sábado, 12 de março de 2016

Sacha Baron Cohen conta sobre sua saída do filme do Queen


Faz tempo que o filme biografia do vocalista do Queen, Freddie Mercury, foi meio que cancelado. O guitarrista Brian May havia comentado que houveram divergências com o ator que tinha sido escolhido pra viver Freddie, o Sacha Baron Cohen (Borat, O Ditador). Os boatos eram meio violentos pros ouvidos, dizendo que Sacha queria um filme que mostrasse surubonas homossexuais e mais nenhum dos envolvidos queria que se tratasse disso. Mas tal informação não chegou a ser confirmada, com Brian May falando que o projeto não havia morrido, eles só teriam que ver como continuar com outro ator e em novembro do ano passado tinham contratado o roteirista do "Teoria de Tudo" (sobre Stephen Hawking e sua esposa). Já o ator Cohen comentou como foi o processo num programa de Howard Stern.

“Existem histórias fantásticas sobre o Freddie Mercury. Ele era selvagem. Ele teve um estilo de vida extremo de perversão. Há histórias de pessoas pequenas com pratos de cocaína na cabeça e desfilando em uma festa. Se tornou um filme menos interessante, mas você precisa se lembrar de que eles querem proteger seu legado como banda, e querem que seja sobre o Queen. E eu entendo isso totalmente. Depois da minha primeira reunião, eu não deveria ter seguido em frente porque um membro da banda – não vou dizer quem – disse ‘Esse é um grande filme, porque algo incrível acontece no meio’. E eu disse: ‘Mas o que acontece?’, e ele disse ‘Freddie morre’. E eu disse ‘Então você quer dizer que será como Pulp Fiction, quando o final do filme está no meio e o meio no começo? Interessante’. E ele disse: ‘Não, não’. Então eu continuei ‘Espera, então o que acontece na segunda metade do filme?’, e ele respondeu ‘Bom, vamos ver como a banda continuou de um sucesso para o outro.’ E eu respondi: ‘Olha, nenhuma pessoa vai ver um filme onde o personagem principal morre de AIDS e você continua para ver o que acontece com a banda’”.

É, apesar dos filmes apelões, ele explicou de forma educada e parece realmente ter um ponto. Vale lembrar que o Freddie Mercury não só era um cantor gay, ele morreu de Aids, que apesar de não ser uma doença exclusiva de homossexuais, acaba pegando muitos deles, pois, sem correr o risco de reproduzirem muitas vezes acabam não se protegendo com preservativos, principalmente na época da banda. O Brian May pode ser um gênio, mas que eu saiba filmes não são necessariamente o território dele. Quem será que tem mais razão nessa divergência? E sim, apesar dele não ter revelado, eu suponho que o Brian May seja o mais envolvido no processo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário