terça-feira, 21 de julho de 2015

QUAL O PROBLEMA DESSE CARA?


Júnior – Nome o qual odiava por ferir sua individualidade - estava em meio ao seu horário de almoço a contemplar um funcionário que trabalhava na portaria de seu trabalho, em ação. “Um Severino da vida”, pensou ele, com um sorriso de desprezo, e ao mesmo tempo pela graça de um programa que todos diziam não ser engraçado, saber captar um arquétipo tão fiel a milhares de brasileiros.

Enquanto ascendia um cigarro, observava aquelas pessoas em seus carros, buzinando ao longe, dentro deles como se fossem Presidentes em bunkers de guerra. E lá, o suposto Severino com invejável paciência, atendia a todos como se fossem reis chegando a outro reino, e Severino, logicamente, um humilde servo disposto a sacrificar qualquer integridade moral pelos desejos de seus amos.

De súbito, veio em sua mente, um filme B que ele não havia assistido até o final. “Ladrão que Rouba Ladrão”. Por mais sugestivo que fosse o título, ele só conseguia associar aquela situação a uma cena a qual Keanu Reeves, trabalhava em um estacionamento. “Todos estão indo há algum lugar e indo fazer algo, enquanto ele é só alguém estagnado vendo todos passarem.” E emendou mentalmente: “Por que as pessoas se sujeitam a isso? Por que tanta gente sonha tão pequeno? Não tem gana por nada! Vivem apenas de proteger alguns que lhe dêem umas migalhas?”

Seu cigarro apagou. Júnior olhou o relógio como um condenado francês para a guilhotina. Se dirigiu ao “Seu Severino” e o rendeu, era hora de seu turno.

P.S: Essas idéias surgem do nada, e sem periodicidade, pare mais dessas, é só acessar a aba de CONTOS BANAIS.


Nenhum comentário:

Postar um comentário