quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Tesouros perdidos que você pode encontrar - parte 2 de 3


Há alguns dias atrás mostrei 12 tesouros perdidos e 3 alternativas baratas de encontrar riquezas, mas ainda há muito mais a se descobrir. Que tal mais 12 tesouros incríveis e lendários para se caçar?


SOB A ÁGUA

Fortuna espanhola - os espanhóis também usavam navios para carregarem suas preciosidades. A prova disso foi uma frota gigantesca com 11 navios recheados. Saindo de Cuba, os navios transportavam ouro, joias, prata, pérolas, cobre e tabaco. Estima-se que, em valores atuais, a carga valesse cerca de 6 BILHÕES de reais. Temendo os piratas, os espanhóis logo se aprontaram para voltar ao velho continente antes que acontecesse uma desgraça. E aconteceu, mas não foi culpa dos piratas e sim da mãe natureza que enviou furacões violentos 6 dias depois de terem partido da costa. O resultado? Toda a frota naufragada e milhares de marinheiros mortos. A má notícia é que já encontraram 7 navios e recuperaram suas riquezas. Os espanhóis até tentaram recuperar a carga na época, mas foi só na década de 80 que Mel Fischer, um caçador de tesouros, encontrou parte da frota próxima da costa leste da Flórida e a recuperou com total sucesso. O valor recuperado chega a 450 milhões de dólares. A ótima notícia é que o navio “San Miguel”, o com mais tesouros e mais valioso, ainda está perdido e isso se deve ao fato de que alguns navios provavelmente continuaram avançando para fugir da tempestade, ou seja, eles foram parar em outro lugar e a uma boa distância do restante da frota.


Espanhóis azarados - em 1622 outra frota espanhola foi pega de surpresa por furacões em alto mar. O nome desta era “Nuestra Señora de Atocha”. A maioria da frota naufragou carregando pelo menos 700 milhões de dólares perto da costa Key West. Acredita-se que estavam sendo transportadas 17 toneladas de barras de prata, 128mil moedas, 27kg de esmeraldas e 35 caixas de barras de ouro. Embora Mel Fischer tenha encontrado 500 milhões em uma parte a 160km da costa, a outra ainda está perdida. Parece que eles não tinham sorte mesmo!




SOB A TERRA

O código indecifrável - em 1816, Thomas Beale e alguns companheiros mineravam no Novo México, Estados Unidos, quando encontraram uma fortuna de ouro e prata avaliada em 63 milhões de dólares nos valores atuais. Para evitar que fossem roubados ou sacaneados uns pelos outros, eles enterraram o tesouro em algum lugar da Virgínia. Mas Beale não era qualquer um! Ele astutamente bolou 3 documentos (cifras) com um código praticamente indecifrável onde o primeiro continha a localização, o segundo listava o conteúdo do tesouro e o terceiro continha uma lista dos mineradores e de seus descendentes próximos que deveriam herdar o tesouro. Havia ainda uma folha-chave que ajudaria a resolver os códigos. Essas 3 folhas foram cuidadosamente lacradas em uma caixa de ferro e entregues a um homem de confiança chamado Robert Morriss em 1822. Ele não poderia abri-la durante 10 anos e apenas um outro homem em St. Louis tinha a folha-chave dos códigos. A qualquer momento Beale e seus companheiros poderiam mandar a chave numa carta para Morriss para abrir a caixa. Infelizmente a carta nunca chegou e Beale nunca retornou. Em 1845, Morriss quebrou o cadeado e abriu a caixa, encontrando as 3 cifras codificadas. Por anos Morriss e um amigo tentaram decifrar os códigos, mas conseguiram apenas decifrar a segunda cifra e descobrir o conteúdo do tesouro. Sem a chave é praticamente impossível decifrar algo. Há ainda quem diga que tudo não passou de uma fraude para enganar os tolos. De qualquer forma a Wikipédia disponibiliza os códigos em sua página oficial (deixei o link no final da postagem). Tente decifrá-los, se puder!
  

