesse atua cenário de crise no Brasil. Para quem tem condições de adquirir os encadernados é um ponto muito positivo. Nos EUA é uma prática comum os arcos das mensais serem lançados em encadernados.

Parecia bom demais pra ser verdade na época...


Apesar da concorrência acirrada, os preço estão subindo cada vez mais.

Seja em capa cartão, capa dura, Omnibus, collection e por aí vai. Podem dizer que EUA não é Brasil. E com certeza eu concordo. O poder aquisitivo não é o mesmo. Só acho errado quando a mesma pessoa que reclama dessa comparação;

Em menos de 4 anos, uma coleção que começou como 29.90 como a da Salvat, já tá beirando os 40,00, nesse ritmo, em dezembro já vai estar entre 42-45. É a mesma pessoa que pede pelo fim dos mix
E pede títulos individuais
Igual lá nos EUA!!!!



Com relação ao aumento dos preços é realmente um problema.
Ainda assim o preço tá excelente com o que tínhamos que pagar antes, bem como a tiragem está maior, evitando mais as "peças míticas" das coleções. Eu concordo com a variedade de opções que temos agora. Sei que para as pessoas que não tem condições de comprar tudo o que desejaria vai soar um pouco duro, mas eu particularmente gosto dessa grande variedade de encadernados atualmente. E olha que eu deixo de comprar alguns por eu mesmo não ter condições financeiras. Mesmo assim prefiro ficar sem comprar por falta de dinheiro do que por falta de opção no mercado.

Fico imaginando essas pessoas que descem a letra em cima do "mix", tendo que chegar na banca e dar uns 5 reais ou mais em 28 páginas, quando consegue comprar 70 e poucas páginas, com 3 títulos a 7.90, o que ainda é vantajoso, quando a Panini chegou, era 6.00, com 4 títulos. Isso lá para 2002.

Isso mesmo. Ainda sou a favor do mix no Brasil.

Esse formato é mais realista para a situação no Brasil. Sempre foi, eu diria que nos últimos dez anos, os leitores tiveram mais qualidade na maneira de adquirir seus gibis, do que nos últimos 30 juntos.

Bom respondendo diretamente sua pergunta: Acho que estamos vivendo no auge sim. Sem dúvidas.
Hoje a revista do Homem-Aranha sai em formato mais caro e mais barato dependendo da qualidade do papel. Posso acrescentar mais um comentário para sua segunda pergunta? A das vendas? Acho que a Marvel também sai ganhando em um ponto: Ela entendeu o leitor atual, Aquele que prefere apenas ler histórias em formas de arcos, sem se preocupar com o que aconteceu antes ou acontecerá depois. Por isso as revistas sempre zeram.



As leituras "fechadas", o Sr. diz?

Isso mesmo. Isso já adianta a próxima pergunta, sobre os constantes "reboots'...

Infelizmente isso trai algo de ruim a meu ver. Os personagens ficam largados em segundo plano. Muita gente fica se perguntando porque vive na "era do reboot do reboot que será rebootado"...

OK, vamos lá...



7. Sem falar do leitor assíduo, esse é que fica lá em centésimo plano
Embora, eu prefira trazer uma questão ainda mais interessante, a do pessoal que leu 10 anos de HQ ou mais, e já acha que leu tudo que valia a pena. O Sr acredita nessa "estagnação criativa"?

Acho que não deveria ser assim. Veja só. A DC viveu um boom criativo nos anos 90, e por que? Tome o exemplo do Lanterna Verde Kyle Rayner e o Arqueiro Verde Connor Hawke. Algo como passar o manto. Isso abre portas para que sempre hajam boas histórias com os mesmo heróis, mesmo que sejam com outras identidades. O Universo Ultimate é o maior exemplo disso, Quem morreu, morreu mesmo e bola pra frente. Sempre houve espaço para boas histórias, Isso até a chegada dos filmes...kkk

Ops.

Nesse ponto, eu acho que os filmes destruíram o universo Ultimate...rs



É ai que tudo desacredita: A Marvel cria rebbots disfarçados como a Marvel NOW, All-New, All qualquer coisa. Tem medo de dizer que é reboot. Mas zera as revistas, troca de equipe. Para ser sincero, sempre fechei minha mente um tanto para essas substituições, em parte pelo personagem inicial ser tido como "insubstituível" para mim, e em outra por serem sempre "esquenta banco".

