terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Esse Ano Novo ouviremos Motörhead


Isso se dá porque o vocalista, baixista, compositor, ícone e fundador da banda...

49% motherfucker...


51% son of a bitch...


Lemmy Kilmister... está morto!

Confira a nota oficial da banda:

"Não há maneira fácil de dizer isto... nosso poderoso e nobre amigo Lemmy faleceu hoje após uma curta batalha contra um câncer extremamente agressivo. Ele tomou conhecimento da doença no dia 26 de dezembro, e estava em casa, sentado na frente do seu vídeo game favorito do The Rainbow lançado recentemente, junto de sua família.
Não temos como expressar nosso choque e tristeza, não há palavras.
Nos próximos dias daremos mais informações, mas por hora... ouça Motörhead em volume bem alto, ouça Hawkind bem alto, toque a música de Lemmy BEM ALTO.
Tome um drink ou vários.
Compartilhe suas histórias.
Celebre a VIDA deste adorável, maravilhoso sujeito que foi vivida de maneira tão vibrante.
É exatamente isto que ele iria querer.

Ian 'Lemmy' Kilmister
1945 -2015

Nascido para perder, viveu para ganhar".


Velho e acabado, tentando manter o mesmo estilo de vida da juventude quando fundou o Motörhead há mais de 40 anos, o roqueiro já estava cancelando shows em grandes festivais desde 2013. Se recusando a descansar ele voltava após pouco tempo mostrando os mesmos resultados, como pôde ser visto esse ano no Brasil, ao não poder tocar no festival Monsters of Rock, que também incluía Judas Priest e Ozzy Osbourne.

Ele é considerado, e com muita razão, um dos fundadores da música pesada. Completamente das ruas, sempre gostou de drogas, jogos de azar (o Rainbow, onde ele morava e é citado na nota da banda, é um bar de jogos), vale lembrar que a música mais famosa do cara se chama "Ace of Spades". Aliás, também é o nome do álbum mais famoso dele. Sua carreira na música começou de forma bem expressiva, mas nada previsível. Ele foi roadie de Jimi Hendrix! O apelido da droga que ele gostava de usar era motorhead, seu gênero musical preferido o rock and roll, dá pra entender como uma hora acabou surgindo a banda...


O que me marca no Lemmy, e inclusive andei pensando nisso cada vez mais conforme seu estado de saúde se tornou notícia, é como pra mim ele foi mais louco que o Ozzy. Eu diria que o Ozzy tem mais estórias, afinal ele é ingênuo como o Pateta do desenho animado e já mordeu fora a cabeça de um morcego. Mas você pode ver que o vocalista do Black Sabbath já formou família duas vezes, teve um monte de filhos e netos, mora em uma mansão com sua esposa. Aliás, logo no início dos Anos 90 Ozzy Osbourne já estava declarando até aposentadoria.

O Lemmy não.

O Lemmy nunca parou. Ele tem mais de 20 álbuns e jamais parou de excursionar. Lançou o "Bad Magic" e o "Aftershock" há pouquíssimo tempo e já estava declarando que ia ter mais. Você não vê muitos sinais de uma vida pacata no histórico dele. Não faz muito tempo que ainda fumava e bebia, mesmo sendo o mais velho de seu meio. Lemmy era o vovô até agora, quando o Dio morreu ainda não tinha chegado nos 70 anos, que aliás, ele completou há pouco tempo esse ano. A maior parte das pessoas do movimento dele que restaram tinham dado uma parada com a loucura pra sobreviver. Não o caso de Lemmy, ele parece não ter largado do acelerador.

Olha, o Céu.
Muitos afirmam que era uma banda de fórmula repetitiva e realmente era. Eu curto muito, mas não nego isso, eram como o AC/DC. Mas nem por isso deixou de ter uma carreira interessantíssima, com muita coisa diferenciada. Gosto muito do álbum "March or Die", cheio de experimentalismos. Há músicas como "Orgasmatron", "Hellraiser", "One More Fucking Time", "God Was Never On Your Side", "Born To Raise Hell" e tantas outras. Vale lembrar que ele tinha diversos trabalhos paralelos. Na verdade minha faixa preferida da carreira solo do Slash é a em que Lemmy canta: "Dr. Alibi". Mesmo velho, ele não se esquecia o que era Rock and Roll. O que é um alívio, veja como os roqueiros do Brasil ficaram todos chatos e conservadores quando envelheceram '-'


Vale lembrar que apesar de maloqueiro, Lemmy não era burro! Na verdade ele era um intelectual, não sabia só balbuciar sobre rock and roll. Uma das baladas mais famosas do rock, "Mama I'm Coming Home" de Ozzy Osbourne, teve a letra feita pelo seu amigo do Motörhead. Confira outras como "God Was Never On Your Side" em que ele discute seu ceticismo espiritual vindo do ódio pelo seu pai que era cristão e abandonou sua família. Uma das minhas favoritas, "March or Die" mostra o seu cinismo também quanto a sociedade e suas imposições. Sem dúvidas um grande artista e um personagem único. O que eu mais gostava no velhinho era justamente o que me atraiu ao rock and roll desde sempre. Lemmy era ele mesmo, vivia sua vida e dizia o que pensava. Era um cara bem-humorado, não necessariamente se vangloriando como lenda dizendo como usou várias drogas e transou com várias mulheres. Na verdade gostava de deixar claro como a mídia aumentava as coisas. A maior prova de sua personalidade forte pra mim era o fato de ele ter toda uma coleção de acessórios nazistas que enfeitavam a sua casa inteira porque gostava do visual militar que eles tinham, mas tinha um tremendo ódio da ideologia.

Ainda assim sua casa era cheia de símbolos nazistas.

Ele era Lemmy e ele tocou rock and roll.

Ele era rock and roll.

Esse Ano Novo ouviremos Motörhead.

Nenhum comentário:

Postar um comentário