O tesouro explodido - durante uma caçada, Doc Noss, sua esposa Babe e amigos encontraram um antigo poço numa mina em Victorio Peak, nas montanhas do sul do Novo México, nos Estados Unidos. Curiosos, Noss e a esposa voltaram ao lugar depois e encontraram ouro, joias e outros artefatos antigos. Ninguém sabe de onde veio tudo aquilo e nem de quem era, mas Noss ficou obcecado e em 1938 comprou a propriedade para si. Ele queria averiguar melhor o lugar, até tirou várias barras de ouro de lá (dizem que foram 200), mas ainda precisava expandir a passagem do poço. Seguindo os conselhos de algum amigo da onça, usou dinamite que explodiu com tanta força que enterrou o tesouro de tal forma que até hoje ninguém consegue encontrar. Noss foi assassinado em 1949 por um amigo traíra e seus descendentes herdaram as terras, mas o exército americano acabou evacuando a área. Há um grupo de caçadores de tesouros atualmente tentando legalizar nos tribunais a exploração do lugar, mas o processo é difícil e provavelmente irá demorar um tempão pra sair alguma decisão a favor deles.

Isso é o que restou da mina onde supostamente está o tesouro.

A maleta esquecida - John Dillinger era um ladrão de bancos famoso da década de 30 e até mesmo visto como um Robin Hood já que ele roubava somente os que o povo consideravam os culpados pela grande depressão: os bancos. Acontece que em 1934 Dillinger e seus comparsas foram descobertos pelo FBI se escondendo em Mercer, no Wisconsin, nos Estados Unidos. Entre tiros e correria, Dillinger escapou pela saída dos fundos do prédio onde estava, correu alguns metros para o norte e enterrou uma maleta com 200mil dólares. Foi morto 2 meses depois e nunca conseguiu recuperar a maleta.
  

Tesouro pirata - Jean LaFitte e seu irmão Pierre eram verdadeiros piratas. Os larápios eram tão bons no que faziam que criaram uma rede de comércio de armazéns próprios que vendiam produtos roubados de navios do Golfo do México. Só Deus sabe o por que, mas os dois decidiram enterrar uma parte. Imagino eu que para se precaverem, quase como uma poupança. Por fim os dois morreram e o tesouro nunca foi de fato encontrado, exceto pequenas quantias que foram encontradas na costa de New Orleans e que supõe-se serem dos dois piratas.
Jean LaFitte
O mistério - Sigismundo III era filho do rei João III da Suécia. Em 1604 ele invadiu a Rússia e roubou uma enorme quantidade de tesouros, conseguindo encher 923 vagões. A ideia era mandar tudo pela estrada de Mozhaisk, mas algo aconteceu no caminho: o tesouro simplesmente sumiu sem deixar vestígio. Caçadores acreditam que ele ainda possa estar nas cidades russas de Mojaisk e Aprelevka.

Sigismundo III

Achado não é roubado - durante a guerra civil nos Estados Unidos, o coronel John Singleton Mosby comandava uma habilidosa tropa especializada em assaltos surpresa nas tropas inimigas da União na Virgínia. Durante um desses assaltos, eles conseguiram 42 prisioneiros e um saco cheio de 350mil dólares em ouro, prata e heranças de família. O problema é que Mosby não suportava a ideia de “devolver” o tesouro para a União caso fossem pegos de surpresa por alguma tropa inimiga e ordenou que seus homens enterrassem o saco entre dois grandes pinheiros marcados nos caules por ele mesmo com uma faca. Eles o fizeram e retornaram para a parte confederada sem maiores problemas. Quando ele enviou 7 dos seus homens mais confiáveis para resgatar o tesouro, eles foram pegos de surpresa pelos inimigos e mortos no meio do caminho. O coronel nunca mais voltou para pegar o tesouro.

John Singleton Mosby

O tesouro do conquistador - Gengis Khan foi um dos maiores conquistadores do mundo. Antes de morrer desejou ser enterrado com todos os seus pertences. Acredita-se que o tesouro valiosíssimo e incalculável acumulado durante anos de conquistas no século XIII possa estar nos arredores do lago Issyk-Kul, mas não é um fato confirmado. Isso tudo porque os soldados que o enterraram foram mortos e os soldados que os mataram também foram mortos. Tudo para evitar que a tumba fosse encontrada e saqueada. A última grande expedição aconteceu nos anos 20, mas nada foi encontrado. Desde então pequenas expedições  japonesas e americanas até tentaram também, mas a tumba permanece escondida.