Cria um arco de seis meses há um ano ou um pouco mais e recomeça de novo.

Parece que sou contra a Marvel e a favor da DC. Mas não é isso não, eu gosto das duas...kkk Só estou expondo fatos que tenho visto com meu olhar "pouco" crítico...rs. Como leitor antigo, acabei me acostumando com essa questão que você levanto. No começo eu também tinha sérias ressalvas com essas mudanças.

Mas acabei mudando de opinião depois do que aconteceu com Dick Grayson. A forma como ele terminou sua parceria com o Batman
Realmente, porque a gente para e se pergunta: Onde estão esses caras agora? Me deixou indignado e nunca conseguia aceitar o Jason. Porém, o Marv Wolfman conseguiu fazer um trabalho primoroso com o Dick nos Novos Titãs.

Ou mesmo, onde foram parar os maiores e mais devastadores vilões dos anos 90, como Bane, Apocalipse e Venom?

O personagem foi crescendo na série até se tornar o Asa Noturna.
Uma verdadeira aula de como fazer histórias longas, coesas e de qualidade, priorizando os personagens. O Claremont fez a mesma coisa nos X-Men.

Mas houveram marcos de 2000 para cá como nos anos 80 e 90? Em mesma proporção, eu digo.

Boa pergunta inclusive. Com certeza que sim. Pela Marvel: Vingadores - A Queda que mudou o status do universo Marvel priorizando os Vingadores Guerra Civil que trouxe consequências sentidas por um longo tempo. Homem-Aranha do JMS, uma verdadeira aula de como fazer histórias do Aranha mesmo depois de tantas décadas de boas histórias. Demolidor do Bendis que mostrou que é possível trazer os heróis ao nível urbano.

Pela DC: Crise de Identidade, uma verdadeira aula de Liga da Justiça e um roteiro que te prende até a última cena. Crise Infinita e várias histórias que levaram até ela. Uma aula sobre o universo DC. E acho que colocaria também a série semanal 52.

Novos 52 e Flashpoint entram na lista?



Outra aula, bem como "Noite mais Densa"? Dessa vez, de como fazer uma boa história com personagens secundários.

Vou nem citar Forever Evil, que aquilo eu não considero algo muito sério.

Noite Mais Densa eu gosto, mas não colocaria nessa lista
Mas a passagem do Geoff Johns nos lanternas como um todo sim.

52 saiu concorrendo com Guerra Civil, não? Bem corajoso.

Flashpoint também não colocaria Os Novos 52 foi um projeto ousado, corajoso. Mesmo com seus vários erros editoriais Foi um projeto que me deixou muito satisfeito.

E ainda deixa?

Já fazia tempo que era preciso dar uma renovada nos titulos da DC. Sim, ainda deixa, com alguns bons títulos da DC YOU. Mas não consigo comparar com as series que listei antes como Crise de Identidade, Crise Infinita e 52. Essas foram boas demais. Alto nível de criatividade.

Hoje em dia, as constantes reclamações sem sentido de muitos leitores e os fóruns acabaram minando um pouco essa criatividade
Parece que qualquer notícia que é postada
Já começam a reclamar sem nem saber direito do que se trata
É exatamente isso, para manter a pose de "intelectual exigente" nos
comentários. Como se fosse o mais inabalável crítico de arte, com
50 anos de carreira. Agradeço imensamente sua listagem, os que tão
chegando agora --e até eu-- vão fazer referência dela para ampliar
os horizontes.

Espero ter contribuído um pouco. E também quero dizer que não sou o dono da verdade. E minhas opiniões podem mudar com o passar do tempo.

Obrigado pelo seu tempo também, foi uma conversa de uma boa duração, acho que poucos devem ter lido até essa parte aqui. Minhas observações são estritamente atuais, algo que tenho visto nos dias de hoje. As de todos nós. Ozy, agradeço de coração seu contato. E espero que nossas boas conversas não fiquem por aqui. Gostaria de trocar mais ideias com vocês. Em outras oportunidades.

Não ficarão, pretendo até formar um grupo no hangouts aqui da gente. (E foi assim que surgiu o grupo “Zona Negativa no hangouts, antes mesmo do Zona Negativa do Disqus).


Legal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário