Pesquisar este blog

smc

domingo, 5 de julho de 2015

DOWNLOAD E ALGUMAS PALAVRAS SOBRE PLANETARY


“Olá. Meu nome é Warren Ellis, eu gostaria de fazer uma gangbang no seu cérebro. Se prepare, pois vou colocar nela um pouco de tudo. Mitologia grega, nórdica, Marvel, DC, teoria das cordas, kaijus, cinema antigo, HQs Pulps que talvez você não tenha ouvido falar, História geral do século passado, Teorias de Conspiração e por fim uma peça de quebra-cabeça em cada capítulo dos 26 que vão compor esse estupro memorial e referencial. Meu parceiro nisso tudo vai ser o excelente ilustrador John Cassaday, seu desenhos conseguem ser detalhados, realistas e possuir um dinamismo cinematográfico sem usar uma única onomatopeia! Você está pronto, gracinha?”


É sério. Era isso que deveria ter de introdução no primeiro número, juro. Conheça um mundo que parece ser o nosso, mas não é o nosso, onde a sensação de déjà vu é extremamente proposital, visto que um dos objetivos da série é fazer provocações e referências a respeito de vários arquétipos, ao tempo em que promove um enredo onde “o que aconteceria se...?” É a realidade principal, só não se apegue muito a solidez dessa mesma realidade, visto que o enredo mostra que na metade do século passado já havia um mapa dimensional mapeando 196.833 dimensões. Mandando spoilers, alguns exercícios criativos praticados na série:

·         O que aconteceria se... A trindade alternativa da DC fosse assassinada antes de se encontrarem?

·         Tarzan morasse em Wakanda?

·         Os Iluminattis daquele mundo fosse uma assembleia de heróis “pulps” dos anos 30?
·         O mundo ser uma marionete de uma versão maligna do Quarteto Fantástico que rouba as principais tecnologias do mundo para sí?

·         John Constantine e Spider Jerusalém fossem a mesma pessoa?

·         Não exista céu, apenas um hardware gigante armazenados de ectoplasma?

Imaginou? Interessante? Excêntrico? Curioso? Descartável?

Junte ao fato de termos um enredo desconexo. Isso mesmo, onde aparentemente podemos acompanhar de qualquer número, já que em sua maioria são histórias fechadas, cada qual com uma personalidade própria, tanto que até o logo “Planetary” é algo que nunca se repete de uma edição a outra.

Daí você começa a ler e acompanhar que uma srta. Jakita Wagner (resistência, super-velocidade e força sobre-humana) e um rapaz chamado Baterista (poder de se comunicar e controlar qualquer matéria informacional e eletrônica) vão recrutar um velho moribundo que sempre está vestido de branco, cujo nome é Sr. Snown (habilidade de congelar virtualmente qualquer coisa a seu alcance). Lendo descompromissada mente, você vai vendo que Snown tem modestos cem anos de idade, é teoricamente imortal e possuí a maioria dos segredos do século XX na sua cabeça. Logo perceba que não existe nenhuma aleatoriedade presente na obra inteira, e que tem em mãos (ou na tela do PC) um quase impecável quebra-cabeças... Particularmente, só metade da edição 26# me desagradou, eu esperava mais do final, mas asseguro que as 25 edições anteriores são muito boas. Se ainda não leu, corrija esse erro como eu corrigi, e como Alan Moore aconselhou no prefácio dele (Planetary vol. 1, Panini Comics):

“De agora em diante, tente pensar como um Planetário.”

Eu estou.


E você?


Nota: 9.3

Nenhum comentário:

Postar um comentário