Gengis Khan

A trilha perdida - uma trilha perdida a oeste do Novo México pode te render uma fortuna se você tiver sorte. Adams e uma equipe de mineradores decidiu tentar encontrar uma parede do desfiladeiro que chora lágrimas de ouro. Indo por uma trilha que seguia pelo Rio Branco e pelas Montanhas Brancas em 1860 eles até encontraram ouro numa mina, mas na noite seguinte aconteceu uma chacina quando os índios Apaches atacaram de surpresa. Por sorte Adam não estava lá, mas por azar nunca mais encontrou o lugar.


Apaches espertinhos - o índios apaches entraram em conflito com os homens brancos diversas vezes. Em algumas conseguiam roubar tesouros em ouro e joias. Um dia conseguiram roubar um vagão de trem e esconderam toda a fortuna em um forno holandês. Segundo boatos, o tesouro é amaldiçoado e quem o encontrar estará fadado a um destino cruel. Se mesmo assim você quiser procurar, então vá para a montanha Winchester, no Arizona, que é onde eles o enterraram.

Teria coragem de enfrentar esses caras?

Cômodo desaparecido - na postagem sobre roubos de invenções pelos nazistas mostrei que não só invenções eram roubadas, como também quadros e crianças. Mas houve ainda um quarto tipo de item que os nazistas meteram a mão. Ao invadirem a Rússia, eles se depararam com algo incrível: a sala âmbar. O majestoso presente do rei prussiano Frederico I ao czar russo Pedro, o grande, no século XVIII era considerada a oitava maravilha do mundo! Nas paredes se viam painéis de âmbar, ouro e espelhos. Embora os curadores do lugar tivessem tentado mascarar com papel de parede, os alemães foram mais espertos em descobrir a farsa. Nem mesmo as lendas de uma suposta maldição que assola todos aqueles que possuem ou tentam roubar a sala e acabam mortos de forma prematura e estranha assustou os nazistas. Acabaram levando todos os painéis para o castelo de Königsberg, na Alemanha. O problema é que em 1944 os aliados destruíram o castelo durante uma batalha e depois disso a sala sumiu do mapa. Ninguém sabe se foi destruída junto com o castelo ou se foi parar em outro canto da Europa.

Foto da sala original tirada antes de ser saqueada pelos nazistas.


OUTRAS OPÇÕES


Ainda precisa de opções mais viáveis para caçar tesouros? Então aqui vão mais 3 dicas:
No extremo norte ou em casa – no extremo norte do oeste da Rússia há uma península chamada Kola. Lá é possível encontrar Ametistas do Ártico com uma belíssima cor violeta. Uma agência especializada chamada Kola Travel faz tours para o local e permite a exploração. Você pode conseguir uma linda e valiosa pedra com certa facilidade, embora a região seja de difícil acesso. Agora se você quiser mais facilidade pode procurá-las aqui no Brasil mesmo, já que somos um dos maiores exportadores dessas pedras no mundo. Basta ir nas cidades de Caetité na Bahia, Chopinzinho no Paraná, Montezuma em Minas Gerais e principalmente em Ametista do Sul no Rio Grande do Sul. Você provavelmente já viu essas pedras numa loja esotérica ou de enfeites.



Tesouro nazi - um navio mercante alemão chamado SS Antilla estava ancorado nas águas ao norte de Aruba quando foi surpreendido pela polícia local. Foi exigido que o capitão se rendesse, mas ele se recusou. Pra piorar a situação, o maluco abriu as comportas e deixou que a água entrasse no casco. As caldeiras explodiram e o navio afundou. O motivo ninguém sabe, mas há suspeitas de que houvesse algo muito valioso lá dentro pro capitão nazista simplesmente preferir afundar o navio do que se entregar. O local hoje é um cemitério de navios e aviões que pode ser visitado por qualquer um que goste de fazer mergulho turístico, já que está em águas rasas suaves. Então se você quer procurar um tesouro, provavelmente este é um bom candidato e o melhor: é um tesouro surpresa!


Mergulhos valiosos – nas Ilhas Virgens Britânicas há uma ilha chamada Norman e nela há cavernas. Há inúmeras histórias de tesouros escondidos na região e passeios de exploração turísticos de mergulho são muito frequentes por lá. Que tal dar uma xeretada?


 Lembrou de algum tesouro interessante? Compartilhe com a gente nos comentários!


SAIBA MAIS:
Código de Thomas Baele: link
Invenções roubadas por nazistas: link  
Agência Kola Travel (em inglês): link

Confira a parte 1.
Confira a parte 3.

Um comentário: