Pesquisar este blog

smc

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

07 MELHORES VERSÕES DO CORINGA NOS QUADRINHOS?


07. O Supervilão – O HOMEM QUE RI


Conhecido, adaptado, há mais tempo que todas as outras versões dessa lista. Mata com gás do riso, tem a pele toda branca, ternos no estilo dos 40, flor que atira ácido, piadinhas que fazem rir mais ele do que os outros... Não sou tão fã dessa versão, mas não podia deixar de fora, no quadrinho mencionado, Brubaker tenta fazer uma continuação “informal” de Batman Ano Um.




06. Travesti Ultrarealista – ASILO ARKHAM



Versão mais, sombria, “fora de sí”, “fora da caixa”, predador sexual e dezenas de denominações. Uma verdadeira viagem no ácido pintada por Dave Mckean. Originalmente (segundo o scrapbook desenhado por Grant Morrison, item presente nos extras da versão definitiva da Panini...) o Coringa usaria um vestido, mas acabou sendo censurado pela DC, apesar disso não ter diminuído em nada o tom erótico e de flerte do Coringa com o Batman...



05. O Velho Entendiado – CAVALEIRO DAS TREVAS


“Você voltou? Querido...” Nem mesmo a animação da DC suavizou o grau de violência gratuita que esse Coringa chega. Todos os anos que o Batman se aposentou, fez com que “O Joker” ficasse um vegetal, mas o retorno do morcego a ativa, faz com que tantos anos de implosão cobre seu preço de uma vez só... Também é uma versão que flerta explicitamente com o Batman, apesar de ter vindo anos antes de Asilo Arkham. A cena de luta final é uma memorável sequência de duplos sentidos, seja nas falas do Coringa insinuando uma “falta de gás para fazer o que deve ser feito” ao “rompimento” da “relação” dos dois no “túnel do amor”.

  

04. Conversando racionalmente antes de voltar a ser “louco” – CACOFONIA


O que parecia ser uma história acerca de um novo vilão para o Batman – que dá título ao arco – com uma pequena participação do Coringa acabou virando um enredo cujo ponto mais alto é a conversa lúcida entre Batman e Coringa, em uma espécie de sequência ideológica de Piada Mortal – Considerando o Batman não ter matado o Coringa na mesma -.



03. “Apenas Um Dia Ruim...” – PIADA MORTAL


A versão que 90% dos leitores colocariam em primeiro, sem piscar. Um primor gráfico de Brian Bolland, seguindo o roteiro cinematográfico de Alan Moore. O sempre discutido conceito amoral de “tudo ser uma piada”... Não vou começar, se não vou acabar alongando, mas já escrevi sobre aqui, inclusive foi um dos primeiros textos desse blog.

02. “Meu Rei, Eu Sou Seu Humilde Bobo da Corte” – Novos 52


Ao ver essa nessa posição, a maioria já vai começar a afiar os tridentes e polir os tacos de baseball. Na minha perspectiva, Snyder e Capullo fizeram uma bem montada amalgáma de Piada Mortal, Asilo Arkham, Cavaleiro das Trevas, Trilogia do Nolan numa tentativa de dar um “novo rosto” – mesmo que tirando e botando – ao Coringa. Uma das manobras que eu mais apoei foi parar de usar o Coringa como coadjuvante engraçadinho, em pró de usá-lo em tramas onde o mesmo seja irrefreável, assustador e genial. Sem falar dos trejeitos de Hellraiser, Hannibal e Leatherface adicionados... Não a toa, foi a melhor mensal de 2014.


01. “O gangstêr” – CORINGA



Um Coringa mais “humano”, crível e urbano. Se com Batman enxergamos Gotham “de cima para baixo”, através desse conto, começamos a ver o outro modo da engrenagem funcionar. Coringa se mostra como o mais temível gangster da cidade, alguém que “faz o trabalho sujo” para o próprio Batman ao tempo que recupera território por território que lhe tiraram em sua hospedagem no hospício. Azzarello, exímio com histórias de crime organizado, coloca o antagonismo entre Coringa e Batman como um conceito essencial na balança, bem como maiores que eles mesmos, sem solução exata. Os dois trailers de “Black Mass” me instigaram por apresentar um tom bem parecido com essa HQ. Essa HQ tem para download no Top 7 de Vilões.




Um comentário:

  1. Terminei de ler Coringa, do Azzarello. Achei muito melhor do que A Piada Mortal.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...