.

Pesquisar este blog

domingo, 3 de abril de 2016

Mulher-Maravilha de Grant Morrison será estranha


Depois de 500 anos, finalmente vai sair "Mulher-Maravilha: Terra Um", do roteirista insandescido, Grant Morrison. Será uma graphic novel com desenhos de Yanick Paquette. O Volume I sai dia 6, esse mês mesmo. Junto com as primeiras páginas que foram reveladas, Morrison comentou bastante em entrevista ao CBR sobre como trabalhou a personagem. Ele mudou algumas coisas da origem, inclusive as motivações dela. E o Steve Trevor agora é negro, rsrsrs.

"Superman era rico em ficção científica, e Batman era do crime e do mistério. Com Mulher-Maravilha, sentimos as influências da cultura alternativa e do feminismo. Era tudo magia e estranheza. A personagem já foi retratada de várias maneiras. Tivemos a escoteira, a guerreira. Mas na verdade ela vem de uma tradição de estranheza, e foi isso que descobri sobre ela e que me interessou."

Estranho é um adjetivo que me agrada e me agrada muito. Será um alívio ver a personagem com características bem particulares após a decepcionante "versão Mulher-Gato" que deixaram no cinema...




Nessa página Steve 'negro' Trevor pergunta se está no Rio de Janeiro e chega a falar em português, hehe


"E Steve Trevor se torna mais uma desculpa para ela sair da ilha, ao invés da razão dela sair. Eu mudei a origem no barro também. Mudei umas outras coisas, mas a questão toda era criar mais tensão, mais drama e um pouco mais de ambiguidade en relação ao material original."
"Ele sempre foi esse loiro de olhos azuis aborrecido, o isso não cabe no mundo moderno. Eu queria diversidade. Pensei que seria muito mais potente fazer de Steve Trevor um cara negro. É muito mais poderoso no contexto de tudo o que Marston estava fazendo [nos anos 40]. Em uma história que envolve correntes e bondage, isso ressoa mais (...) Steve faz um papel feminino nessa história, e ele era sempre feminino demais para esse papel. É por isso que ele se tornou aborrecido e sumiu como coadjuvante. Eu quero torná-lo mais forte e mais ambíguo, porque nunca conseguimos dizer se Steve está mentindo. É uma história sobre verdades e mentiras, e muitos personagens mentem."

Hum... acho interessante a Mulher-Maravilha vir ao nosso mundo com esse tom de contraste comportamental, que nem fizeram com o Thor no primeiro filme e nos Vingadores. Mas com a Diana, por ser uma amazona ficaria um estranhamento mais no estilo índio do que medieval, pelo o que o Morrison tá dizendo. Tomara que coloquem uns inimigos expressivos, todo mundo sempre só lembra da Mulher-Leopardo como vilã da Mulher-Maravilha.

Seria esse o próprio Hércules? Porque... Parece que ele morreu...

O desenhista Paquette virá para a Comic-Con brasileira no final do ano lançar "Mulher-Maravilha: Terra Um". Apesar de no momento estar rolando nada de muito expressivo nas revistas da amazona, nós temos uma análise bem positiva do longo primeiro arco da heroína nos Novos 52, quando foi trabalhada pelo roteirista Brian Azzarello junto aos ilustradores Cliff Chiang e Tony Atkins. Vale conferir, link abaixo:


Vale lembrar que após o Batman e o Superman, agora o Morrison já terá trabalhado com os três principais personagens da DC.

Achei essas estrelinhas bem bolado, hehehe

Um comentário:

  1. Olá senhores, eu não posso dizer que estou animado ou não, pois eu não me lembro de nenhuma história da mulher maravilha que me marcou, mas como essa história é do Grant Morrison, pode ser que eu vá ler.
    Ps: eu não sei se estou sendo persimista, mas pra mim, a dc está com péssimas ideias para quadrinhos, a gota da água foi quando eles disseram que vão revelar a identidade do coringa, só eu achei isso ruim?

    ResponderExcluir